Antônio Augusto de Queiroz*

Os resultados das eleições presidenciais são lógicos e, em geral, estão relacionados com o desempenho da economia, mesmo que o Estado não seja intervencionista. Isto vale para qualquer país democrático, inclusive Brasil e Estados Unidos.

A tabela abaixo - que informa os anos das cinco últimas eleições, o nome do presidente da República e sua popularidade na época, os eixos de campanha dos candidatos, o ambiente político no momento do pleito e os candidatos com melhor desempenho nas urnas - permite extrair três conclusões importantes a respeito da sucessão presidencial, que demonstram a lógica dos resultados eleitorais.

Em todas elas, as conclusões estão relacionadas, ainda que indiretamente, já que estão expressas por outros indicadores, ao desempenho da economia. Vejamos:

tabelaEleicoes1 A lógica da eleição de Dilma Rousseff

Clique na imagem para ampliá-la

A primeira conclusão é que há uma relação estreita entre o índice de popularidade ou de aprovação do presidente da República e os votos recebidos por seus candidatos à sucessão, que, eventualmente, poderá ser o próprio presidente disputando a reeleição.

No pleito de 1989, o então presidente José Sarney não teve candidato à sua sucessão, mas nenhum dos candidatos dos partidos que lhe davam sustentação teve bom desempenho nas urnas. Os três mais votados foram Collor (PRN), Lula (PT) e Brizola (PDT), tendo os dois primeiros disputado o 2º turno, com a vitória do primeiro.

Nas quatro eleições seguintes, segundo dados de Alexandre Marinis, da Mosaico Consultoria, os índices de aprovação dos presidentes e o desempenho de seus candidatos foram muito próximos. Assim:

- Em 1994, Itamar tinha 55% de aprovação e FHC, que era seu candidato e ex-ministro da Fazenda, teve 54% dos votos.

- Em 1998, FHC era aprovado por 58% da população e teve 53% dos votos válidos em sua campanha de reeleição.

- Em 2002, FHC tinha 35% de apoio e seu candidato, o ex-ministro do Planejamento e da Saúde José Serra, alcançou 39% dos votos válidos no segundo turno. Perdeu a eleição para Lula.

- Em 2006, Lula tinha 63% de aprovação e foi reeleito com 61% dos votos válidos em segundo turno.

- Em 2010, Lula tem aprovação superior a 85%. Se transferisse, como de fato transferiu no 2º turno, 60% desse percentual para sua candidata, a ex-ministra-Chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, ela seria eleita.

A segunda conclusão é que cada campanha possui seu eixo central, que é importante tanto para ganhar a eleição quanto para governar. O candidato que não estiver sintonizado com as políticas públicas sintetizadas pelo eixo da campanha não terá chance no pleito e, se for eleito e não implementá-las, terá problemas de governabilidade, como foi o caso do Collor.

Os eleitos, nos cinco últimos pleitos presidenciais, só o foram porque conseguiram transmitir para a população o compromisso com as aspirações simbolizadas pelo eixo da campanha. Collor, por exemplo, desenvolveu uma campanha contra os marajás, que representavam o desperdício, a corrupção e a incompetência, além de ter prometido melhorias sociais. No governo, não cumpriu nenhum dos dois eixos e foi afastado.

Já FHC foi coerente com os eixos de suas campanhas, focando na estabilidade econômica na primeira e, na segunda, no medo de que sem ele a estabilidade corresse risco. Mas, no governo, foi coerente apenas no primeiro mandato, tendo mexido no câmbio, um dos pilares da política econômica, logo após a segunda posse, fato que afetou seu apoio popular e levou à derrota de seu candidato à sucessão.

Lula foi eleito e reeleito com discurso focado nos eixos das duas eleições: geração de emprego e combate à pobreza, na primeira, e prosperidade econômica e ascensão ou mobilidade social, na segunda. No governo, manteve-se coerente com os eixos, fato que lhe assegurou a reeleição em 2006 e apoio popular superior a 80% no final deste segundo mandato.

A terceira conclusão se refere ao ambiente político, ou seja, ao sentimento da população em relação à continuidade ou mudança das políticas e práticas governamentais.

Sempre que as circunstâncias exigiam mudança, o presidente da República não elegia seu sucessor, do mesmo modo que nos momentos em que a conjuntura era favorável à continuidade, os presidentes eram reeleitos ou elegiam seus sucessores.

Para os candidatos do PSDB, no período pós-FHC, as circunstâncias sempre foram desfavoráveis. No caso de José Serra, quando ele foi o candidato da continuidade, em 2002, o ambiente era de mudança. Em 2010, quando se apresentou como o candidato da mudança, o ambiente foi de continuidade. Alckmin, em 2006, também foi o candidato da mudança também num ambiente de continuidade.

A eleição da candidata Dilma Rousseff, portanto, já era esperada, porque: a) o ambiente político é de continuidade, b) seu principal eixo de campanha apontava para a prosperidade das famílias, das empresas e do país, c) teve Lula, o presidente mais popular do Brasil, como principal cabo eleitoral, d) foi peça importante no Governo para assegurar os avanços econômicos e sociais do País, e) fez uma campanha comparando as realizações do Governo Lula com as realizações de FHC.

*Antônio Augusto Queiroz , colaborador eventual deste blog, é jornalista, analista político, diretor de Documentação do Diap e autor dos livros "Por dentro do processo decisório - como se fazem as leis" e "Por dentro do governo - como funciona a máquina pública"