Parece que agora tudo virou "acidente" no nosso Brasil velho de guerra, até crimes contra crianças e fatos históricos.

"Estão querendo transformar um acidente educacional em um fato criminal", protestou o supervisor administrativo do Colégio São Bento, Mário Silveira, um dos mais tradicionais do Rio, onde um aluno de 14 anos espancou outro de seis, que ficou desacordado no chão, com luxações na lateral esquerda da cabeça e na nuca e um corte na testa.

Acidente? Sim, por inacreditável que possa parecer, a direção do São Bento chamou de "acidente" esta violência contra uma criança praticada na quinta-feira passada, e se limitou a suspender o agressor por apenas um dia.

A entrada no caso da Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA) irritou o diretor Mário Silveira, que saiu em defesa do agressor: "Esse menino (o suposto agressor) está sendo mais punido do que o acidentado, que está alegre e fagueiro em casa", teve a coragem de dizer.

Não foi o que disse a mãe do menino espancado, a advogada Viviane Azevedo: "Meu filho está com medo até de ir ao banheiro sozinho. Estou grávida de dois meses e não consigo mais dormir. A toda hora ele pergunta se a casa está trancada, com medo de o outro menino entrar e bater nele".

Segundo Viviane, o filho foi agredido durante o recreio quando pediu para brincar com um grupo de adolescentes. Em resposta, um deles o agarrou e derrubou três vezes no chão.

A reitoria do São Bento, como se fosse um caso banal, limitou-se a divulgar uma lacônica nota oficial em que afirma: "A avaliação sobre o incidente levou, num primeiro momento, à decisão educativa de advertir o aluno causador do acidente e aplicar a sanção de suspensão".

Pais de alunos revoltados com a situação reuniram-se no colégio, segunda-feira, para pedir providências. Mas a única que foi tomada até agora, além da suspensão por um dia, partiu dos pais do menino de seis anos, que o tiraram da escola.

Se este fato tivesse acontecido numa escola pública, certamente a direção chamaria a polícia e o agressor já estaria na Febem. Como se trata de colégio de gente fina, a preocupação maior não é com o menino agredido, mas com a repercussão na imprensa que pode "manchar o bom nome" do São Bento.

Por que estranhar que chamem de "acidente" um crime contra menor indefeso, se o ex-presidente da República José Sarney, atual presidente do Senado, teve a coragem de também chamar de "acidente" o impeachment do ex-presidente Fernando Collor de Mello, cassado por corrupção pelo Congresso Nacional, ao justificar a retirada de um painel numa exposição fotográfica?

Menos mal que Sarney percebeu a mancada e voltou atrás no dia seguinte, mandando recolocar a foto que ilustra um dos mais graves e vergonhosos fatos históricos do país. A direção do Colégio São Bento, no entanto, continua achando que está certa e o caso deve ser encerrado.

Belo exemplo que está dando para os seus alunos, no momento em que tudo está virando apenas "acidente" em nosso país.

Deve ter sido apenas um "acidente" o assassinato de quatro líderes rurais nos mesmos dias em que a Câmara aprovava um novo Código Florestal, que anistia os desmatadores.

Deve ter sido por "acidente" que alguém depositou uma inexplicável fortuna na conta do ministro Antonio Palocci.

Deve ser por "acidente" que deputados da base aliada chantageiam o governo para faturar na crise.

Se o caro leitor tiver conhecimento de outros "acidentes" do gênero, pode escrever para o Balaio, não se acanhe. Afinal, prevenir "acidentes" deste tipo, ou acidentes de verdade, é dever de todos.

Veja mais:
+ Navegue pelo Jornal da Record News
+ Siga o R7 no Twitter
+ Veja os destaques do dia
+ Todos os blogs do R7

Espalhe por aí:
  • RSS
  • Live
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Digg
  • Facebook
  • Netvibes
22 Comentários

"O “acidente” do São Bento e os exemplos de cima"

1 de June de 2011 às 14:55 - Postado por rkotscho

* preenchimento obrigatório



Digite o texto da imagem ao lado: *

Política de moderação de comentários:
A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Comentários
  • Fabio F Albuquerque
    - 18 de agosto de 2011 - 18:27

    Sou pai de aluno do Colegio de Sao Bento, confio totalmente na escola. O que me chama muita atenção e como os pais do "agredido" conseguem ser CAPA de uma das revistas com maior tiragem no Brasil.

