minas gerais

Eu avisei que ia feder

Durante os oito anos de mandato de Carlinhos Rodrigues em Nova Lima três perguntas frequentavam meu cérebro: como era possível alguém que durante décadas criticava o antecessor liberar tantas construções e por em risco a qualidade de vida do município; como os moradores de lá admitiam aquele adensamento sem limites e como ficaria a mobilidade urbana no limite da terra do ouro com Belo Horizonte, considerando a desmedida edificação na vertical mais o fato de que, sendo ali reduto de ricos, todo apartamento tem, no mínimo, dois carros. E, para não me acusarem de ser apenas um chato a mais, exemplificava com outra consequência de proporções inimagináveis – o esgoto. Dizia mesmo no rádio que não fazia ideia de como iriam se ajeitar com os excrementos, considerando a inexistência naqueles (outrora) lindos vales dos condomínios rede de coleta e tratamento compatíveis com o espetacular crescimento. Pois bem: agora, moradores preparam uma ação contra a Copasa alegando que a estação implantada no quilômetro 12 da Rodovia Januário Carneiro está exalando um mau cheiro insuportável. O problema não é novo. Desde que o Vale dos Cristais foi criado, com terrenos a 600 reais o metro quadrado, pensei da irretocável frase de Zeca Pagodinho: “Isso num vai prestar”. Não deu outra. Em agosto do ano passado, a primeira queixa coletiva. A Copasa prometeu solução para dois meses. Agora, de novo a chiadeira e, desta feita, a empresa diz que a culpa não é dela. Os moradores preparam ação civil pública e querem não apenas a correção do problema, mas, indenização de 1 bilhão de reais por danos morais. Nas imediações, as pessoas tratam o fedor como “mau odor” porque são mais chiques. A turma de Sabará, principalmente de General Carneiro, sofreu anos com a ETE – Estação de Tratamento de Esgotos de Belo Horizonte, que é muito maior que a de Nova Lima e fedia muito mais. Ocorre que ali a maioria é toda pobre, desprovida de recursos financeiros, intelectuais e de contatos pessoais. É sempre assim: o prefeito que criou o problema caiu fora, os que compraram os imóveis não querem explicações e a Copasa que se vire. E rápido. E com o nosso dinheiro.