18
jan
17h08

Voltei do Rio dia 16 e, ainda assim, fiquei sem escrever. Dessa vez não foi por falta de tempo. Tudo que eu tenho agora é tempo. Não escrevi por falta do que falar, porque não acho que eu deva ficar falando sobre a mala que eu comprei para ir passar um ano fora ou sobre a vacina que eu tomei. Porque isso não importa. Ou talvez, porque eu não queira mais ficar planejando ir, e só queira ir logo.

Eu não consigo me imaginar ficando aqui esse ano. Não consigo pensar em mais um ano da minha vida é igual, que a rotina persiste. Todo mundo precisa de um tempo longe, todo mundo precisa mudar, ver sua própria vida de um outro ângulo. Quer dizer, quem sou eu para julgar se todo mundo precisa disso? Só sei que eu preciso, e não consigo mais ver motivos fortes para ficar. Motivos, sim, mas nada que me prende e me faça ver que passar um ano aqui me acrescentará mais do que ir para lá. A cada dia me dou mais e mais motivos para estar fazendo a escolha certa, e parece que só me convenço mais.

Já conheço essa cidade cheia de trânsito, violência e as mesmas coisas de todos os dias. Às vezes sou apaixonada por São Paulo, mas às vezes só consigo desprezar essas ruas com prédios horríveis, com tantas árvores quanto moradores de rua nas calçadas. Já sei decor tudo que acontece por aqui, ou, talvez, eu conheça o que eu quero conhecer. Já vivi 18 anos aqui. Já é mais que o suficiente, pelo menos por enquanto. Um ano longe pode me mostrar não só outro lugar do mundo, mas outra maneira de viver essa mesma vida, aqui, de querer conhecer mais coisas sobre mim, sobre São Paulo. Acho que só mudanças em quem somos podem nos dar uma nova visão do nosso mundinho, que pode parecer o mesmo por muito tempo.

Não é como se o Brasil fosse o pior lugar do mundo e Israel o melhor. Claramente não. Mas essa é a minha escolha. Sair daqui e ir para lá por alguns meses. Só ficando longe dos defeitos e das qualidades daqui acho que posso ter um ponto de comparação. Sim, já viajei bastante, mas nunca morei fora. Nunca passei mais de um mês em outro país sentindo o que são as suas qualidades e seus defeitos.

Não contava os dias para ir faz tempo, só sei que falta pouco. São 38 dias. Pouco mais de um mês, e parece que o tempo passa a cada dia um pouco mais devagar.

Ir para a home do site
Todos os direitos reservados - 2009- Rádio e Televisão Record S/A
exceda.com