    Responder
  • Anibal
    - 3 de junho de 2011 - 19:43

    Caro Gustavo França, Nada como um relato detalhado do que pode ter acontecido, e que tenha sequência lógica como o que o senhor acaba de fazer. Disse a forma com que apurou, e a lógica leva a crer que seu relato seja o mais próximo da verdade dos fatos. O único "senão" quanto à sua bem elaborada opinião, refere-se à forma de atuar da imprensa, esquecendo-se dos advogados. Pelo menos da grande maioria deles. Como o senhor está estudando, está no meio deles e já deve ter acompanhado vários casos, deve saber que a habilidade de modificar a realidade é um pré-requisito para se tornar advogado. Advogados são mestres em distorcer o espírito das leis, em procurar as brechas deixadas pelos legisladores para inverter a lógica da aplicação das mesmas, tornando-as sempre injustas. Não estou referindo-me aos bandidos que usam a advocacia para cometer crimes. Refiro-me apenas ao trabalho cotidiano dos mesmos. Acho que advogados deveriam sempre se casar com advogadas, bem como deveriam também associar-se sempre com outros advogados. Assim o jogo ficaria mais equilibrado.

    Responder
  • Gustavo França
    - 2 de junho de 2011 - 21:58

    Prezado Ricardo Kotscho, em primeiro lugar, gostaria de me identificar como seu leitor assíduo e fã absoluto do seu trabalho. Sem dúvidas, neste país onde a prática do jornalismo é um antro de empresários e seus mercenários, é um prazer renovado buscar e redescobrir seu compromisso com a realidade, sua integridade, sua seriedade e seu infatigável zelo pela ética. Em segundo lugar, quero dizer que sou ex-aluno do Colégio de São Bento (formado em 2009), mas continuo acompanhando de perto o dia-a-dia da escola. Estando dentro da escola desde 1999, permito-me dizer que não muitos a conhecem tão bem quanto eu. É por isso que, com toda a propriedade do mundo, eu afirmo que o Colégio de São Bento prepara para a vida como poucas instituições no mundo, missão na qual se empenha há mais de cento e cinquenta anos. Tantos são os exemplos de cidadãos exemplares lá formados. Muito difícil, por outro lado, será achar quem tenha, como eu, se criado lá e não tenha se apaixonado pela escola. Digo isso para enfatizar peremptoriamente que o colégio jamais acorbertaria uma agressão desumana. Pelo Colégio de São Bento não ponho a mão no fogo, pulo na fogueira. Ouvi relatos de várias testemunhas do incidentes, entre alunos e pais de alunos, que contaram uma história bem diferente da que foi noticiada pela mídia. Eis o que aconteceu, pelo que pude apurar. Um grupo de crianças começou a provocar um grupo de alunos mais velhos que transitava pelo pátio, incitando-os a brincar/brigar com eles (coisa de criança). Resolvendo aceitar a brincadeira (e não mais do que isso), o mais velho se pôs a "brincar" de dar banda nas crianças, conduzindo-as ao chão (ideia de jerico, não quero negar). A brincadeira foi pedida e aceita pelos mais novos. É claro que não poderia dar boa coisa. Enquanto ele o fazia uma, duas, três vezes, todos morriam de rir. Quando chegou a vez do acidentado, o mais velho perdeu o controle do braço e deixou o menino cair no chão, batendo com a nuca. Por causa da pancada, a criança ficou tonta e, ao tentar se levantar, bateu a cabeça contra o muro. Foi assim que ganhou os cortes. Como se pode notar, não houve espancamento gratuito. O aluno mais velho conta com excelente histórico escolar e não tinha ficha disciplinar. Ele não acordou e pensou "Sabe de uma coisa? Vou espancar um pirralho.", como foi noticiado. Tratou-se, de fato, de um acidente. Um acidente causado sim por uma gigantesca irresponsabilidade, que precisa ser firmemente coibida. Ninguém, em momento algum, negou isso. Há, no entanto, abismo cavalar entre brincadeira irresponsável e agressão delinquente. Ocorre que a mãe do pequeno é advogada e, sem tomar nenhum conhecimento do que havia ocorrido, resolveu levar o caso à delegacia, falar em processo criminal, chamar de "animal", "delinquente", "criminoso". O colégio deixou claro que iria apoiá-la no caso ocorrido, mas não nessa tentativa de distorcer os fatos. Foi então que ela voltou toda a sua ira contra a escola e está nessa campanha de difamação. Essa senhora tem relações dentro do jornal O Globo e, por isso, conseguiu que o jornal desse toda essa "cobertura" ao evento. Chegou a ser divulgado que a criança teria entrado em coma e sofrido traumatismo craniano. É mentira. Quanto ao traumatismo que o menino está enfrentando, não dá para saber o que ocorre em sua casa. É fato, contudo, que o garoto voltou para casa tranquilamente. Estava sim "alegre e fagueiro" conforme transmitido pela escola. Se está traumatizado agora, é porque a mãe enfiou-lhe besteiras na cabeça (tem seis anos a criança, vale não esquecer). Certamente, a mãe, advogada que é (sou estudande de Direito, logo, não há nenhum preconceito nessa minha fala), está também de olho numa possível indenização já que sabe que a escola tem dinheiro. Para concluir, quero constatar que você sabe, muito melhor do que eu, que a grande imprensa brasileira é mestre em transformar a realidade. Não é preciso fazer muito esforço para lembrar exemplo. Que tal a "pedrada", a "agressão fascista" da bolinha de papel que Serra sofreu durante as eleições? No Colégio de São Bento, o clima entre os alunos e entre os professores é de total indignação com a cobertura sensacionalista e caluniosa que a mídia vem promovendo. Se você tiver a paciência de ler tudo o que escrevi, já serei eternamente grato. Escrevo a você porque tenho a certeza de que você se preocupa com o bom jornalismo, com a ética e com a verdade factual. Estou à disposição para quaisquer esclarecimentos que julgar necessários. Sou seu admirador. Um abraço cordial.

