Após ser agredida por taxista, mulher ainda sofre deboche de PM na delegacia em Salvador

Policial disse que mulher mereceu levar o murro porque estava na “esbórnia”

Jovem foi surpreendida com os comentários de um policial, que atribuiu a ela a culpa de tudo que aconteceu
Jovem foi surpreendida com os comentários de um policial, que atribuiu a ela a culpa de tudo que aconteceu Reprodução/Record TV Itapoan

Uma mulher denuncia ter sido agredida por um taxista e após dar queixa diz que foi humilhada por um policial dentro da delegacia, em Salvador. O caso teria acontecido na madrugada de sábado (18), no bairro da Pituba, quando a vítima e uma amiga pegaram um táxi.

Leia mais notícias no R7 BA

Experimente grátis toda a programação da Record no R7 Play

As amigas comemoravam aniversário em uma bar, quando uma delas passou mal e foi amparada pela colega, que pediu um táxi. Ao embarcar, a jovem acabou vomitando, o que irritou o taxista. A vítima contou que foi agredida pelo profissional.

— Ele deu um murro no meu rosto, que atingiu o meu óculos. Felizmente não pegou no meu rosto porque ele é um rapaz de porte muito maior que o meu e forte, então era muito provável que eu me machucasse.

Quando as mulheres conseguiram descer do veículo, as amigas resolveram pedir outro taxi e quando passaram perto de um posto de combustíveis avistaram uma viatura da Polícia Militar. As mulheres contaram para os policiais sobre as agressões sofridas e todos voltaram ao local em que aconteceu a confusão. Vítima e agressor foram levados para delegacia.
A mulher contou que, na delegacia, o agressor ainda ficava atrás dela falando mais coisas, sem demostrar nenhum arrependimento. Foi preciso vítima e agressor ficar em salas separadas para acabar com a confusão.

Ainda na delegacia, a jovem foi surpreendida com os comentários de um policial, que atribuiu a ela a culpa de tudo que aconteceu.

— Eu fui filmada, fotografada e meu pai (que a estava acompanhando) também por um policial. Eu consegui registrar o flash do celular dele ligado apontando pra mim [...] ele me dizia que eu tinha merecido o que tinha acontecido, que se eu não estivesse na esbórnia, essa foi a palavra que ele usou, nada disso teria acontecido e que era bem feito o murro que eu tinha tomado.

Ainda assustada e magoada, ela diz que vai tomar providências, mas aguarda um pedido de desculpa.

— Eu espero um dia receber um pedido de desculpas dos dois pelos transtornos e espero que eles sintam de alguma forma o que seu estou sentindo agora.