Marina Silva, agora oficialmente candidata à Presidência pelo PV, sai para a disputa com cerca de 12% de intenções de voto, a preferência entre os eleitores de 16 a 25 anos, o menor gasto de campanha entre os candidatos – previsão de R$ 90 milhões – e apenas um minuto e oito segundos para dar o seu recado na tv. A falta de alianças fortes limita drasticamente as chances da candidata que, no entanto, mesmo em caso de derrota, sairá ganhando.

A ex-ministra, que ainda está distante de ser uma alternativa viável à polarização Dilma-Serra, pessoalmente ganha com a candidatura: torna-se um nome nacional, para além do cargo executivo que ocupou, e conquista musculatura política após a experiência do palanque. Marina também promoverá o PV de forma inédita para o partido, que deve crescer, com a eleição de um número maior de parlamentares do que se poderia esperar se não fosse a candidatura presidencial.

Sem falar é claro na importância da propagação da mensagem da preservação ambiental e da formação de consciência pública em torno do tema que Marina, através de sua candidatura, está promovendo.

Na convenção do PV, nesta quinta, a candidata fincou suas estacas: deixou claro que não pretende se misturar com a política convencional, nem mesmo se for para fazer alianças ocasionais que lhe garantam maior tempo de tv.

Abaixo, o pensamento de Marina Silva, a partir de trechos do discurso da candidata na convenção.

Favoritismo entre os jovens

“Os jovens se envolvem onde está o cheiro da mudança, da transformação.  Não abrem mão de sonhar para ver mudar o futuro.”

Eleição plebiscitária

“Hoje temos um Brasil que não precisa olvidar suas conquistas, mas também não precisa fazer apologia cega, esquecendo que ainda temos muitos erros a serem corrigidos.”

“Não vamos aceitar o veredito do plebiscito. Ele vai ser revogado pelo povo.”

Legado de Lula

“Temos ainda outra conquista: a da redução da pobreza: 25 milhões de brasileiros que deixaram a linha da pobreza. Não é porque sou de outra coligação que preciso negar este feito do operário Luís Ignácio Lula da Silva.”

Caos urbano

“Em 2009, 5 milhões e meio foram afetados pelas chuvas. Dá para tratar isso como sendo natural? Não dá! É falta de planejamento, de estratégia e de ética.”

Importância da Educação

“O que nos falta são as oportunidades. Foi graças à fresta da educação que a minha vida mudou. Isso não é uma regra – e uma exceção.”

Papel do Estado

“Temos de sair da idéia de um Estado provedor, que faz as coisas pelas pessoas, para o Estado mobilizador, que faz as coisas com as pessoas.”

+ Leia todas as notícias do dia no R7