    Responder
    • rkotscho
      - 02/06/11 - 22:17

      Caro Gustavo, eu é que agradeço teu depoimento, o testemunho de quem conhece tão bem a vida do Colégio São Bento. Esta é a riqueza da internet. Aqui não tem dono da verdade. Todos somos emissores e receptores de informações, o que democratiza a comunicação. Como moro em São Paulo, baseei meu comentário no noticiário sobre o fato publicado nos dois principais jornais do país _ a Folha de S. Paulo e o Globo, que publicaram relatos muito semelhantes. Muito grato pela tua participação, Ricardo Kotscho

  • Thiago Valente
    - 2 de junho de 2011 - 17:29

    Nao cara, eu nao sou parente, eu sou aluno do colegio, e vi oq aconteceu. Voces sao todos ignorantes nesse assuntos, acham q a historia real e a que esta sendo contada

    Responder
  • Anibal
    - 2 de junho de 2011 - 16:38

    Parece que jogar criancinhas ao chão vai ser o esporte oficial do Colégio São Bento. Parece que nesse blog já temos os torcedores. O árbitro será o Diretor Mário...

    Responder
  • marcus benedictus
    - 2 de junho de 2011 - 16:25

    Ricardo, Pela primeira vez tenho um comentario deletado. O que escrevi é uma opinião própria, e de inteira responsabilidade minha. Mas, deixa para lá. Tenho que me acostumar com este novo formato. Espero que este que aqui faço, não seja deletado. A vaidade beneditina não permite que assumam um erro com muito medo de serem julgados. Afinal sõa os primeiros colocados no ENEM no Brasil. ]

    Responder
  • Jose marcos
    - 2 de junho de 2011 - 13:28

    Bla,bla,bla. Só uma perguntinha para os indignados que estão defendendo o colégio: Se realmente não aconteceu nada de grave porque o aluno de 14 anos foi punido??? Outra coisa,teve gente que até disse que investigou o fato e comprovou que naõ houve nada de grave??? como ele investigou??? chamou a policia??? contratou um detetive particular??? teve gravações em circuito interno???? Uma coisa é absolutamente certa: mesmo que o colégio tenha razão o Diretor JAMAIS poderia usar os termos que ele usou. Para finalizar será que neste colégio Catolico pessoas na condição social da Sagrada Familia conseguirião matricular seu filho????

    Responder
  • Simone Menegussi
    - 2 de junho de 2011 - 12:48

    Olá Ricardo! Até que enfim te achei! Assinei a tv a cabo Net, para te assistir no record News. Que sacanagem! Não tem a Record News!! Será um acidente global??? Ainda bem que temos o Balaio! Um abraço e muuuuita saúde.

    Responder
    • rkotscho
      - 02/06/11 - 14:38

      bem-vinda, cara simone. pois é, deve ser mais um "acidente" que impede o acesso a uma emissora concorrente, que não é tv paga e está em canal aberto na uhf. abraços, ricardo kotscho

  • Miguel
    - 2 de junho de 2011 - 12:12

    Guardada as devidas proporções, a mídia está fazendo com o Colégio de São Bento o que fez há alguns anos com uma escola paulista cujos donos foram acusados de molestar uma criança. Noticiou sem apurar os fatos reais! Os fatos divulgados pela mãe da criança "agredida" estão a anos-luz do que realmente aconteceu. É um absurdo a imprensa noticiar, ou melhor "retwittar" uma falácia, sem ao menos procurar saber o real ocorrido!

