Os trabalhos na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) da Câmara dos Deputados, que analisa o processo de denúncia contra o presidente Michel Temer (PMDB), poderão prosseguir normalmente durante o período do recesso parlamentar que acontece nas duas últimas semanas de julho.

A expectativa é do presidente da CCJ, deputado Rodrigo Pacheco (PMDB-MG). “Estamos diante de uma situação muito inusitada, de um fato inédito da República, que é uma denúncia criminal contra o presidente da República, de modo que não podemos ser intransigentes sobre uma eventual necessidade de não ter o recesso para poder dar andamento a essa denúncia”, disse Pacheco.

O presidente da CCJ não descarta também que o processo seja analisado de forma separada, caso a Procuradoria-Geral da República (PGR) apresente novas denúncias contra Temer.

Na segunda-feira (26), o procurador-geral da República, Rodrigo Janot ofereceu denúncia ao Supremo Tribunal Federal (STF) contra o presidente pelo crime de corrupção passiva e deixou pistas de que poderá denunciá-lo novamente nos próximos dias por outros crimes, como obstrução de Justiça e corrupção ativa.