z2force2 O que você precisa saber sobre o Moto Z2 Force

O Moto Z2 Force foi anunciado no fim de agosto em um evento que tinha como estrelas principais os modelos Moto G5S e G5S Plus. Não é para menos, as linhas intermediárias estão entre as favoritas dos brasileiros.

No entanto, o topo de linha da Motorola/Lenovo tem lá seus atrativos. O principal deles é uma tela que não trinca e nem estilhaça. Bom, se você sofrer de 10% da minha falta de equilíbrio, essa informação já deve ter saltado do texto. Não é mesmo?

Antes, uma palavrinha dos nossos anunciantes (mentira): está de olho em um dos smartphones mais parrudos disponíveis no mercado nacional? Dá uma olhada no comparativo que fizemos há algumas semanas no R7 Tecnologia.

Agora que já fiz a devida promoção desse conteúdo maneiro, é hora de compartilhar minha experiência com o exemplar de testes que chegou aqui na redação. Afinal, o que você precisa saber sobre o Moto Z2 Force?

Uma baita tela resistente (mas, ela risca)

z2force O que você precisa saber sobre o Moto Z2 Force

Com certeza, essa é a característica mais marcante do Moto Z2 Force e não tem nada a ver com um display infinito. Na verdade, o modelo top de linha da Motorola ainda não entrou nessa disputa com Samsung, Apple e LG. Pelo menos, não em 2017. No entanto, a tela do celular tem outro diferencial que nenhuma das outras três concorrentes possui: uma tela inquebrável.

Inquebrável, como?

Basicamente, a tecnologia que ShatterShield adiciona uma nova camada de proteção ao display do celular. Para realizar essa proeza, a Motorola usa uma tela de plástico no celular. Isso significa que a tela do Moto Z2 Force realmente é dura na queda e provavelmente não vai trincar ou estilhaçar como é comum aos concorrentes.

Para promover esse diferencial, a Motorola até fez um vídeo com um “teste de queda” com vários funcionários da companhia:

O ponto negativo desse ponto positivo – por mais bizarra que essa expressão seja – é que a tela do Moto Z2 Force vai riscar com facilidade. Mais do que isso, dá para literalmente arranhar o aparelho. Sim, com as unhas. Bom... A tela realmente não vai trincar nas suas quedas, nem nada do tipo.

Esse é um ponto que os desastrados (meu caso) precisam pesar bastante antes de saírem com um Moto Z2 Force sem película por aí. Falando sobre a qualidade das imagens mostradas nessa tela, temos 5,5 polegadas com resolução QuadHD e densidade de pixels de 534 ppi. O display é um P-OLED, que tem um bom equilíbrio de cores e brilho.

As câmeras

Novidade em boa parte dos modelos que chegaram em 2017, o Moto Z2 Force é o primeiro top da Motorola a trazer uma câmera dupla na traseira. São dois sensores de 12 MP, com abertura de f/2.0. A diferença nesse caso é que um dos sensores é colorido e outro monocromático (sim, tira fotos em preto e branco). A combinação das lentes com o hardware da marca permite que você tire fotos com o efeito de desfoque do fundo, que virou moda nas redes sociais.

Dá uma olhada nas imagens que eu fiz só apontando e clicando a câmera do Moto Z2 Force:

IMG 20171012 124409009 DEPTH O que você precisa saber sobre o Moto Z2 Force

IMG 20171019 171611653 O que você precisa saber sobre o Moto Z2 Force

IMG 20171021 133916737 LL O que você precisa saber sobre o Moto Z2 Force

IMG 20171021 151622111 HDR O que você precisa saber sobre o Moto Z2 Force

IMG 20171021 183526457 HDR O que você precisa saber sobre o Moto Z2 Force

Em geral, o aparelho faz um bom trabalho nas fotografias, mesmo que não seja incrível como alguns concorrentes. Os vídeos são gravados em resolução fullHD 1080p (com 60fps) ou 4K (com 30fps).

Na parte da frente, temos um sensor de selfies que conta com flash de LED, com 5 MP e abertura de f/2.2, capaz de fazer selfies com o ângulo aberto. Ah, o recurso de embelezamento - outro queridinho - também está presente no app de câmera.

Design e Moto Snaps

snaps O que você precisa saber sobre o Moto Z2 Force

O Moto Z2 Force é mais do que uma tela inquebrável (riscável). O aparelho é bastante fino na maioria do seu corpo, que é feito utilizando um tipo de alumínio bastante resistente. O design do aparelho em si, apesar de não ser inovador – é igual ao Moto Z Force que não chegou a Brasil no ano passado – faz uma boa figura.

