R7.com

E-mail @R7
R7 E-mail
Usuário @R7.com
Senha
  • Facebook
  • Twitter
  • Orkut
  • Pinterest
  • Instagram
  • You Tube
  • RSS
  • Youops
Publicado em 06/03/2013 às 13:52

Chorão

chorão Chorão

Por vinte anos o Charlie Brown Jr. esteve nas FMs, rádios pop, rádios rock, nas TVs e festivais. Alguma coisa eles tinham. As canções eram rock ligue-os-pontos. Conectavam com muita gente. As letras de Chorão eram toscas e sinceras. Ganhavam ressonância e sentido em sua voz malaca. Diziam: sou só um garoto skatista e destrambelhado, procurando um lar e um amor. E nunca encontrarei, sugeriam.

Dá dó do cara morrer assim, 42 anos, firme e forte, dinheiro no banco, fãs à beça. Parece overdose. Surpresa, mas se for isso mesmo, surpresa nenhuma. Tem gente que vive como um acidente na bica de acontecer. Quando a banda apareceu, 1992, já ouvíamos causos sobre os excessos de Chorão. Depois só piorou. Uma coisa é ser rebelde e enfiar o pé na jaca aos 20. Depois dos quarenta, a vida é outra, e cobra.

O Charlie Brown não foi sempre essa autoparodia de hoje. Quando a banda apareceu, era única. Ninguém mais no Brasil captou essa vibração californiana, praiana-urbana, surf e também skate, relax e tensão, vida boa e vida lôca. Fora tínhamos Sublime, Red Hot Chili Peppers, Urban Dance Squad. Aqui, ninguém, e ninguém seguiu o Charlie Brown. Eles descobriram um mundo lá fora, recriaram esse mundo aqui dentro, e ali reinaram sem rivais. Era o som moderno da Califa via Santos, muito brasileiro, galinha, eshperto.

A onipresença da banda mexeu com o núcleo dos maiores rivais do Charlie Brown em sua geração, seus antípodas em popularidade e respeito da crítica: Los Hermanos. Charlie Brown era bermuda, tatoo, zoeira, somos do rock e vai encarar? Los Hermanos barbicha, cabecice, instrospecção e ânsia desesperada de aceitação na MPB empoeirada. Uma banda abraçava a praia, outra lhe dava as costas. Chorão tinha milhões de amigos, Marcelo Camelo e companhia sonhavam com poucos e bons discípulos. Um fez sucesso só de público, outro sucesso só de crítica.

Um dia a língua de Camelo foi mais longe que devia: "esse negócio de fazer comercial para Coca-Cola é um desdobramento da indústria, a gente rejeita esse negócio de vender atitude". E depois: "o Charlie Brown Jr. é uma banda da qual temos discordâncias estéticas... são precursores deste estilo que combatemos."

E foi aí que Chorão ganhou minha torcida. Porque foi tirar satisfações com Camelo. Deu-lhe um soco no nariz, o que não é bonito, mas fácil entender e, no meu caso, aplaudir. Camelo processou pela agressão, pedindo dinheiro, o que é menos bonito ainda, pra não dizer invertebrado. Perdeu. Comemorei com Chorão. Los Hermanos sempre pediram uns corretivos.

Mais triste que pensar que o Charlie Brown Jr. morre com Chorão, é reconhecer que a banda não deixa herdeiros, enquanto Los Hermanos têm um a cada esquina. Não é questão de celebrar as melodias, letras ou arranjos do Charlie Brown, tudo muito simples. Mesmo hoje, fundadores quarentões, era uma banda de moleque, bocuda e barulhenta. Isso tem seu valor, mesmo que seja espiritual e não musical, e mesmo que não seja para mim. Hoje até as bandinhas de moleque são pedantes, ensimesmadas, bananas. O jovem roqueiro de hoje quer ser bunda-mole. Chorão sai da área na hora. O rock brasileiro ficou proibido pra ele.

+ Acompanhe a cobertura da morte de Chorão no Portal R7

+ Agora você já pode escolher os seus livros pelo R7!  

 

 

 

Ir para o Topo