A pré-candidatura do deputado Ciro Gomes, do PSB, está praticamente inviabilizada. E deve ir para o espaço no dia 27, quando a Executiva do PSB se reúne para decidir a questão.

Após reunião com o Lula, o presidente do PSB, Eduardo Campos, governador de Pernambuco, declarou que Ciro Gomes mantém o desejo de se candidatar, mas vai aguardar a decisão do partido. “Ele está solitário e compreensivo com o partido, pelo qual tem sido muito bem tratado”, afirma Campos.

Segundo o governador, a grande preocupação do PSB é com a viabilidade da candidatura, sem tempo na tv e sem alianças fortes. O PSB só tem o apoio do PT em quatro dos dez estados onde terá candidatos a governador e ao senado.

A quinta-feira foi de reuniões de pessebistas com o candidato, e também com o governo. O PSB continua preferindo se fortalecer, elegendo mais representantes no Congresso, do que se lançar a uma candidatura Ciro fadada à derrota e na contra-mão dos interesses da aliança governista que dá sustentação à candidatura Dilma.

A dificuldade dos pessebistas está em desatar o nó chamado Ciro Gomes sem melindrá-lo a ponto de empurrá-lo para os braços do tucano Tasso Jereissati, seu amigo de décadas. A reaproximação política entre os dois cearenses vem preocupando o partido e o comando da campanha de Dilma. Jereissati chegou a discursar recentemente da tribuna do senado em defesa de Ciro, a quem o PT e o governo estariam destinando tratamento de inimigo.

(Com informações de SÉRGIO AMARAL e CLÁUDIA CONÇALVES – TV Record)