Rosana Hermann

22 de janeiro de 2013 às 08h13

E depois de uma hora, o que aconteceu?

Sou viciada em Twitter, como já é de domínio público. Minha luta contra o vício é a mesma da luta contra a gula. Continuo gostando de twittar e comer, mas me controlo tanto quanto possível para não virar uma esfera gigante e inerte com os dedos colados no teclado e os olhos colados na tela.

A favor do Twitter e do uso contínuo de redes sociais fica a desculpa de que, depois de uma hora twittando, ganhei muita coisa. Reforcei ligações pessoais, conheci gente nova, adquiri novas informações, produzi e absorvi ideias. Embora sempre seja possível passar uma hora inteira de inutilidades adquirir um pouco de informação é quase inevitável.

Infelizmente nem tudo o que a gente faz na Internet tem uma utilidade ou resultado prático. Em geral muitos prazeres que nos divertem não levam a nada. Até um jogo disputado de forma repetida e que ensina alguma técnica para jogar melhor e, quem sabe, lucrar com isso, pode ser considerado uma utilidade. O que mais acontece, no entanto, é que passamos muitas horas com coisas que não apenas são inúteis, mas até maléficas para o espírito. Ler fofocas requentadas, maledicências e boatos, reproduzir mentiras e idiotices, brigar com todo mundo são só alguns exemplos de como jogar sua vida fora, engordar a bunda, enrijecer as artérias e matar neurônios com ajuda da modernidade.

Uma pergunta pode nos ajudar a selecionar melhor o uso do nosso tempo: depois de uma hora fazendo essa atividade, qual vai ser o output?

Se eu passar uma hora limpando a casa, fazendo faxina nas minhas coisas, depois de uma hora eu terei:

.gastado calorias
.melhorado o ambiente
.removido sujeira
.evitado doenças.
.gerado felicidade estética
.enaltecido o espírito.
.economizado a faxineira.

Se eu passar uma hora fazendo tricô ou crochê, também terei bons subprodutos. Pode ser um cachecol, uma bolsinha, um conserto em uma roupa.

Ler um livro por uma hora é um treino para a tenção, um deleite para a imaginação, exercício e aprendizado.

E assim vai. Uma hora de exercícios físicos pode prolongar e melhorar a qualidade de vida, acrescentando saúde para seu corpo e sua mente.

E se você ficar uma hora jogando um joguinho no celular? Depois de uma hora passou uma hora, apenas. Você poderia ter ficado olhando para o relógio que o tempo teria passado e o outcome seria o mesmo: nada. Melhor dormir uma hora, que a 'siesta' melhora a digestão.

Uma hora no trânsito é irritante por isso. Um desperdício de vida útil sob pressão da cidade. Horrível. Uma hora em pé num ônibus, num trem ou metrô é igualmente terrível. Se pelo menos você puder ficar sentado ouvindo músicas ou notícias, lendo, já é uma vantagem.

Claro que uma boa hora de ócio é sensacional e necessária. Mas o ócio inútil também vicia. A preguiça é um vício como a gula, muito difícil de combater. Pior quando é algo quase genético, uma preguiça atávica que já vem no seu sistema operacional.

Gerenciar o tempo, parar para pensar na utilidade do que se está fazendo, aprender a se concentrar para realizar tarefas com eficiência no melhor tempo possível é uma arte quase perdida. A geração Y, especialmente, coloca o desejo acima de tudo, como se o que ela ~quer~fosse a melhor coisa para o mundo. Às vezes não é nem a melhor coisa pra ela, é só o ego no comando em busca de uma existência de hedonismo.

Sei que você não gastou uma hora lendo este post. A pergunta que fica é, o que você vai fazer com o resto dos minutos que você tem agora, até que uma hora se complete?

Pense nisso.
Tempo não é dinheiro, tempo é investimento de energia vital.
Escolha bem a forma como você vai usar seu tempo para que seu ócio não seja fatal.

Bom dia.

6 Comentários

"E depois de uma hora, o que aconteceu?"

22 de January de 2013 às 08:13 - Postado por rosana

* preenchimento obrigatório



Digite o texto da imagem ao lado: *

Política de moderação de comentários:
A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Comentários
  • Regiane
    - 23/01/2013 - 12:30 AM

    Brilhante, Rosana! Brilhante Rosana (não repeti por engano), obrigada pela espada afiada emprestada de sua consciência que corta toda a ignorância. O mundo é certamente mais feliz, lúcido e saudável com a sua contribuição. Vou favoritar este texto, vou emoldurá-lo para me guiar todos os dias nas minhas escolhas. Gratidão! beijos.

    Responder
  • Lúcia Soares
    - 22/01/2013 - 10:18 PM

    Tudo que ando pensando e não consigo verbalizar. Você foi direto ao ponto.

    Responder
1 2 3
Ir para a home do site
Todos os direitos reservados - 2009- Rádio e Televisão Record S/A
exceda.com