Má distribuição de policiamento?

Comentários recentes de um respeitado sociólogo difundiram a idéia de que estaria ocorrendo em nossa Cidade uma má distribuição do policiamento ostensivo preventivo. E mais: que determinadas áreas (as mais carentes) não teriam policiamento algum e as mais nobres, uma quantidade julgada excessiva, em especial alguns bairros da zona sul.

Creio que a Polícia Militar não planeja o emprego dos seus efetivos por critérios políticos ou por considerar se a área é mais nobre ou mais carente. É efetuado um planejamento que se atualiza permanentemente, em função da mancha criminal (análise dos delitos que representam a situação corrente da área ou o 'crime mudando de lugar', em função da própria atuação da polícia preventiva).

Decerto, a disposição dos efetivos policiais militares nos vários postos é efetuada com base em critérios técnicos, numa leitura e análise bem conduzida por especialistas em segurança pública, os quais, para tal, realizaram pelo menos o Curso de Formação de Oficiais PM na Academia da Polícia Militar D. João VI (3 anos); o Curso de Aperfeiçoamento de Oficiais (1 ano) e o Curso Superior de Polícia Militar (1 ano), ambos realizados na Escola Superior de Polícia Militar. Digo pelo menos, pois que a arrasadora maioria dos Oficiais PM possuem, pelo menos, um curso superior.