R7.com

E-mail @R7
R7 E-mail
Usuário @R7.com
Senha
  • Facebook
  • Twitter
  • Orkut
  • Pinterest
  • Instagram
  • You Tube
  • RSS
  • Youops
Publicado em 21/12/2012 às 12:00

Bem-vindo, Fim do Mundo: hoje é um bom dia para morrer

death tarot Bem vindo, Fim do Mundo: hoje é um bom dia para morrer

134 milhões de seres humanos nasceram em 2012. 56 milhões de pessoas morreram em 2012. Para esses, foi o fim do mundo. E hoje mesmo, o apocalipse chega para mais uns 150 mil de nós. Dona Ana Coslovic Sajovic, minha bisavó, cravou: "o mundo acaba pra quem morre".

Fim do Mundo não tem nada a ver com o planeta sendo incinerado por vulcões, asteroides, maldições. Com o apocalipse previsto pelo calendário Maia, vi muita gente encucada sobre o que faria se o mundo fosse acabar. A pergunta verdadeira é: o que eu priorizaria no resto da minha vida, se minha morte tivesse data marcada?

Gui pergunta pra Mafalda, na tira clássica: "é verdade que antes da gente nascer já existia pirulito, tobogã e desenho animado?". Mafalda responde para o irmãozinho, "Claro!". Gui, inocente: "Pra quê?". Nós humanos não nos importamos com o passado, o futuro, a história, a Terra. É tudo grande demais pra nosso cérebro, preocupado com o aqui e o daqui a pouco. Não é limitação, é estratégia evolucionária.

Vem funcionando muito bem. Nosso olhar vai no máximo até a sobrevivência da nossa prole imediata. Pra quê serve o mundo depois que eu morrer, egotística e realisticamente falando? Para continuar carregando os que amo, e especialmente os meus genes... e é por isso que a gente se esforça tanto para deixar um mundo melhor do que quando aterrissamos por aqui. Temos feito um trabalho razoável, mas falta muito.

A estratégia mais inteligente é nos apressarmos. Que o mundo acaba é certeza. E não falo do planeta ser incinerado pelo Sol, daqui a uns cinco bilhões de anos. Vai acabar é pra você, amiga leitora, e logo. Quem sabe daqui a um ano? E você aí, leitor camarada, talvez tenha só mais duas semanas! A vida é bela e cruel e curta. Existe grande probabilidade estatística de eu já ter vivido mais da metade da minha vida. Me programo e torço para chegar aos cem. Mas 2065 já está aí! Pior: talvez eu só tenha mais uns dez minutos, antes de tropeçar na escada, trincar o crânio e nunca mais acordar.

O que você faria se soubesse que vai morrer daqui a um ano? Anthony Burgess escreveu três livros, para deixar de herança pra mulher (mas era alarme falso, e ele viveu mais umas quatro décadas). O cientista Randy Pauch escreveu só um, uma mensagem para seus filhos sobre o sentido da vida (e o câncer o levou no tempo previsto).

Vamos brincar de fazer lista instantânea? As prioridades para meus últimos doze meses são:

- passar muito tempo com as pessoas que amo
- cozinhar mais para as pessoas que amo (e assar mais uma Putitza)
- viajar para o Japão, Angkor Wat e Eslovênia
- mergulhar com um tubarão-baleia
- pular de pára-quedas
- organizar meus textos antigos em um livro
- não desperdiçar segundos preciosos com falsas urgências
- parir meu sensacional projeto de games educacionais
- ouvir só música deliciosa, ver só os grandes filmes que ainda não vi
- ler sobre o futuro, a esperança, a beleza, o amor e o mistério
- botar no papel três histórias que eu gostaria de deixar para o meu filho.

E a sua lista? Não quer escrever? Para tudo, escreve a sua, que faz bem para a alma.
A minha, bom, nada muito revolucionário, mas ficou boa, considerando que levei dois minutos. Certamente muita coisa importante ficou de fora. Vou melhorando com o tempo. Mais importante: percebo agora que tudo isso está ao meu alcance.

Que posso realizar todos estes objetivos nos próximos doze meses. E nem preciso morrer no final! É uma sensação maravilhosa. Basta eu querer de verdade, me dedicar de verdade. E reconhecer que para viver como quero - como se fosse morrer em breve - preciso mudar.

Não sou místico ou religioso. Mas compreendo e admito o poder dos mitos e dos símbolos. O mito do fim do mundo tem boas razões de ser, e por isso estará conosco para sempre. No tarô, a carta Morte não indica que você vai morrer. É mudança, transformação, passagem.

É exatamente o significado da comemoração do solstício do inverno, do Natal, e do Ano Novo. Simboliza renascimento. Então digo de coração, como aqueles bravos apaches dos faroestes, talvez como os Maias: hoje é um bom dia para morrer.

Veja mais:

+ R7 BANDA LARGA: provedor grátis!

+ Curta o R7 no Facebook

+ Siga o R7 no Twitter

+ Veja os destaques do dia

+ Todos os blogs do R7

 

 

 

Ir para o Topo