sem casa2 e1423707143975 150x150 Assembleia de Minas afronta criança sem casa

Por que crianças e famílias de sem- casa não tem direito a auxílios-moradias como os concedidos pela Assembleia Legislativa de Minas Gerais aos seus deputados?

Enquanto na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), suas excelências se reuniam ontem (10/2) para votar em causa própria e aprovar auxílio-moradia que pode chegar a R$ 4.377,73 para cada um dos 77 deputados, milhares de famílias de sem-teto acampadas em todo o Brasil se preparavam para enfrentar mais uma noite de medo, provocado pela ameaça de chuva forte que poderia desabar sobre suas cabeças e destruir seus barracos improvisados, e pelo pesadelo constante de uma iminente expulsão por parte da Polícia Militar.

Os senhores parlamentares (nem todos, felizmente) quando se reuniram não pareciam estar preocupados nem um pouco com a situação dos que não têm onde morar e muito menos dos que não têm o que comer, mas apenas com os próprios bolsos. Para tanto, encontravam-se confortavelmente instalados em suas poltronas de couro, muito bem abrigados da chuva, cercados de assessores, com direito a cafezinho, água, lanche, ar-condicionado e outras mordomias que o cargo lhes asseguram. Além, é claro, do salário mensal de R$ 25.322,25.

A ALMG fica no rico e elegante bairro Santo Agostinho, região privilegiada da capital mineira.

Não muito longe dali, porém, para citar apenas um caso, na divisa de Belo Horizonte com Santa Luzia, dezenas de famílias de sem-teto se encontram acampadas precariamente na área do Isidoro, uma das 400 ocupações existentes em Minas Gerais, promovidas de maneira irregular por pessoas abandonadas à própria sorte pelo poder público. E que vão sobrevivendo como podem, sem água, esgoto e as mínimas condições de higiene e segurança.

Num dos barracos de um daqueles acampamentos, o Boa Esperança, vive uma família com renda de R$ 600 mensais: pai, mãe e três filhos. Um deles, Renan, uma criança de 12 anos, havia passado a noite anterior e o dia inteiro gemendo e paralisado na cama. A vida dele nos últimos seis anos tem sido assim. Um grande sofrimento diário e uma rotina que o leva da casa para o posto de saúde onde chega sem nenhuma garantia de atendimento. Os pais gastam mais de R$ 1 mil por mês com remédios para o menino. Contam com a ajuda de amigos.

Renan sofre de uma doença rara que interrompeu seu crescimento. Uma doença praticamente irreversível que provoca o encolhimento do seu corpo e que o transforma aos poucos em um bebê. Drama tão raro que já rendeu filme sobre o tema em Hollywood.

A votação na Assembleia de Minas Gerais deu dinheiro extra aos parlamentares mineiros. Mesmo para aqueles que possuem casa própria.

Mas não foi somente isso. Além do péssimo exemplo para a sociedade e para as novas gerações, demonstrou desprezo pelos problemas e aflições vividas diariamente pelo povo sofrido e trabalhador que, no final das contas, é quem lhes paga os salários.

Revelou também um lado perverso do nosso parlamento. Uma instituição que parece viver no mundo da fantasia e do faz-de-conta. Alheia aos escândalos de corrupção, à roubalheira do dinheiro público e às dificuldades de todos os tipos que o país e seu povo enfrentam.

Mais do que dar um tapa na cara da sociedade e dos movimentos sociais que batalham para ver a Constituição ser cumprida, quando ela fala que todos têm direito a moradia, a Assembleia de Minas, com esse ato indigno e debochado, deu um soco no estômago do pequeno Renan.

Logo nele, Renan, o menino que merece toda a atenção do mundo por não ter casa para morar, médico para se cuidar e nem dinheiro para comprar remédios que aliviem suas dores. Mas que, ironicamente, apesar de nossos políticos, sobrevive desprezado e sem auxílio no Esperança.