24 fev as 16h02

Nas conversas que temos no Jornal da Record News, ouço sempre o Heródoto Barbeiro citar o Brasil das jabuticadas. Coisas, práticas, instituições que só existem aqui – assim como as deliciosas frutinhas, roliças e negras, que vicejam nos quintais familares.

Na quarta-feira, HB veio com mais uma: pós-doutorado. É mais uma cosa nostra. Diferente do post-doc que, na versão norte-americana, é um complemento à graduação. A gente inventou o pós-doutorado. Não hei de me surpreender se o notável pós-doutorado vier a plagiar textos inteiros de livros escritos no exterior, alegando depois ter se esquecido, ora vejam, de dar o crédito.

Aí é que entra um outro Brasil que me fascina: o Brasil ornitorrinco.

Vocês sabem que ornitorrinco é aquele bicho esquisitíssimo da fauna australiana que ora se comporta como réptil, ora parece ave. Dizem que a primeira vez que levaram um ornitorrinco empalhado para a Academia Britânica de Ciência, os perplexos scholars acharam que era um embuste.

Aqui no Brasil aparecem uns ornitorrincos de vez em quando, mas a grande peculiariedade nossa é que em pouco tempo a gente passa a tratar com a maior naturalidade o mais esquisito dos bichos.

O ornitorrinco PMDB, por exemplo: recordista dos corruptos delatados na Lava-Jato, de cima a baixo, ele governa como se tudo fosse muito natural – e a mídia camarada, parte da opinião pública resignada se comportam como se tudo estivesse ok, obrigado.

Dias atrás, consagrou-se o ornitorrinco Alexandre de Moraes. Foi tão desastrosa sua, hum, gestão no ministério da Justiça (desastrosa e palavrosa) que o patrão resolveu demiti-lo. E o fez nomeando-o para o mais alto escalão da Justiça do país.

O Senado tratou o ornitorrinco Moraes como um dócil bichinho de estimação e o Supremo há de recebê-lo com tapete vermelho de Oscar, festejando seu extraordinário saber jurídico e sua isenção patriótica, ele que era filiado até ontem a um partido político.

Outro ornitorrinco acaba de tirar de seu zoo particular o governo Temer. Convoca para substituir Moraes no Ministério da Justiça o deputado Osmar Serraglio, o amigo número 1 de Eduardo Cunha.

Serraglio usou de todas as artimanhas para livrar a cara do ex-presidente da Câmara, seu companheiro de partido e de estrada. E passa agora a ter total jurisdição sobre a Polícia Federal, que mantem Cunha sob sua custódia em Curitiba.

O futuro ministro já disse que, pelo que fez pelo país (leia-se: o impeachment), Eduardo Cunha devia ser anistiado de todas as lambanças que praticou.

O Brasil onitorrinco vai em frente, na cuplicidade do poder e da, bem, justiça. José Dirceu, Antonio Palocci, a turma do PT continua presa. O goleiro Bruno, assassino monstruoso, condenado a 22 anos de cadeira, foi libertado pelo STF a tempo de brincar o carnaval.

http://r7.com/pLrV

Espalhe por aí:
  • RSS
  • Live
  • del.icio.us
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Digg
  • Facebook
  • Netvibes
Comente

"O Brasil das jabuticabas e dos ornitorrincos"

24 de February de 2017 às 16:02 - Postado por Odair Braz Junior

* preenchimento obrigatório



Digite o texto da imagem ao lado: *

Política de moderação de comentários:
A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.