A Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) do Senado reservou a próxima quarta-feira (12) para sabatinar a subprocuradora Raquel Dodge, indicada pelo presidente Michel Temer (PMDB) para comandar a Procuradoria-Geral da República (PGR) .

Caso passe pela sabatina, ela ainda terá que ter a sua indicação votada e aprovada pelo plenário do Senado.

Raquel apareceu em segundo lugar na lista tríplice elaborada pela Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR), a partir da eleição feita pelos procuradores com vistas à sucessão do atual procurador-geral da República, Rodrigo Janot, cujo mandato terminará no dia 17 de setembro.

Apesar de Janot ainda ter quase dois meses e meio de mandato pela frente, há um enorme interesse da parte de Temer de se livrar dele o quanto antes.

Rodrigo Janot é tido como inimigo pelo governo. Ele já denunciou Temer por corrupção passiva e, nos próximos dias, deverá apresentar ao Supremo Tribunal Federal (STF) nova denúncia contra o presidente.

Enquanto não fica livre de Janot, Temer vai procurando reduzir a sua força e prestígio, seja preterindo o nome mais votado da lista da ANPR, que era apoiado por Janot ou acelerando o processo de posse de Raquel junto ao Senado.