Uma foto e a datenização do debate político

dilma1970 Uma foto e a datenização do debate político

A divulgação da histórica foto de Dilma Rousseff durante interrogatório na sede da Auditoria Militar do Rio de Janeiro serve para aprofundar o entendimento do impacto causado pela velocidade e virulência com que as opiniões se espalham nas redes sociais.

A foto deixou de ser inédita por ocasião do lançamento da biografia da presidente escrita pelo jornalista Ricardo Batista Amaral. Mostra a então militante, aos 22 anos, após três semanas de tortura, com semblante altivo, enquanto, ao fundo, os oficiais que a interrogavam escondem o rosto com a mão. Vergonha? Uma imagem poderosa.

A foto foi reproduzida pela revista Época e, em poucas horas, invadiu a internet.  Até aí, tudo bem. Mostra a força que as novas mídias possuem. Incensadas como espaço altamente democrático e difícil de censurar, as redes sociais deram uma didática demonstração do que é poder opinar por trás de um laptop ou smartphone, muitas vezes sob o conforto covarde do anonimato.

As pessoas ficam muito corajosas nessa situação.  Duvido que fossem tão enfáticas e bélicas mesmo que numa mesa de bar. Mas, certamente, dizem o que pensam, o que não é pouco para quem acabara de olhar uma fotografia tirada em 1970, auge da repressão da ditadura militar que estabeleceu uma censura implacável e cerceou todos os direitos básicos da cidadania.

Incrível o baixo nível dos comentários que vi, numa rápida pesquisa. Não vale a pena reproduzi-los aqui, por questão de higiene. Mas garanto: não faltaram piadinhas infantis, sem graça mesmo, claramente preconceituosas e misóginas, frases raivosas, toscas. Uma inversão de valores assustadora e doentia.

Mais que revelar um profundo desconhecimento da história deste país, o bestiário que tomou conta da internet atesta a vitória do humorismo CQC e a datenização do debate político. Simples assim.

Não vou ser estúpido de colocar a culpa por esse lamaçal ideológico nas novas plataformas tecnológicas. Nem me permitirei simplismos sociológicos sobre a origem econômica desses meliantes da opinião. Até porque é impossível identificar o extrato intelectual dessa gente que se esconde atrás de um teclado.

Hoje em dia, como diria o profeta do obscurantismo Luiz Carlos Prates, comentarista da RBS, “qualquer miséravel tem um carro”. Não bastasse a elite branca estar em seus melhores dias, sem ter do que reclamar. Maldito governo Lula. E sua sucessora, essa ex-terrorista que até hoje não perdeu a dignidade.

Veja mais:
+ R7 BANDA LARGA: provedor grátis!

+ Curta o R7 no Facebook

+ Siga o R7 no Twitter

+ Veja os destaques do dia

+ Todos os blogs do R7

Posts Relacionados

14 Comentários

"Uma foto e a datenização do debate político"

5 de December de 2011 às 19:49 - Postado por Juliana

* preenchimento obrigatório



Digite o texto da imagem ao lado: *

Política de moderação de comentários:
A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Comentários
  • anna
    - 19/12/2011 - 03:20

    Muito desses comentários de baixo nível são postados por adolescentes ou mesmo adultos catequizados pelo humor tosco e reacionário do Pânico, CQC, comédia mtv, furo mtv e quejandos. Fico abismado com essa geração totalmente apolítica, egoísta e preconceituosa. +1

    Responder
  • Anne
    - 09/12/2011 - 16:51

    Que bonitinha...

    Responder
1 2 3 4 5
Ir para a home do site
Todos os direitos reservados - 2009- Rádio e Televisão Record S/A
exceda.com