Publicado em 24/09/2009 às 11:06

Perfil

A missão deste blog é provocar, mas não barato. Contradizer, mas não no automático. Explicar, sem ser chato. E informar, mas só o que me importa.

Meu assunto é qualquer tema que me inspire, confunda, ou revolte. Escrevo para explicar as coisas para mim mesmo, por diversão, e para desopilar o fígado. Como costumo dizer: pela farra e pela forra.

Biografia profissional: nasci em 1965. Cresci em Piracicaba, no interior de São Paulo. Dei sorte de ter uma mãe que me ensinou a ler aos quatro anos, e um pai que nunca me negou dinheiro para comprar livros e revistas (obrigado, Valderez e João Carlos!). Entrei na USP em duas faculdades, jornalismo e história, e abandonei as duas.

Em 1988 comecei na Folha e não parei mais. Na Ilustrada fui repórter, com foco em música, cinema e quadrinhos. Fui o primeiro editor do primeiro caderno para adolescentes, o Folhateen. Aprendi a editar revistas na Bizz, de música, e Set, de cinema.
Em 1993 larguei o emprego para fundar minha primeira empresa, a Acme, que lançou em seu primeiro ano duas revistas. A General durou pouco, mas marcou muito. Muito moleque aprendeu a ler com a Herói. Foi o começo de uma grande aventura independente.

Depois vieram revistas de games e Pokémon. Vieram os primeiros mangás, Cavaleiros do Zodíaco, Dragon Ball e outros. Vieram revistas pra meninas, SuperMenina e Smack! Veio a Conrad Editora e a Conrad Livros, com um catálogo ousado, que combinava graphic novels, novos autores, e os livros radicais da Coleção Baderna. Veio outra revista que durou pouco e marcou muito, a Play, a primeira sobre a cultura da internet.
Fundador e diretor editorial da Conrad, deixei a editora em 2005. Fundei outra editora com a Ediouro só para publicar quadrinhos, a Pixel Media; virei sócio de uma revista de moda (!), a Key; e lançamos no Brasil a PC Magazine. Durante todos esses anos, continuei colaborando com veículos grandes e pequenos, da Caros Amigos à Época, e com Folha e Estadão. E sou sócio remido do melhor programa de rock da rádio brasileira, o Garagem. Trabalhei com centenas de pessoas, aprendi um monte, acertei algumas, errei muitas outras.
De 2009 para cá, a vida ficou mais simples. Na Tambor, dirijo o conteúdo da única empresa brasileira de comunicação especializada em games. Publicamos as duas maiores revistas brasileiras do segmento, a EGW (Electronic Game World) e a Nintendo World, e mais três sites, GameWorld, NintendoWorld e Herói. Impactamos mais de 3 milhões de usuários por mês. Os games estão conquistando o mundo, e é gostoso fazer parte disso.
Em 2009 comecei este blog, que passou pelo UOL. Está aqui desde o primeiro dia do R7. Foi aqui que comecei a curtir o blog de verdade, e foi aqui que entendi que jamais vou parar de escrever.
Nas horas livres, me dedico a namorar e a criar meu filho, Tomás.

 

Ir para o Topo