Sobre o Belas Artes, pancadões e vida noturna: por uma São Paulo menos sombria

belas artes Sobre o Belas Artes, pancadões e vida noturna: por uma São Paulo menos sombria

Faz dois anos escrevi um post sobre a proposta de tombamento do cine Belas Artes. Para mim, o prédio, de arquitetura grotesca, e o fim dos cinemas de rua (engolidos pela violência e pela especulação imobiliária) não justificavam os apelos hipócritas pela manutenção de algo que representaria, rigorosamente, o fracasso da cidade.

Agora, parece que a prefeitura de São Paulo tem planos para comprar o imóvel e lá instalar um (minúsculo) centro cultural. Continuaria achando a ideia um esforço fadado ao fracasso, se não estivesse acontecendo por ali uma inciativa (rigorosamente privada) de retomar um dos ícones da boêmia paulistana, o bar Riviera, fechado em 2006, após 57 anos de funcionamento.

Quem conheceu o auge da vida noturna de Sampa sabe que na esquina da Consolação com a Paulista havia uma efervescência cultural orgânica, espontânea, vibrante. Onde hoje há escuridão, viciados em crack e assaltantes, havia um burburinho que avançava até altas horas. Os mais diversos tipos de pessoas se espalhavam pelos restaurantes bem cuidados, as lanchonetes fuleiras, as pizzarias e redutos de variadas tribos.

Outros tempos, que provavelmente jamais voltarão com a mesma força. De uma década pra cá, a capital paulista foi dominada por um pensamento político que ignora a necessidade de se pensar uma metrópole como um organismo que só sobrevive se nele forem toleradas suas inúmeras contradições. A rigor, as gestões Serra e Kassab instituíram um toque de recolher na maior cidade do Brasil.

Venceu um ponto de vista legítimo, o da normatização de leis que favorecem direitos individuais, em detrimento dos coletivos. Mas quando um dos lados é forte demais, acaba a diversidade. Um exemplo exasperante disso ocorreu numa roda de samba famosa da Zona Norte da cidade, em torno da qual, durante anos, se reuniam nos sábados à tarde mais de 500 pessoas da comunidade. Um abaixo assinado de 50 moradores incomodados com o barulho levou à interdição do evento.

Óbvio que muitos “pancadões” que se espalham pela periferia dão sólidos argumentos para os que querem uma cidade silenciosa e pacata. Afinal, por absoluta falta de locais onde os jovens possam se reunir para lazer, acabam todos amontoados ao lado de bandidos e traficantes nos finais de semana. Nada é simples, bem sabemos.

Não adianta instalar equipamentos culturais e esperar que ao redor se estabeleça a civilização. A magnífica Sala São Paulo, templo da música erudita, construída em plena Cracolândia, é o mais triste exemplo de como o poder público é capaz de errar mesmo quando movido pelas melhores intenções. Em alguns dias só é possível entrar no prédio com escolta militar.

Travo uma batalha particular contra a caretice que assola minha cidade. É muito sombrio ver São Paulo ir dormir cada vez mais cedo. Não quero incomodar o sono de ninguém, mas se todos olharmos ao redor teremos que concordar que São Paulo já foi uma cidade mais colorida, desperta e artística. E não, não tenho a solução definitiva para recuperar essa alegria. Só não dá para ficar parado e esperar que tudo fique ainda mais triste.

Veja mais:

+ R7 BANDA LARGA: provedor grátis!

+ Curta o R7 no Facebook

+ Siga o R7 no Twitter

+ Veja os destaques do dia

+ Todos os blogs do R7

 

1 Comentário

"Sobre o Belas Artes, pancadões e vida noturna: por uma São Paulo menos sombria"

10 de January de 2013 às 11:58 - Postado por jzorzato

* preenchimento obrigatório



Digite o texto da imagem ao lado: *

Política de moderação de comentários:
A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Comentários
  • fernando
    - 11/01/2013 - 13:00

    concordo inteiramente! é triste ver essa cidade cada dia mais careta e sem vida. sinto muita falta de espaços propícios à convivência e ao surgimento espontâneo de arte, cultura, lazer e entretenimento, de diversos níveis e para todos os gostos. que a rua, o espaço público por excelência fosse devolvida aos seus verdadeiros donos...

    Responder
Ir para a home do site
Todos os direitos reservados - 2009- Rádio e Televisão Record S/A
exceda.com