Em entrevista ao Jornal Nacional na noite desta terça, a candidata do PV, Marina Silva combateu a idéia de que não será capaz de governar o Brasil porque não tem alianças políticas. “Para mim vai ser mais fácil. Dilma e Serra estão mais comprometidos que eu”, declarou. Marina sustenta que é a mais indicada para restabelecer o diálogo e a interação entre políticos de diversas correntes. Alegou que, quando ministra, aprovou projetos com apoio de parlamentares de todos os partidos. “O Brasil não pode mais esperar e continuar perdendo tempo com brigas políticas que não levam a lugar algum”, completou.

Confrontada com a falta de quadros do PV até mesmo para montar o governo, Marina argumentou que governos são compostos de pessoas de qualidade de diversos partidos e setores da sociedade. “Lula teve de governar com quadros do PSDB”, exemplificou.

A ex-ministra do Meio Ambiente foi questionada sobre o atraso em obras provocado por licenças ambientais e perguntada se em seu governo o Brasil enfrentaria o risco de apagão por atrasos em obras no setor elétrico. A candidata descartou esta hipótese, e afirmou que é possível agilizar procedimentos – o que, no entanto, não aconteceu enquanto ela ocupou uma vaga no ministério de Lula.

Mais da metade dos 12 minutos de entrevista foi tomada por perguntas relativas ao mensalão, tema que não foi mencionado na entrevista da véspera, com a petista Dilma Rousseff. Marina foi cobrada a esclarecer por que não deixou o governo e o PT durante o escândalo e por que não expressou uma condenação clara às irregularidades. A candidata reiterou, como em outras entrevistas, que preferiu combater a corrupção a partir de seu cargo no governo. E não emitiu nenhuma condenação ao PT, mas sim às práticas de corrupção em geral.

Veja mais:

+ Veja os destaques do dia
+ Todos os blogs do R7

+ Fique ligado nas Eleições 2010