Pai teria sido dopado e assassinado bem antes

filho e pai Pai teria sido dopado e assassinado bem antes

Teria mesmo o pai sido morto bem antes?

Chegamos ao quinto dia de cobertura do Caso Pesseghini. E hoje, informações obtidas com exclusividade pelo meu colega Reinaldo Gottino através de suas fontes, reforçam a tese que a polícia vem defendendo - de que foi mesmo o garoto que matou a família. O que foi apurado: que o exame toxicológico teria dado positivo. Ou seja, teriam sido encontradas substâncias no sangue das vítimas que indicam que elas podem ter sido dopadas antes de morrer. Inclusive existem marcas nos braços de Marcelinho que sugerem que a mãe, pouco antes de ser morta, teria acordado e ainda sedada, teria agarrado o menino. Outra revelação: uma perícia feita no computador do garoto também teria mostrado que foram feitas pesquisas na internet sobre "Como dopar pessoas profundamente". Tudo isso, para a polícia (que nega ainda existirem esses resultados) pode indicar que foi Marcelinho o autor dos disparos, mas quem garante que não pode ter sido outra pessoa a dopar a família ou ter feito a pesquisa na internet? São apenas suposições.

Hoje outras quatro testemunhas foram ouvidas - dois parentes do garoto e dois policiais amigos da família. Nada de novidades a não ser o que já tinha sido dito ontem: que ele sabia dirigir e atirar e era um garoto recluso e quieto. Um vídeo divulgado hoje, em que Marcelinho aparece dançando quadrilha, também revela o quanto ele era introvertido. Enquanto alguns colegas dançam pra valer, ele apenas balança o corpo de um lado pro outro, disritimadamente e sem qualquer sincronismo com a música. Uma fonte me disse que ele soltava pipa no quintal de casa para não interagir com os garotos da rua. Esse perfil mostra o quanto ele poderia ser "esquisito", mas já vi garotos piores que ele e que seriam incapazes de matar uma mosca.

Bom, não estou afirmando que ele não matou a familia. Repito aqui que até pode ter feito isso, mas acho que pode ter tido ajuda ou algém para guiá-lo. Pode não ter sido sozinho. Um fato que me intriga são informações que vazaram que dão conta de que o pai, o sargento Luis Marcelo Pesseghini, teria morrido bem antes das demais vítimas. Isso pode ter ocorrido entre 3 e até 18 horas antes. Não acredito em tanto tempo. Mas se for, por suposição, 4 horas antes do horário previsto para os assassinatos (entre 23h de domingo e 01h de segunda feira), ele teria sido morto entre 19h e 21h de domingo. Curiosamente, um primo da mãe do garoto (prefiro não citar o nome aqui) afirmou em depoimento que esteve na casa por volta das 21h de domingo, foi quando teria visto a família viva pela última vez. Isso mexe com a imaginação de vocês?

Neste fim de semana não estarei no caso e acredito que nada mais aconteça. Mas para o início da semana estão marcados depoimentos importantes - o do tio da Cabo Andréia, que afirma ter recebido informações reveladoras que contestam a versão da polícia (de que foi Marcelinho o autor) e de vizinhas que garantem ter visto pessoas pularem o muro da casa na segunda feira de tarde. É bom lembrar que as mortes só foram descobertas as 18 horas de segunda. Se alguém entrou lá antes, porque não alertou a polícia mais cedo? Pra pensar antes de dormir.

Bom fim de semana a todos!

Ir para a home do site
Todos os direitos reservados - 2009- Rádio e Televisão Record S/A
exceda.com