16 dez as 10h50

foto 1 Agora o mundo pode acabar, tranquilamente

Mesmo desfalcado de seus principais astros internacionais, o chinês Chen Zhizhao – para a Fiel, simplesmente Zizao – , o peruano Cachito Raminez, o argentino Juan Manuel Martinez, o Corinthians (que só entrou no final para dar o ar de sua graça) e do corintiano nato David Luiz (que o Timão emprestou para reforçar o sofrível adversário), o Corinthians fez em Yokohama o que estava escrito desde o início dos tempos, nas profecias maias e bíblicas.

Mil vezes já foi dito que o Corinthians não é um time que tem uma torcida; é uma torcida que tem um time. O jogo foi ruinzinho. Mas o espetáculo — o verdadeiro, o original, tingido de preto e branco — foi mais uma vez fora de campo. A galera que vai chiar pra acertar as contas do cartão de crédito na volta e as prestações da CVC.

Valeu a pena. Vencer é sempre melhor.

Mas futebol, para o Corinthians, é só um detalhe

Veja mais:
+ R7 BANDA LARGA: provedor grátis!

+ Curta o R7 no Facebook

+ Siga o R7 no Twitter

+ Veja os destaques do dia

+ Todos os blogs do R7

Espalhe por aí:
  • RSS
  • Live
  • del.icio.us
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Digg
  • Facebook
  • Netvibes
Comente

"Agora o mundo pode acabar, tranquilamente"

16 de December de 2012 às 10:50 - Postado por Juliana

Política de moderação de comentários:
A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.