O presidente Michel Temer vencerá nas votações para barrar a denúncia de Rodrigo Janot e passará a governar com os partidos do Centrão - é o que prevê o mais importante articulador do pemedebista no Congresso, ao concluir nesta quinta à noite, com a ajuda do ministro Eliseu Padilha, da Casa Civil,  mais uma rodada da contagem de votos na Câmara.

Apesar de todos os prognósticos em contrário, que indicam clara aglutinação de forças políticas ao redor de Rodrigo Maia, este líder garante que Temer está prestes a alcançar 42 dos 66 votos na Comissão de Constituição e Justiça. Para isso, estão sendo trocados nomes no PMDB, Solidariedade, PRB e outros, no colegiado. Partidos médios, como o PR, é que lastreiam esta reação.

Pelos cálculos do operador governista, Temer tem condições de vencer também no plenário, com os votos do PMDB e do chamado Centrão. O próximo passo, indica esse diagnóstico, será formar uma base "sólida" de 300 votos. Para isso, no dia seguinte à vitória, Temer reverá a partilha de poder no governo, desalojando os infiéis do DEM e do PSDB, inclusive com trocas no ministério.