R7.com

E-mail @R7
R7 E-mail
Usuário @R7.com
Senha
  • Facebook
  • Twitter
  • Orkut
  • Pinterest
  • Instagram
  • You Tube
  • RSS
  • Youops
Publicado em 20/09/2011 às 12:27

O maior site pornô do mundo

forasta 1 O maior site pornô do mundo

CONVERSAS AO VIVO EM DIRECTO COM ESPECIALISTAS

Faça novas amizades, obtenha conselhos de especialistas e talentos. Converse sobre temas interessantes, aprenda, pratique ou apenas divirta-se! Quer esteja à procura de pessoas inteligentes, cultas, carinhosas ou divertidas, você irá encontrá-las em LiveJasmin! É uma oportunidade a não perder.

Ogi Ogas e Sai Gaddam são neurocientistas. Escreveram A Billion Wicked Thoughts. É a maior análise de comportamento sexual da história, segundo os próprios. Não entrevistaram seu vizinho nem visitaram bordeis. Simplesmente analisaram toda a informação sobre sexo disponível na internet,  uma cordilheira de dados.  Chegaram a zilhões de conclusões algumas surpreendentes, outras esperadas - por exemplo, homens preferem mulheres acima do peso do que abaixo. Vale a pena fuçar o site deles, e quem sabe enfrentar o livrão. Veja aqui.

Embatuquei com uma parte específica do estudo. Trata de pornografia na internet. Primeiro, como faz para medir a quantidade de pornografia na rede? Os pesquisadores escolheram dois parâmetros. Da lista de um milhão de sites com maior audiência do mundo em 2010, quantos são pornôs? 42.337, pouco mais de 4% do total.

E das buscas realizadas na web, quantas são por conteúdo erótico? Mais ou menos 13%. Claro que muita atividade sexual acontece fora de sites propriamente pornográficos - em salas de bate-papo, por exemplo. Mas para identificar pornografia mesmo - quer dizer, com imagens, foto ou vídeo  - os dois critérios parecem eficientes.

E qual o site pornográfico mais popular do planeta? Deve ser um com vídeos da pesada, em full HD, com as maiores e mais protuberantes estrelas do mundo pornô, e de graça, certo? Errado.

É o Livejasmin, um site em que você pode entrar, ver uma moça/moço tirar a roupa ao vivo na frente de uma câmera, e se comunicar com a pessoa do outro lado da tela. Tipo, tire isso, faça aquilo, divirta-se com esse e aquele brinquedinho etc. Tem pessoas solo, casais, lésbicas, gays, todas as cores e variedades e atividades imaginárias.

O LiveJasmin é parte grátis, para atrair bastante gente, e a principal parte pago. É o modelo conhecido no mundo digital como freemium, onde você atrai muita gente com conteúdo / serviço grátis, e converte uma pequena fatia que banca tudo e ainda garante o lucro da operação.

No caso do LiveJasmin, é ainda mais afinado com estes tempos de internet, porque é baseado em UGC, user-generated content, conteúdo gerado pelo usuário, ao vivo, e com muito rala-rala. Tem versão pra celular também.

forasta 2 O maior site pornô do mundo
Não enfrentarei as 416 páginas de A Billion Wicked Thoughts. A vida é curta e os dias, longos. Mas intuo que aprendi algumas coisas sobre a internet, a natureza humana e o estado das coisas, durante meus minutos no Livejasmin.

Em um esforço de reportagem, dei uma perambulada pelo portal. Está disponível em 19 línguas, inclusive português. Fui enviado para a versão em português de Portugal, oferecendo mancebos e raparigas, lésbicas,  transexuais.

Achei menos indecente optar por Mulher Madura, alguém da minha idade, e fui desviado para a seção, onde pode-se escolher entre "avosinha", "mamã", "depiladas", etc. Tem um teaser, um videozinho para te animar a ir em frente, e o próximo passo é ir para o bate-papo, coletivo ou, se quiseres atenção individual, pago. Mas as mulheres não eram maduras, estavam mais passadas. Fui zanzar pelo site.

De um lado é estranho a naturalidade com que as pessoas se expõem. Do outro, dá para entender o prazer que a geração videogame tem de comandar as ações dos atores do Livejasmin (é isso que eles são, atores). É como comandar seu avatar em um desses mundos virtuais.

Aperta um botão e a moça baixa a calcinha, zup. Fascinantes os diálogos entre usuários e performers, cheios de palavrões, carinhos, inglês tosco, uma orgia internacionalista, e cada um no aconchego do seu lar.

A área com casais tinha gente apresentável, atraente, comum. Nada de bombadões e turbinadas de reality show brasileiro, normalidade que é parte integral do apelo do Livejasmin. O à vontade das duplas sugere que muitas devem ser casais mesmo. Fiquei voyeurando uma narigudinha de olhos muito azuis, falsa loira, vestindo só lingerie, entediada na frente da webcam, sem homem por perto.

Pensava em fazer uma entrevistinha. Na hora H, bem, nunca tive problemas com dar o número do cartão de crédito na internet, e duvido que tivesse algum pepino com o Livejasmin, mas - ridículo - bateu constrangimento de engatar um papo virtual com a gringa, húngara, russa?

O Livejasmin tem 32 milhões de usuários mensais. É 2,5% do total de usuários da internet no mundo. Muito, em números absolutos, pouquíssimo, se você considerar que é o destino pornô número 1 da internet. É apenas o 47º site mais popular do mundo, segundo o Alexa.com.

Mas é boa fonte de receita para milhares de pessoas pelo mundo afora, que no aconchego do seu lar se exibem para estranhos em outros continentes e recebem sua parte da graninha (claro que boa parte fica com a AWEmpire, empresa que é dona do Livejasmin). Certamente mais seguro que trabalhar se exibindo de verdade, ou transando de verdade por dinheiro.

Não vi ninguém obviamente brasileiro, mas deve ter. Se você está se animando, saiba que o dinheiro é curto, entre US$ 8 e US$ 15 dólares por hora, uns R$ 25 no máximo. É por isso que a maioria dos que se exibem por lá são gente do leste europeu, Ásia, América Latina etc., lugares onde mil dólares por mês ainda é graninha razoável.

Aprendi várias coisas no meu seguro passeio virtual pelo lado selvagem. Faltou uma importante. Certo que uma rosa chamada por qualquer outro nome continua tendo o mesmo perfume.  Mas quem foi o gênio que batizou o maior site pornô do mundo com um nome delicado como Jasmim Vivo?

Veja mais:

+ Curta o R7 no Facebook
+ Siga o R7 no Twitter

+ Veja os destaques do dia
+ Todos os blogs do R7

Ir para o Topo