1 Fiat Argo: bom substituto para Punto, Bravo e Palio

Fiat Argo chega ao mercado para substituir trio de sucesso

Fiat Argo chegou para mexer com o segmento de hatches compactos e tem a mira apontada para dois concorrentes diretos: Chevrolet Onix Hyundai HB20. Substituto de Punto, Bravo e versões mais potentes do Palio, uma das grandes apostas da marca foi à introdução de três motores no mercado: 1.0, 1.3 e 1.8. Contra dois dos concorrentes citados, o Onix com 1.0 e 1.4 e o HB20 com 1.0 e 1.6.

Para conseguir bater os dois, a Fiat caprichou no design do carro, que é bem atraente, e deixou a versão de entrada, 1.0 Drive, bem “luxuosa”, com uma extensa lista de itens que saem a partir de R$ 46.800.

13 Fiat Argo: bom substituto para Punto, Bravo e Palio

Marca apostou alto no design e acertou em cheio

O carro custa R$ 650 a mais do que a versão de entrada do Chevrolet Onix LT e R$ 470 a mais que a versão de entrada da marca sul-coreana, o HB20 Comfort Plus. Equipado com um motor 1.0 Firefly de três cilindros, entrega 77 cv/72 cv de potência e 10,9 kgfm/10,4 kgfm de torque, com etanol de gasolina no tanque, respectivamente.

De série, vem com direção elétrica progressiva, ar-condicionado, quadro de instrumentos com tela central, banco do motorista com ajuste de altura, cintos de segurança retráteis de três pontos em todos os acentos, start/stop, sistema que desliga automaticamente o carro em paradas ligeiras e que pode ser desativado pelo condutor em um botão no painel central, Isofix, travas elétricas e vidros dianteiros com acionamento elétrico. Há ainda diversos itens opcionais para a versão que chegam a R$ 5.690.

7 Fiat Argo: bom substituto para Punto, Bravo e Palio

Gama de acessórios tem tudo para agradar ao público

Ao volante, o desempenho do propulsor é muito bom, atendendo a proposta de ser um carro urbano. Equipado com um câmbio manual de 5 marchas, os engates são bem precisos e macios e a empunhadura do volante é boa. O motor é de duas válvulas por cilindro, então o torque trabalha bem em baixas rotações, entregando um ótimo desempenho em arrancadas e no ganho de velocidade. Porém, em altas rotações ele deixa um pouco a desejar, o que é de se esperar de um carro 1.0 carente de potência. Em subidas íngremes, sua resposta também é bem ligeira e não perde embalo rápido, mostrando respeito entre os carros de mil cilindradas.

O torque em baixa faz com que a economia de combustível seja muito boa, até para os que gostam de pisar um pouco mais no acelerador, já a média ficar entre 10 a 11 quilômetros por litro com etanol e mais de 14 com gasolina, em trechos urbanos. A compra da versão 1.0 Drive do Argo é totalmente válida para quem procura por conforto, bom desempenho e economia.

Montagem câmbios argo Fiat Argo: bom substituto para Punto, Bravo e Palio

Transmissão manual continua a mesma. Automática também é encontrada na Toro

A versão 1.3 GSR, antiga Dualogic, é a que merece mais atenção. A extensa lista de itens de auxílio ao motorista presente no modelo é enorme. Mas com o carro em movimento, as deficiências da transmissão GSR são tão grandes que até ofuscam o conforto dos equipamentos de suporte ao condutor.

Câmbio dualogic Fiat Argo: bom substituto para Punto, Bravo e Palio

Câmbio GSR mantém velhos problemas do Dualogic

Além dos itens de série, a versão possui controles de estabilidade e tração, acelerador eletrônico, modo de condução Sport, borboletas no volante para troca de marchas, apoio de braço para o motorista, vidros traseiros e retrovisores elétricos, monitoramento de pressão dos pneus, sinalização automática de frenagem emergencial, assistente de partida em rampas, controle de cruzeiro e retrovisores elétricos com tilt down, função abaixa o espelho em marcha à ré para simplificar as manobras.

11 Fiat Argo: bom substituto para Punto, Bravo e Palio

Central Multimídia aumenta a oferta de acessórios do Argo

O motor 1.3 tem a velha (e péssima) transmissão Dualogic, automatizada de 5 marchas, que mudou de nome para GSR; lançada em março deste ano no Mobi. Ela até foi otimizada, mas os trancos ainda são muito fortes, trabalhando com giro altíssimo sem necessidade alguma, principalmente até a terceira marcha, dando até uma impressão de estar andando com o freio de mão puxado de tão travada que é a dirigibilidade. Em subidas as reduções são totalmente inesperadas, assim como acontece em uma lombada na descida, por exemplo, onde daria para passar em terceira, mas ele reduz para primeira, dando um tranco bem desconfortável.

O motor dispõe de 101/109 cv de potência e 13,7/14,2 kgfm de torque a ótimos 3.500 rpm. Os números são bons? Muito. Porém, o câmbio faz isso gerar o efeito contrário, tornando-se ruim, pois com os defeitos do câmbio e o bom desempenho em números, o consumo vai lá para o alto, fazendo em média 6 quilômetros por litro com etanol e 8 com gasolina, na cidade. Um dica ? Use as borboletas, isso faz com que a viagem fique muito menos irritante. No modo Sport a dirigibilidade fica melhor, mas claro, que o consumo também fica elevado.

A opção com motor 1.3 GSR sai a partir de R$ 58.900; com opcionais o valor sobe até R$ 3.100. Infelizmente a condução não faz jus ao preço, por todo desconforto causado, que pesa mais do que o conforto gerado pelo que ele oferece. Lembrando que a opção 1.3 manual sai a partir de R$ 53.900.

Finalizando com a opção topo de linha da gama do Argo, temos o motor 1.8, o mesmo do Jeep Renegade e do Fiat Toro. A versão Precision automático, sai a partir de R$ 67.800, com versões que ultrapassam os R$ 70 mil. Em relação à versão GSR, tem como adicional: alarme, faróis de neblina, luzes de posição de led, rodas de liga leve de 15 polegadas, banco traseiro bipartido, borboletas para trocas de marcha atrás do volante, apoio de braço para o motorista, volante revestido de couro e pacote de iluminação interna.

Com 6 marchas, o motor rende até 139 cv de potência e 19,3 kgfm de torque máximo quando abastecido com etanol. As trocas de marcha são bem ligeiras e precisas, sem comparação com a GSR, mesmo tendo os tradicionais trancos da transmissão automática convencional.

5 Fiat Argo: bom substituto para Punto, Bravo e Palio

Avaliação mostra que Argo é bom substituto para Palio, Punto e Bravo

O carro demonstra bastante força nas arrancadas, mas deixa a desejar nas retomadas de velocidades, que são mais lentes, e podem ser melhor controladas pelas borboletas. Mas este motor foi muito criticado no Toro e no Renegade, não ? Sim, mas no Argo ele ganha destaque por conto do seu peso, que é de aproximadamente 1.100 quilos. Um ponto negativo é o consumo, que faz pouco mais de 7 quilômetros por litro com etanol e quase 9 com gasolina. O conjunto da obra é um carro bem estruturado e que entrega sua proposta.

O Fiat Argo ainda não emplacou de vez nas vendas, mas, aos poucos, o hatch deve ir tomando fôlego, pois o que ele entrega ao condutor, nenhum concorrente entrega, e seus três motores são bons; tirando a versão 1.3 GSR, é claro.

O hatch ainda terá seus dias de destaque no cenário nacional.

Reportagem e fotos: Andre Chiappero Schaun, estagiário do R7