Depois de fracassada a tentativa de destituir Renan Calheiros do posto de líder do PMDB no Senado, o presidente Michel Temer mudou de estratégia e agora tenta uma aproximação ao senador alagoano. Para isso convidou para almoço no Planalto nesta quinta a senadora Kátia Abreu, hoje uma das mais próximas interlocutoras de Calheiros. Participaram da conversa o senador tucano Tasso Jeiressati e o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha.

Temer mostra-se inconformado com o fato de Calheiros acreditar que Eduardo Cunha controla seu governo e preocupado com o estrago que o líder do PMDB pode causar à tramitação das reformas no senado. Kátia Abreu recomendou imediata retomada do diálogo com o alagoano, com quem Padilha teria bom trânsito.

Todos admitem que o senador não abrirá mão de criticar as reformas - discurso que a um só tempo garante votos a seu filho para o governo de Alagoas e amplia as chances do próprio Calheiros renovar seu mandato e manter o foro privilegiado. O senador enfrenta mais de dez ações no STF. Dos 22 integrantes da bancada do PMDB do Senado, 14 apoiam a manutenção de Renan Calheiros na liderança do partido na Casa.