Na parte da frente, o aparelho ainda conta com bordas e um leitor de impressão digital. Assim como nos modelos mais baratos, é possível usar esse sensor para navegação no Android (voltar e abrir a bandeja de apps rodando). Apesar de salvar um pouco de espaço, a verdade é que utilizar esse sensor é uma espécie de emenda. Sim, porque os gestos acabam sendo um pouco confusos se você não faz as “passadas de dedo” exatamente como explicado no tutorial.

No fim das contas, eu me peguei voltando para o design original, com os botões virtuais do Android ocupando uma parte da tela do Moto Z2 Force mesmo.

Prometi que não iria mais reclamar do “calombo da câmera”, então, vou deixar isso para lá. A traseira do produto conta com alumínio escovado, o que é ótimo para esconder riscos causados por quedas. Outra das "mazelas" de um design tão fino é ter que carregar um adaptador de fone de ouvido para todos os cantos. Não é legal.

Aproveito para falar dos Moto Snaps (ou Mods). O modelo é compatível com todos já lançados e também pode utilizar os módulos mais recentes (como gamepad, câmera 360, etc). No Brasil, chegaram duas ofertas de Moto Z2 Force. A primeira só com o celular, disponível por: R$ 2.999 (preço sugerido) e a Power Edition, que conta com um Snap de bateria, disponível por R$ 3.199.

Testei o aparelho dessa versão e, sinceramente, é um ótimo quebra-galho para aqueles momentos em que falta um pouquinho de energia no fim do dia.

Não usei o acessório todo o tempo porque ele tira uma das coisas mais legais do Moto Z2 Force que é o quanto o aparelho é fino e leve. São só 143g do Moto Z2 Force contra 155g de um Galaxy S8, 184g de um iPhone 8 e 163g do LG G6, por exemplo.

Por alguns dias, também usei o snap de projetor, que é um dos meus favoritos, simplesmente porque tudo funciona de maneira fácil. Parece até bruxaria.

Carregamento e desempenho

Mencionei que as vezes falta um pouco de bateria para o Moto Z2 Force, né? O aparelho tem uma ligeira desvantagem em relação a outros concorrentes nesse quesito. São “apenas” 2730 mAh de bateria. As aspas estão ali porque a verdade é que essa capacidade é suficiente para levar você até o fim de um dia normal.

Considerando apenas o uso básico (rede social, e-mail, zap), o celular dura até um dia e meio longe da tomada. No entanto, naqueles dias de pauleira, o snap de bateria vai ser muito bem-vindo. Um ponto positivo dos aparelhos da Motorola é a tecnologia de carregamento rápido, que virou padrão nessa faixa de preço. Ou seja, você carrega em 15 e ganha até mais 6 horas de uso, segundo a empresa. Nos meus testes, a autonomia foi um pouco menor, mas porque eu não quis utilizar nenhum tipo de economia na bateria. Consegui por volta de 4 horas a mais.

Sobre o desempenho, não tive nenhum tipo de reclamação. Dá para jogar, usar GPS, tuitar e muito mais. Com um processador Snapdragon 835, 6 GB de RAM, o Moto Z2 Force roda praticamente 100% do tempo sem qualquer tipo de problema. O sistema operacional é o Android 7.1.1 (Nougat), mas deve atualizar para o 8 (Oreo) nos próximos meses. São 64 GB de espaço, o que também é um padrão (ou deveria) para um aparelho nessa faixa de preço.

Com um preço (de mercado) que o deixa apenas algumas dezenas de reais abaixo do Galaxy S8, quase R$ 1.000 mais barato que um iPhone 8 e uns R$ 300 mais caro que Zenfone 4 mais parrudo, o Moto Z2 Force não seria minha primeira opção nessa categoria. Mas, a pergunta que importa nesse caso é:

O Z2 Force é para você?

motos O que você precisa saber sobre o Moto Z2 Force

Sim: se você quer um bom desempenho, uma câmera razoável e um design fino, com uma pegada boa, vai fundo no Moto Z2 Force. Carregamento rápido e tela inquebrável também são atrativos. O sensor secundário ajuda a ter fotos melhores e permite cliques com os efeitos mais desejados do momento. Ampliar suas opções com os snaps também é ótimo.

Não: O aparelho é resistente à água, mas só contra respingos e chuva. Nada de mergulhar com o Z2 Force. Usar um adaptador de fone de ouvido também é bem chato, além das bordas que parecem "coisa de 2016" nessa faixa de mercado.

http://r7.com/6czZ