A apenas dois votos da condenação, o deputado João Paulo Cunha, candidato a prefeito de Osasco, São Paulo, pode ser condenado na tarde de hoje, no Supremo, pelos crimes de corrupção passiva e peculato. Até agora, o petista tem 4 votos pela condenação e dois pela absolvição. São necessários no mínimo 6, para condenar.

Os votos dos dois próximos ministros, Cezar Peluso e Gilmar Mendes, são tidos como certos pela condenação. Peluso deverá fazer sua primeira e única participação no julgamento, já que se aposenta na semana que vem, ao completar 70 anos. Mendes deve acompanhar o relator Joaquim Barbosa para condenar.

Na tarde desta segunda, ao ver seu cliente amargar a quarta condenação, o advogado de João Paulo, Alberto Toron, se confessava preocupado e lançava suas esperanças - sem muita convicção - nos votos dos "ministros mais experientes" do tribunal. Toron conta com um provável voto de Marco Aurélio pela absolvição, e torce para que Celso de Mello acompanhe o voto do revisor Lewandovski. Se obtiver quatro votos pela absolvição, João Paulo deve recorrer ao Tribunal e pedir para ser julgado novamente.