O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que mede a inflação no Brasil, ficou em 0,19%. O dado foi divulgado na quarta, 6, pelo IBGE. Queda que não surpreende. Tecnicamente não há qualquer pressão inflacionária desde o início de 2016, quando o ritmo da atividade econômica começou a ficar bem abaixo da capacidade instalada.

O gráfico abaixo ajuda a entender essa dinâmica na economia:

produtografico.jpg 300x213 Inflação caiu? Eu já sabia!

A linha preta é o chamado produto potencial, mostra o quanto o país pode produzir de bens e serviços em determinado período, uma vez que há um limite de matérias-primas, mão-de-obra, tempo, etc. Já a pontilhada é o PIB no curto prazo, o quanto realmente produzimos em cada período.

O que faz aumentar o produto potencial?

Os investimentos e inovações tecnológicas -  tudo que aumente a capacidade instalada da economia.

E o PIB efetivo?

É influenciado pelo consumo das famílias, gastos do governo, investimentos e nossa balança comercial.

A sutileza da política econômica está em incentivar o crescimento do Produto Potencial, em aumentar a capacidade de produção da economia, sem “exagerar” para cima ou para baixo no curto prazo.

Quando o PIB no curto prazo fica acima da capacidade instalada, as empresas ficam sem estoques e com dificuldade de contratar colaboradores, o que pressiona os preços e as importações, já com o PIB abaixo do potencial, as empresas acumulam estoques e reduzem seus colaboradores, aumentando o desemprego.

No momento estamos muito abaixo do nosso potencial, não há pressão inflacionária e tamanha ociosidade somente será preenchida em alguns anos, o que permite uma rara combinação para a economia brasileira, crescer sem inflação e com um patamar baixo de taxas de juros.

Porém, para irmos além de uma retomada cíclica precisamos incentivar o aumento do nosso produto potencial, hoje praticamente estagnado. Mas somente será possível com uma melhora substancial do ambiente de negócios e a conclusão das reformas estruturais, como a tributária e a da previdência.