A edição de 3 de março do programa Manhattan Connection, da Globonews, virou foco do mais recente constrangimento entre o Itamaraty e a comunidade diplomática. O jornalista Caio Blinder, em conversa com o colega Lucas Mendes, chama a rainha Rania, da Jordânia, de “piranha”. O jornalista repete a expressão mais de uma vez e generaliza o tratamento para outras primeiras damas do mundo árabe.

“Politicamente, ela [Rania] e as outras piranhas são intragáveis. Todas elas têm uma fachada de modernização desses regimes – ou seja, não querem parecer que são realeza parasita e nem mulher muçulmana submissa. Isso é para vender para o Ocidente, enquanto os maridos estão lá, batendo e roubando.” – declara Blinder.

1669242 Jornalista chama rainha de “piranha” e causa crise diplomática

O embaixador da Jordânia no Brasil, Ramez Goussous, encaminhou nesta quarta nota verbal ao Itamaraty, formalizando protesto contra o comportamento do jornalista. Exige retratação e ameaça processar a emissora. Os outros 17 embaixadores árabes também protestam e apoiam a iniciativa do jordaniano.

Outras quatro belas mulheres ligadas ao poder no Oriente Médio são citadas nominalmente e têm suas imagens exibidas durante o programa: a primeira dama da Síria, Asma Al Assad, a rainha-mãe da Jordânia, Noor, a princesa da Arábia Saudita, Amira al Tawell, além de Khadija el Gamal, nora de Hosni Mubarak, presidente deposto do Egito.

Celebridade - Rania é uma celebridade internacional, por causa da beleza e do trabalho humanitário entre mulheres e crianças pobres de seu país. A rainha surpreendeu o mundo quando utilizou o site de compartilhamento de vídeos, Youtube, para desmistificar estereótipos sobre árabes e muçulmanos, e é conhecida como defensora dos direitos da mulher. O rei Abdullah II e a rainha Rania estiveram no Brasil em 2008 e foram recebidos pelo ex-presidente Lula.

Veja a íntegra do programa pelo link:

http://globonews.globo.com/Jornalismo/GN/0,,MUL1657189-17665-419,00.html