24 ago as 14h00

Barco Os naufrágios refletem o Brasil de hoje

É triste buscar uma comparação quando tantas pessoas estão sofrendo, no Pará e agora também na Bahia, mas a verdade é que o Brasil virou uma fábrica de desastres.

Não há otimismo dos cadernos de Economia – que anunciam em uma única voz que os bons tempos estão de volta – que resista à realidade do cotidiano. Crimes em alta, rebeliões em presídios, maridos que assassinam suas mulheres, estupros, linchamentos, cenas explícitas de racismo.

Onde foram parar o tal país cordial e o espírito brincalhão do brasileiro?

Tem a ver com a conjuntura política, sim, o mal estar social. A radicalização dos últimos tempos criou um caldo de cultura não de só de ódio mas sobretudo de descaso com o semelhante. A sociedade excludente não se importa mais de só mirar o seu próprio umbigo.

Enquanto os barcos viram, por irresponsabilidade e não por fatalidade, o Brasil se prosta aos pés do novo Baal: o Mercado.

O Mercado manda, o país obedece. Mas quem disse que o Mercado gosta do Brasil, além de si mesmo?

http://r7.com/bGVV

Espalhe por aí:
  • RSS
  • Live
  • del.icio.us
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Digg
  • Facebook
  • Netvibes
Comente

"Os naufrágios refletem o Brasil de hoje"

24 de August de 2017 às 14:00 - Postado por tccardoso

* preenchimento obrigatório



Digite o texto da imagem ao lado: *

Política de moderação de comentários:
A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.