    Responder
  • ANDRE
    - 2 de junho de 2011 - 12:09

    Thiago Valente...é... como diz o ditado "Valente morre cedo"... você deve ser parente direto ou um menor "Valentão" (contra os muito mais fracos - então leia-se um COVARDE). O fato é que para animais como você ou o "menor" de 14 anos existem soluções melhores que "justiça", advogados, polícia...

    Responder
  • Carlos Aceveda
    - 1 de junho de 2011 - 22:41

    Dezenas de pessoas dizem que viram o acontecido, afirmam que não houve agressão. Estas pessoas deveriam ir à delegacia para depor em favor do suposto agressor, mas preferem ficar em casa e postar nos blogs, eu já fechei os comentários do meu.

    Responder
  • Thiago Valente
    - 1 de junho de 2011 - 20:31

    Pelo contrario CLAUDIA GUERRA. Os pais do menor devem ser poderosos, porque um colegio como o Sao Bento nao precisa dessas coisas. Todos pagam a mesma mensalidade, e la esta a elite intelectual do Brasil, pra que querer um pai a mais ou a menos la? O pai do menino de 6 anos sim, esse dve ser podre de rico pq no dia que quis publicou da maneira que quis, ou melhor, inventou, e no jornal mais lido no pais.

    Responder
  • Thiago Valente
    - 1 de junho de 2011 - 19:52

    É impressionante como voces reporteres e jornalistas sao falsos e sensacionalistas. Voces nao investigaram o caso antes de criticar o menino do EM e o Mário, eles sao pessoas dignas, inclusive, saibam que TODOS os alunos do Sao Bento estao do lado do "agressor". Nao houve nenhum tipo de agressao. Todos que presenciaram a cena sabem que o garotinho caiu sozinho, e que o mais velho nao teve culpa alguma. Respeito o seu trabalho, e sei que fantasiar a realidade e um meio de vender jornal, mas saibam que a historia contada pelos pais do garotinho e pela midia e totalmente falsa e agressiva ao aluno mais velho. Nao resta duvidas de que ele e o mais ferido nessa historia. Repito, ele nao fez absolutamente nada, e a advertencia aplicada pelo colegio foi justa, e nescessaria, pois apesar de ter sido sem querer, acabou ferindo o garoto.

    Responder
  • Leonardo Metsavaht
    - 1 de junho de 2011 - 19:09

    olá, sou aluno do sao bento, e nao foi nada disso o que aconteceu, é mentira, ninguem foi espancado, essa mae é uma falsa, eu estudo lá e é verdade, nós, alunos, estamos fazendo uma carta e divulgaremos à imprensa, pra que outras materias nao sejam tao mesquinhas quanto esta matéria sensacionalista, que vem sujando com a imagem de meu querido colégio. O suposto agressor é um cara bem tranquilo, tira boas notas, e ele nao espancou ninguem, procurem se informar mais sobre o assunto pra nao divulgar besteira. O que me deixa mais chateado são os comentários das pessoas contra o garoto, contra o mario(excelente profissiona),influenciados por esta matéria. Em breve, provaremos a verdade, jogaremos ela na cara dessa viviane e em todos que sujaram a imagem do colegio e do garoto. obrigado

    Responder
  • Bruno Pedote
    - 1 de junho de 2011 - 18:46

    Só acho que se você é um bom reporter, deveria investigar melhor o caso antes de falar essas besteiras. Vá no são bento e procure saber o que realmente aconteceu! Saiba que tudo que você escreve está sujeito a processo, então deixe de ser parcial e procure o lado do garoto do ensino médio. A e só para esclarecer eu investiguei o caso, sou um ex aluno de lá, e não ouve agressão nenhuma!

