- Nirlando Beirão - http://noticias.r7.com/blogs/nirlando-beirao -

Lula, FHC, dois abraços que não curam mas aliviam o ódio

Postado por Odair Braz Junior em 3 de fevereiro de 2017 às 10:38 em Sem categoria | Nenhum comentário

O gesto de Fernando Henrique, ao levar sua solidariedade ao Lula no Sirio-Libanês, neste momento de dor, retribui o gesto de Lula quando o então presidente da República veio abraçar FHC diante do caixão da ex-primeira-dama Ruth Cardoso.

Na época, escrevi um texto para a revista Brasileiros. Passaram-se oito anos e meio. Fica aqui o documento, de papel passado, de como alguém pode se iludir tão cabalmente com uma nação como a brasileira.

A partir daí, o Brasil colheu uma seara de ódios. Os momentos de grandeza humana são raros, raríssimos. Por isso mesmo merecem ser destacados.

Eis aqui a esperança infundada, datada de julho de 2008:

“Intolerância, aquele abraço!

A política, dizem, é a arte do possível – e é também, claramente, um teatro de aparências. Assim como o jornalismo, ela tem fome de imagens e foi a convergência dos dois, do jornalismo com a política, que produziu, num cenário de morte, um fascinante flagrante de vida. O flashback de uma amizade de décadas que a miudeza da política não consegue escamotear.

O abraço de Lula e Fernando Henrique, diante do caixão de Ruth Cardoso, exprimiu um afeto autêntico, embargado, o intercâmbio de emoções sinceras entre duas criaturas que já foram aliadas e hoje são, de fato, adversárias. Um abraço que remonta às jornadas pela redemocratização, os anos 70, a anistia, as greves no ABC, a primeira campanha de Fernando Henrique para o Senado, em 1978, a frustração das diretas já.

Desta vez, ali estavam o presidente da República e o ex. Afetos privados, mas figuras públicas. Não era, portanto, um mero abraço. É sintomático que quem estivesse por assim dizer presidindo o encontro, com sua dignidade agora silenciosa, fosse Ruth Cardoso. Antropóloga, ela compreendia mais do que os demais mortais o sentido social das representações simbólicas. Haveria de saber: numa época que espetaculariza tudo, até o banal, e principalmente o vulgar, ainda existem gestos que se revestem de um manto de decência pessoal e de grandeza democrática.

Aquela surrada frase brechtiana de Galileu Galileu: pobre o país que precisa de heróis. Sem heróis, pobre em mitos, que o Brasil tenha ao menos o direito a ícones. Aquele abraço é um ícone, uma imagem altamente pedagógica, ainda que cada um brasileiro vá aprender ali apenas o que ele bem quiser. Será, enfim, a chance de uma concertación à espanhola? PT e PSDB se entendendo, dois pilares para o avanço institucional? Pode ser que daqui a algumas semanas o abraço de Lula e FHC não passe de um retrato na parede. Mas não vai doer. Sua força emocional, sua condição alegórica, é para sempre.

A verdade é que a política, no Brasil, não está bem na foto. Qual é a imagem, ao pé da letra, que ela nos passa, no dia a dia dos cotidianos ansiosos e dos telejornais trepidantes? A cara da política é Brasília, o picadeiro barulhento das CPIs, o tosco exibicionismo dos palanques, a inapetência de se pensar o Brasil com uma altivez cidadã que vá além das recompensas midiáticas do Jornal Nacional.

O jornalismo de massa açula os arruaceiros dos plenários, dá voz à patética bancada legislativa do botox e patrocina, nos hooligans de plantão, a ânsia do linchamento de inocentes. O saudável direito à atitude investigativa virou impenitente caça às bruxas, o prazer viscoso do escândalo pelo escândalo.

Não existem partidos, há torcidas – e esse espírito de arquibancada, convidativo à imprensa, com suas artérias de adrenalina, acabou por contagiar até mesmo aquele outro poder, que tinha, por natureza, de estar acima das paixões transitórias e muito além dos fogos de artifício O Judiciário já não se interessa, como prioridade, em promover justiça; adora é fazer um showzinho. A começar pela mais alta das Cortes.

O Congresso é uma vitrine óbvia, o mais aberto dos poderes. Colhe os frutos e paga o preço. Mas que os meritíssimos do Supremo Tribunal Federal tenham se tornado, eles também, candidatos ao star system, a bordo daquela cenografia narcisista de suas togas esvoaçantes, já é confundir transparência com saliência. Ligam-se os spots, lá se vai todo e qualquer decoro. Juiz do Supremo em capa de revista, celebridade solúvel como a estrela da novela e o animador de auditórios – eis aí a Justiça à brasileira.

A propósito do espírito de arquibancada: o futebol ainda é tabu para os bem-pensantes, desdenhado em guetos de gente metida à besta, mas é interessante notar – com todo o respeito – que ele é igualmente capaz de instaurar símbolos. Na mesma semana daquele abraço, espanou-se a poeira de uma fotografia de 50 anos atrás, cujo vigor emblemático resistiu ao ataque fatal, esmaecido, do tempo e do sépia: Bellini levantando a taça, na Suécia, em 1958. Brasil, afinal campeão do mundo.

O capitão, em sua fotogenia de ator de Hollywood, estátua olímpica e silenciosa, como que facultava o grito calado desde muito tempo em nossa garganta de, como dizia Nelson Rodrigues, nação vira-latas. Aquela, a da Suécia, é a melhor imagem de nossa independência.

Ruth Cardoso exerceu aquele mesmo senso de tolerância que, como em Juscelino, não prescindia de princípios. Tolerância não é complacência. De certo modo, Ruth parecia até encanar, em meio aos políticos, a não-política. Suas fotografias, solenes ou informais, revelam que ela, em seu recato irrestrito, jamais cedeu à tentação fácil da ostentação. Rigorosa, sim, em seu modelo de militância, nunca frequentou, porém, as arquibancadas descabeladas das facções.

Se o abraço de Lula e FHC, à frente de figura agora eternizada de Ruth Cardoso, representou a homenagem que todos os brasileiros deviam a ela, é bem provável que a própria Ruth, em sua modéstia proverbial, preferisse conferir ao gesto nobre, comovido, uma leitura menos pessoal. Supor que, mesmo no Brasil, a vida social pode se pautar pela compostura. Aquela suave, civilizada compostura que ela, Ruth, deixou registrada em cada um de seus retratos”.

http://r7.com/7o6k

  [1]
  [2]

Artigo impresso de Nirlando Beirão: http://noticias.r7.com/blogs/nirlando-beirao

Endereço do artigo: http://noticias.r7.com/blogs/nirlando-beirao/2017/02/03/lula-fhc-dois-abracos-que-nao-curam-mas-aliviam-o-odio/

Endereços neste artigo:

[1]  : http://noticias.r7.com/blogs/nirlando-beirao http://noticias.r7.com/blogs/nirlando-beirao/2017/02/03/lula-fhc-dois-abracos-que-nao-curam-mas-aliviam-o-odio//emailpopup

[2]  : http://noticias.r7.com/blogs/nirlando-beirao http://noticias.r7.com/blogs/nirlando-beirao/2017/02/03/lula-fhc-dois-abracos-que-nao-curam-mas-aliviam-o-odio//print

© 2011 Nirlando Beirão. Todos direitos reservados.