Líderes governistas que trabalham na contagem de votos para a sessão da Câmara que vai apreciar, na quarta-feira, a denúncia contra Temer, respiravam aliviados nesta segunda, após constatar que o contato com as bases durante o recesso não endureceu a posição dos deputados contra o presidente. “Quando não há [mobilização de] rua, não há pressão sob nossa base”, declara o deputado André Moura, líder do governo no Congresso.

Governo e aliados trabalham agora para obter pelo menos 257 votos pró-Temer no painel. O número indica a maioria entre os 513 deputados. Um placar próximo a este resultado servirá de argumento a aliados para sustentar que Temer mantém plenas condições de governabilidade.

Governistas também apostam que a oposição não conseguirá manter por muito tempo a estratégia de faltar às sessões, negando presença à votação. A denúncia contra Temer só sai da pauta após votada por no mínimo 342 deputados. A ausência às sessões ocasiona corte de salário - regra que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, promete cumprir.