    Responder
  • Robson de Oliveira
    - 1 de junho de 2011 - 18:07

    Boa noite Ricardo! Boa noite amigos balaieiros! Perfeito teu têxto Ricardo! Dá pra se perceber claramente a tua revolta diante de tantos fatos "acidentais" recentes. Também por acidente o governo deixou de controlar direitinho e o pessoal agora aprovou a ida do Minístro para dar satisfações. Estão tentando um outro "acidente" para reverter esse! Devido a muitos "acidentes" ocorrendo com nossos caixas eletrônicos, o povo mais simples e ignorante deverá pagar o pato pelas notas coloridas que por "acidente" lhes caírem nas pobres mãos. Os "ACIDENTÁVEIS" se multiplicam por todo o país. Aqui em Campinas na prefeitura então...melhor nem falar. Pode ser que eu seja "acidentado" sei lá! Mas o perígo mora aí mesmo. No alto das torres do castelo onde os exemplos se multiplicam e só servem mesmo como, EXEMPLOS a NÃO serem seguidos... ...exceto em caso de acidentes!!! Robson de Oliveira nosbornar@ig.com.br

    Responder
  • Claudia Guerra
    - 1 de junho de 2011 - 18:05

    Acho um escândalo o que ocorreu no São Bento. Leva a crer que o agressor tem um sobrenome mais importante para a escola que o da vítima. Imagino a profunda tristeza desta mãe com a situação do filho e com o descaso que a escola mostrou em relação a ele. A nota do colégio é de uma arrogância, que, traduzida, mostra o seguinte: somos uma instituição muito importante, faremos só o que quisermos, doa a quem doer, não aceitamos nenhuma opinião de pais ou de quem quer que seja, se insatisfeitos, tirem seus filhos da escola. É de uma rudeza, daquele estilo "sabe com quem está falando" que caracteriza os que se consideram "importantes" neste país. Espero que os pais reflitam se é esta a educação que desejam para seus filhos, e que a justiça seja feita.

    Responder
  • Anibal
    - 1 de junho de 2011 - 17:37

    Esse diretor Mário Silveira do São Bento, é uma besta apostólica romana... Ele disse que o agressor de 14 anos está sendo mais punido do que o agredido, de apenas 6 anos ! Só falta agora ele arrumar um jeito de punir o agredido mais do que o agressor... Esse delinquente agressor de criancinhas merece punição exemplar. Mas parece que o colégio quer protegê-lo. Ele deve ser filho de algum PADRE de lá...

    Responder
  • Evandro
    - 1 de junho de 2011 - 16:45

    Caro, Ricardo Gostaria de reportar mais um acidente. Esse que acabada de cometer. Comentar tão exacerbadamente um ocorrido que não está interado. Infelizmente baseia-se em informações de uma mídia mercenária e historicamente rival de seu tablóide (jornal O Globo). Infelizmente, por não conhecer o assunto, acaba cometendo acidentes com seu leitores, que numa ânsia de ler o noticiário diário sobe a educação nacional (que já não vai muito bem das pernas) se depara com uma matéria como a sua, Ricardo Kotsco, que com todo respeito é desprezível. Sem que tivesse procurado sequer outro lado da história, ou a aversão da direção ou a da família desse que prefere chamar de agressor, continua contribuindo para piorar a imagem que temos da educação em nosso país. Se ao menos conhecesse alguém que lá estudou ou um pai de aluno, saberia da disciplina que é tão e tão reforçada no melhor Colégio do Brasil e saberia que mais do que poder aquisitivo, o Colégio é feito de pessoas conscientes. Se conhecesse posturas pedagógicas lá adotadas, saberia como procede esse Colégio que há 153 anos prima não pela simples formação de alunos com excelência academia, mas homens que fazem a diferença na sociedade do país. E compreenderia que a postura irredutível do Colégio é a mais correta. Peço que antes que escreva qualquer tipo de heresia como essa, informe-se, procure fontes e não se baseie em informações de “rivais” (que pode gerar um acidente – como gosta de usar – sem mais precedentes). Att, Evandro

    Responder
  • Carlos Reis
    - 1 de junho de 2011 - 16:30

    E tambem deve ter sido por acidente que te nomearam escritor dessa coluna. Eu vou ajudar a corrigir algumas coisas: o colegio de Sao Bento nao é de gente fina, mas determinada. Gente fina é possivel encontrar em qualquer lugar do mundo, agora jovens que, desde pequenos, estudam com a carga horaria muito maior do que outros colegios para garantir o seu futuro numa boa universidade só se encontra nesse colegio. Outra coisa, se o colegio afirma que foi um acidente, nao significa que o menino nao tenha culpa, mas que nao foi um ato proposital. E chamar de espancamento, um garoto fazer um criança cair (de proposito ou nao) é exagerar DEMAIS. E para terminar, segundo a declaração inicial dos pais da criança de 6 anos, seu filho estava chorando ao mesmo tempo em que estava desarcodado.. é claro que pode ter sido um engano esse comentario, mas se esse comentario pode ser um engano, quem garante que toda a histora do menino de 6 anos, nao possa ter nenhum engano (como empurrar 3 vezes no chao de proposito) que acabou por gerar toda essa polemica?

    Responder