Atualização: O encontro deveria ter acontecido no final da tarde, mas acabou sendo cancelado pelo governo mineiro diante do impasse criado a partir da formação da comissão de negociadores dos sem-casa, que teve alguns de seus nomes vetados pelo Palácio.

Pela primeira vez após pouco mais de dois anos à frente do governo de Minas Gerais, o governador Fernando Pimentel (PT) abrirá as portas do Palácio da Liberdade para receber lideranças de sem teto, de algumas das maiores ocupações urbanas do país.

Participarão do encontro marcado para as 17 horas desta terça-feira, os representantes das Ocupações da Izidora (Rosa Leão, Esperança e Vitória), Brigadas Populares, Coletivo Margarida Alves e Movimento de Luta nos Bairro.

Nesse mesmo horário, os líderes desses movimentos sociais pretendem fazer do lado de fora Palácio, na Praça da Liberdade, uma manifestação com o objetivo de pressionar Pimentel a assumir compromisso com a regularização fundiária dos terrenos onde encontram-se as ocupações.

Eles querem que o governador se comprometa também com a urbanização das três comunidades da Izidora (Rosa Leão, Esperança e Vitória), especialmente com as construções das redes de água, saneamento e de energia.

Pimentel tem dito que seu objetivo é o de buscar uma solução negociada para as ocupações, sobretudo para o Izidora, o maior deles, onde cerca de 5 mil famílias convivem com a ameaça do despejo já decidido pela Justiça.

Menos enfático e claro do que o prefeito de Belo Horizonte Alexandre Kalil (PHS), que ao longo da campanha eleitoral defendeu a Ocupação Izidora e já afirmou que, independentemente da ordem judicial, não pretende jogar nenhuma das 5 mil famílias na rua, Pimentel não tem se comprometido da mesma forma, limitando-se a dizer que seu pensamento é "próximo" ao do prefeito.