A presidente Dilma Rousseff chegou com uma hora de atraso a Montevidéu, devido ao mau tempo, e estará acompanhada de representantes de nove ministérios, sinal da importância que o governo brasileiro atribui à visita. Compõem a comitiva presidencial os ministros das Relações Exteriores, da Justiça, dos Transportes, da Cultura, das Comunicações, da Ciência e Tecnologia, da Integração Nacional, das Cidades, além do secretário-executivo das Minas e Energia e do assessor especial da presidência, Marco Aurélio Garcia.

Está prevista a assinatura de treze atos e acordos bilaterais que abrangem diversas áreas, principalmente infraestrutura, transportes e energia. Dilma pretende dar um novo impulso ao intercâmbio tecnológico. Por isso, a visita será aberta com a ida ao Centro de Desenvolvimento de Conhecimento, no Laboratório Tecnológico do Uruguai. No local, a presidente tem o primeiro encontro com o colega uruguaio Jose Mujica. O ministro de Ciência e Tecnologia, Aloisio Mercadante, terá papel de destaque na visita. Ele deverá assinar acordos relativos à implantação do sistema digital de televisão. O Uruguai havia optado pelo padrão digital europeu e, após gestões do Brasil, passou a adotar o padrão nipobrasileiro.

Dilma cumprirá, a seguir, agenda oficial de trabalho no Palácio Santos, a chancelaria uruguaia, onde, juntamente com os ministros, manterá reuniões bilaterais, assinará acordos e participará de declaração conjunta à imprensa. Não estão previstas perguntas dos jornalistas aos dois presidentes. Dilma deve retornar ao Brasil às 16h30.