burocracia Burocracia: o 7x1 que o brasileiro leva todos os dias

Brasileiro gasta 1958 horas para apurar e pagar impostos (Foto Divulgação)

Anualmente o Banco Mundial elabora uma pesquisa que analisa as leis e regulações que facilitam ou dificultam as atividades das empresas em 190 países, o chamado relatório “Doing Business”.

No mais recente divulgado no final de outubro, o Brasil apareceu como um dos países com o pior ambiente de negócios ficando na 125ª posição. Estar no pelotão de trás não é novidade já que nos últimos 10 anos o país oscilou entre as posições 120 e 130 no ranking.

Os destaques negativos ficam por conta dos tópicos pagamento de impostos e abertura de empresas. O tempo gasto para apurar e pagar impostos é de 1958 horas, o que deixa o Brasil na 184º posição de um universo de 190 países! Apenas para efeito de comparação: a média dos países da América Latina e Caribe é 6 vezes menor, de 332 horas. Para abrir uma empresa,  a média brasileira chega a 101 dias, em comparação, a média da América Latina e Caribe é de apenas 31 dias.

Um bom ambiente é fundamental para que qualquer cidadão interessado em criar ou desenvolver seu negócio, independentemente de porte e recursos, tenha ao seu dispor a estrutura necessária. E o mais importante: que possa direcionar seu foco e energia no seu negócio e não para cumprir procedimentos burocráticos.

Está em andamento uma agenda microeconômica que visa reduzir a burocracia, aumentar a produtividade e reduzir o spread bancário no país, com medidas como o cadastro positivo, duplicata eletrônica, a redução no tempo para pagamento de impostos e abertura e fechamento de empresas. Ainda é muito pouco, mas já é um começo para reverter esse jogo da produtividade que no momento nos faz ter saudade dos 7 a 1 que levamos da Alemanha na última Copa do Mundo.