Na condição de investigado, mas na surdina e bem longe dos holofotes, o senador e presidente nacional do PSDB Aécio Neves (MG) foi interrogado pela Polícia Federal (PF) nesta terça-feira (2), em Brasília, em inquérito que apura o seu suposto envolvimento num esquema de corrupção montado em Furnas para desviar dinheiro daquela estatal do setor elétrico.

Há suspeitas de que o senador tucano, recordista em número de inquéritos abertos a partir da Operação Lava Jato, tenha recebido propina do ex-diretor de Furnas Dimas Toledo. Ao todo, Aécio é investigado em outros seis inquéritos instaurados pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Detalhe

Em se tratando de Lava Jato, um detalhe bastante curioso chamou a atenção no interrogatório desta terça-feira: além de não ter sido dada publicidade ao depoimento, não houve vazamento para a imprensa ou para as redes sociais de nenhuma palavra que Aécio tenha dito aos agentes federais. Sequer foi divulgada também qualquer imagem do tucano no prédio da PF.