Honda Fit abre 2 Paulo Amaral Honda Fit: tecnológico, pero no mucho

Honda Fit 2018 mudou pouco no visual e apostou na tecnologia

O Honda Fit 2018 ficou mais robusto por fora e mais tecnológico por dentro, mas parece ter esquecido de pontos básicos para um carro que sai por mais de R$ 80 mil em sua versão mais completa, a ELX.

Testado pela reportagem do Garagem R7 por sete dias, o hatch da montadora japonesa não comprometeu no desempenho ou no consumo, embora pudesse ter um rendimento melhor em ambos os quesitos, mas ficou aquém da expectativa em pontos básicos para um carro nessa faixa de preço.

Honda Fit Painel Paulo Amaral Honda Fit: tecnológico, pero no mucho

Painel do Honda Fit é bonito e funcional, mas faltam funções básicas

Apesar da boa central multimídia e do ar-condicionado digital bastante charmoso (de apenas uma zona), muito por conta do acabamento do painel, em preto-piano, a Honda poderia ter incorporado ao sistema o alerta de colisão traseiro, presente nos modelos HR-V e Civic, mas também ausente no WR-V, já testado pela reportagem (relembre aqui).

honda fit detalhe porta copo Honda Fit: tecnológico, pero no mucho

Bem pensado: porta-copos localizado à frente da saída de ar mantém bebida refrigerada

Outros acessórios que deveriam vir de série no Fit são os sensores crepuscular (que acende automaticamente os faróis) e de chuva, presentes em modelos menos badalados e bem mais baratos da concorrência, como por exemplo no chinês T-40, da JAC Motors (veja aqui).

Falhas à parte, quem decidir investir no Fit terá um bom retorno no quesito conforto. As trocas de marcha no câmbio CVT são suaves, mesmo em reduzidas, e os 116 cavalos (com 15,3 kgfm de torque) satisfazem quem procura um carro que preze pela boa condução e não pela "emoção".

Honda Fit lateral Paulo Amaral Honda Fit: tecnológico, pero no mucho

Principais mudanças na estrutura do Fit estão nas lanternas, agora todas em LED

Por conta do bom conjunto mecânico do modelo japonês foi possível encontrar prazer dirigindo o lançamento da Honda, que apresentou uma tocada bastante suave e sem solavancos mesmo nas esburacadas vias de São Paulo.

Honda Fit detalhe traseiro amaral Honda Fit: tecnológico, pero no mucho

Lanternas verticais traseiras também têm luzes de LED

Quanto ao consumo, já citado anteriormente, a melhor marca estabelecida pelo Fit durante os testes foi de 8 km/l, abaixo da medição indicada pelo Inmetro, que é de 8.3 km/l para o modelo, quando abastecido com etanol e em perímetro urbano.

Em resumo, o Honda Fit 2018 tem atrativos para continuar cativando o público fiel da marca e evoluiu ao incorporar ao modelo controles de tração e estabilidade, nova central multimídia e aletas para troca de marcha atrás do volante, que dão ao carro um ar de esportividade (embora o desempenho não acompanhe). A tecnologia, tão alardeada no novo modelo, no entanto, precisa olhar para os pontos mais simples em sua próxima atualização.

Honda Fit frente Paulo Amaral Honda Fit: tecnológico, pero no mucho

Resumo: Fit evoluiu, mas ainda peca em quesitos básicos para sua faixa de preço

Confira a ficha técnica do Fit 2018

Motor: dianteiro, transversal, 4 cil. em linha, 16V, comando simples,  injeção eletrônica, flex

Potência: 116/115 cv a 6.000 rpm

Torque: 15,3/15,2 kgfm a 4.800 rpm

Câmbio: Automático do tipo CVT, 7 marchas virtuais, tração dianteira

Direção: Elétrica

Suspensão: Independente, McPherson (diant.) e eixo de torção (tras.)

Freios: Discos ventilados (diant.) e tambores (tras.)

Pneus: 185/55 R16

Preço: R$ 80.900,00