18 jul as 15h05

 

Juscelino Kubitschek governou o Brasil debaixo de pancadaria. A imprensa era radicalmente hostil ao mineirinho faceiro que começou a vida como telegrafista e, formado em Medicina, entrou na política meio por acaso. Ali, o “presidente bossa-nova” revelou vocação tanto para o diálogo quanto para a ousadia. Virtudes intragáveis pelos asas-negras da intolerância e do mau humor.

O bombardeio que Lula e o PT receberam foi menor do que o sofrido por JK mesmo porque, cumprindo promessa de campanha, coisa rara, como se sabe, o presidente eleito ainda foi cutucar o provincianismo da antiga Corte ao mudar a capital para Brasília. Desaforo imperdoável, chiou a poderosa imprensa carioca, com O Globo na dianteira (era só uma coincidência – não é? – o fato de que o dr. Roberto Marinho torcesse para a construção não de uma nova capital, mas de um novo centro administrativo, ali na Barra e em Jacarepaguá onde tinha adquirido vastas porções de terra).

Juscelino se apresentou para disputar a eleição presidencial de 1955 sob intensa fuzilaria. Era, de certo modo, o herdeiro eleitoral do getulismo, embora viesse do conservador PSD de Minas. Acusavam-no de ter o apoio dos comunistas.

Carlos Lacerda, o mais histérico dos opositores, bradava: JK não pode concorrer; se concorrer, não pode ganhar; se ganhar, não pode assumir; se assumir, não pode governar.

O Brasil, como se vê, adora um replay.

JK venceu, governou (sitiado de intrigas) e passou a faixa presidencial a seu descabelado desafeto e sucessor, Jânio Quadros. Não era um estadista de primeira linha mas foi um democrata au grand complet.

A oposição agourenta e invejosa espalhou que ele inventou a inflação no Brasil e que saiu do governo com a sétima maior fortuna do mundo. Tinha até a história maliciosa e nunca comprovada de um triplex em Ipanema.

JK morreu pobre. A UDN inimiga se locupletou na ditadura militar que logo ajudaria a implantar.

Hoje teria sido fácil neutralizar JK. Bastaria um juiz de província para tirá-lo da eleição.

http://r7.com/MDRo

Espalhe por aí:
  • RSS
  • Live
  • del.icio.us
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Digg
  • Facebook
  • Netvibes
Comente

"JK e “a sétima fortuna do mundo”. Como nasce uma injustiça"

18 de July de 2017 às 15:05 - Postado por Odair Braz Junior

* preenchimento obrigatório



Digite o texto da imagem ao lado: *

Política de moderação de comentários:
A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.