Bahia

Prefeita de Camamu é denunciada por desvio de recursos públicos

Mais sete envolvidos também foram denunciados por fraude de licitações e desvio de recursos 

Do R7

Segundo denúncia, Emiliana Santos aderiu ao esquema em troca de propina no valor de 30% do montante pago pela prefeitura Reprodução/ Street View

A prefeita de Camamu, a 329 km de Salvador, Emiliana Assunção Santos foi denunciada ao Tribunal Regional Federal da 1ª Região por fraudes e desvio de recursos públicos, descobertos durante a Operação Águia de Haia. Além dela, outros sete envolvidos também foram denunciados.

Leia mais notícias no R7 BA

Os acusados fraudaram licitação para contratar supostos serviços educacionais de tecnologia da informação, com superfaturamento de contratos e desvio de recursos públicos do Fundeb (Fundo de Manutenção da Educação Básica). O empresário Kells Bellarmino é apontado como chefe do núcleo empresarial da organização criminosa. As apurações revelaram tratar-se de um esquema bem montado de desvio de dinheiro público, corrupção de agentes políticos e servidores públicos. Para transmitir legalidade aos processos, a quadrilha utilizava empresas vinculadas à organização que competiam pela licitação entre si, configurando fraude na disputa.

Em Camamu, a contratação foi direcionada à empresa KBM ( Kells Belarmino Mendes) em dezembro de 2014. Segundo denúncia, a prefeita Emiliana Santos aderiu ao esquema em troca de propina no valor de 30% do montante pago pela prefeitura, orçado em mais de R$ 2,6 milhões. De acordo com a procuradora da República Raquel Branquinho, ainda que as escolas da licitação tivessem recebido o serviço, o município teria um prejuízo de mais R$ 535 mil, por conta do superfaturamento do contrato.

Experimente grátis toda a programação da Record no R7 Play

As apurações iniciais revelam um esquema de desvio de dinheiro público e corrupção de agentes e servidores que envolvia não apenas o município de Camamu, mas cerca de 20 municípios baianos. Os custos das contratações eram desproporcionais à realidade dos municípios, muitas escolas que recebiam os serviços não possuíam sequer acesso à internet, tornando impossível a execução contratual, embora os valores tivessem sido liberados.Segundo a denúncia, as atividades da organização criminosa eram divididas entre integrantes responsáveis pela preparação dos processos de licitação nas prefeituras vinculadas ao esquema. O grupo aliciava prefeitos e servidores em troca de vantagens econômicas, além disso, interferia na logística necessária para atribuir legalidade aos produtos e serviços vinculados às contratações falsas.

As penas para os denunciados podem chegar a 12 anos de detenção, além de multa. Prefeitos e servidores públicos também podem ficar inabilitados de exercer cargo ou função pública pelo prazo de cinco anos.

  • Espalhe por aí:

Twitter

X
Enviar por e-mail
(todos os campos marcados com * são obrigatórios)
Preencha os campos corretamente.
Mensagem enviada com sucesso!