Rosana Hermann

Comentários

Feed RSS para comentários sobre este post.

O URL de TrackBack deste post é: http://noticias.r7.com/blogs/querido-leitor/o-funk-ostentacao-tapa-tapa-ta-patrao-ainda-faz-a-gente-pensar/2013/02/17/trackback/

  1. Não dá prá não julgar. O máximo que eu consigo é acompanhar o raciocínio enviesado. Entender a lógica que estão seguindo.Lógica da menos valia.

    Comentário por Rose Borges — 17/02/2013 em 11:39 AM

  2. Ter ou não ser, eis a questão.

    Comentário por Alexandre — 17/02/2013 em 1:05 PM

  3. @ 26:50 "é o funk que valoriza a mulher".
    Difícil mudar algumas coisas se essa é a ideia de valorização e poder que eles tem.

    Comentário por bani torrico — 17/02/2013 em 1:22 PM

  4. Oi Rosana, pra variar, super antenada né?
    Eu tinha uma certa agonia com isso também, com essa ostentação toda. Outro dia eu estava assistindo o programa Real time e o Bill Maher entrevistou um rapper americano. Ele perguntou exatamente o porquê disso. A explicação do rapper foi simples e achei bacana. Não vou lembrar o nome do cabra mas confio na minha memória pra dizer que o que ele disse foi mais ou menos isso: é um grupo de pessoas que veio dos guetos, de lugares muito pobres, que passaram a vida assistindo as pessoas ostentando coisas as quais eles nunca teriam acesso. Até que, pela música, eles conseguiram. Então, as músicas de ostentação vêm dessa fase de auto-afirmação. Do dizer que agora sim, eles tão podendo. E muito. E disse ainda que é uma fase, faz parte do processo de amadurecimento. E que sim, isso vai passar.
    Enfim, vamos torcer para que ele esteja certo.
    Super beijo

    Comentário por Valéria Gimenez — 17/02/2013 em 1:26 PM

  5. Que bom que vc voltou ¨forte¨no blog RH,esse post foi lindo como todos.Obrigado por não esquecer seus leitores.

    Comentário por elimar gimenes — 17/02/2013 em 3:54 PM

  6. Voce tem opção.

    Comentário por Jeferson — 17/02/2013 em 4:52 PM

  7. Lembrei da história do pescador que vc contou num texto no site "Assim uma Brastemp", chamado O Luxo da Simplicidade. Lembrei pq me parece o oposto dessa história de funk ostentação: a pessoa nasce em meio à pobreza, enfrenta escassez de recursos materiais em geral, seu status lá embaixo, aí quando consegue condiçõe$ de subir na vida, passa a ostentar sua vitória, financeiramente e com ego satisfeito. Já o pescador, ex-empresário de São Paulo com 90 funcionários, largou tudo para morar numa ilha vivendo do básico. O que significa isso? As pessoas nascem e crescem de um jeito para depois buscar o oposto daquilo que viviam? Se bem que, nos dois casos, vejo algo em comum: fugiram daquilo que os oprimia, seja a pobreza ou a riqueza.

    Comentário por Gustavo C. — 17/02/2013 em 10:19 PM

  8. Nossa, cabe uma baita reflexão. Fiquei muito interessada também em ler o texto que o Gustavo C. se referiu, O Luxo da Simplicidade. Rosana, você poderia disponibilizar aqui para nós? Como tudo o que você escreve deve ser uma excelente leitura e tem tudo a ver com o tema deste post.

    Comentário por Regiane — 18/02/2013 em 12:00 AM

  9. Muito bom esse post, mas por sua culpa agora não sai da minha cabeça a musica lelek rsrsrsr
    vc viu o vídeo montagem com o quico do chaves dançando a música? hilário rsrsr

    Comentário por Raquel Souza — 18/02/2013 em 5:14 PM

  10. isso que dá evoluir um pouquinho a condição financeira sem evoluir nada a questão educacional...

    Comentário por Lec0 — 18/02/2013 em 5:18 PM

Deixe um comentário

Quebras de linhas e parágrafos são automáticos, os endereços de email nunca são exibidos, HTML permitido: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>


Fechar esta janela.

0,330 Powered by WordPress