R7 - Notícias

Buscar no site
Eu quero um e-mail @R7
Esqueci minha senha

23 de Outubro de 2014

Você está aqui: Página Inicial/Notícias

Icone de Agenda do Dia Agenda do Dia

publicado em 17/06/2013 às 14h30: atualizado em: 17/06/2013 às 14h30

Funcionários da Eletrobras de Alagoas paralisam atividades

A paralisação é em protesto por conta da demora da empresa em iniciar as negociações do acordo coletivo de 2013

Do Tribunal Hoje
  • Texto: 
  • Aumentar a fonte da matéria
  • Aumentar a fonte da matéria

Hoje, os/as trabalhadores/as da Eletrobras Distribuição Alagoas e Chesf/AL, realizam uma paralisação de protesto contra o atraso da empresa em iniciar o processo de negociação do Acordo Coletivo 2013. A paralisação de 24 horas segue orientação do Coletivo Nacional dos Eletricitários - CNE e ocorre em todo o país, em todas as empresas da Holding Eletrobras, incluindo geradoras e distribuidoras. Apenas os serviços essenciais serão mantidos. Na capital a concentração será no prédio sede da empresa na Av. Fernandes Lima,no interior do Estado a categoria irá se concentrar nas sedes regionais da empresa e na CHESF a concentração será no prédio em Rio Largo.

Segundo Amélia Fernandes, presidenta do Sindicato dos Urbanitários de Alagoas, a direção da Eletrobras está desrespeitando os/as trabalhadores/as e tratando com total descaso as suas entidades representativas. Segundo Amélia, a primeira rodada de negociação realizada no dia 14 de maio foi absolutamente improdutiva, sem uma sinalização da contraproposta da empresa para o ACT e,  a segunda rodada, prevista inicialmente para o dia 05 de junho, foi adiada  unilateralmente pela Eletrobras, para o dia 21 de junho, apesar da insistência por parte do Coletivo Nacional dos eletricitários - CNE em agendar a reunião em uma data mais próxima.

Os sindicalistas denunciam que a Eletrobras utiliza como estratégia desviar a atenção dos/as trabalhadores/as enquanto prepara uma proposta visando atacar os direitos e destruir as conquistas históricas da categoria. "Temos sido vítimas de vários ataques da empresa, nos nossos mais diversos direitos, inclusive chegou ao conhecimento da Federação Nacional dos Urbanitários - FNU, uma correspondência do Departamento de Controle das Empresas Estatais – DEST encaminhada ao Ministério de Minas e Energia contendo  recomendações  aos gestores das empresas  do  Grupo  Eletrobras,  extremamente nocivas  aos/as trabalhadores/as", denuncia Amélia.

Segundo a sindicalista, as recomendações revelam o “saco das maldades” que deve ser preparado pelas empresas com vistas às negociações do setor elétrico em curso. As recomendações do DEST sugerem que as empresas do Grupo Eletrobras devem buscar reduzir direitos e benefícios dos/as  trabalhadores/as, chegando a listar os itens que devem ser suprimidos. Oferece inclusive uma “recompensa” na PLR dos gestores mais competentes” na caça aos direitos dos/as trabalhadores/as.

Os/as trabalhadores/as afirmam que não aceitarão esta postura de desrespeito e principalmente de ataque aos direitos e conquistas da categoria e prometem reagir, inclusive não descartam a possibilidade de indicação de greve por tempo indeterminado.



 

 


Shopping