Em tempo (atualizado às 18h50 de 1º/7):

Foi divulgado hoje, finalmente, o texto do julgamento de José Serra sobre os primeiros seis meses do governo Dilma Rousseff, que era para ter sido anunciado na quarta-feira, após a primeira reunião do Conselho Político do PSDB, um orgão criado para ele presidir.

Os conselheiros tucanos, porém, entre eles o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, acharam melhor adiar o anúncio, para consultar primeiro o senador Aécio Neves.

A sentença de Serra sobre o governo da petista que o derrotou em 2010 acabou sendo divulgada somente nesta sexta-feira, meio na surdina, no blog do ex-governador paulista. Não provocou, até o momento, grande comoção popular.

Nenhuma novidade nas críticas de Serra ao governo Dilma, mas nos elogios ao governo FHC, que ele esqueceu de defender em suas duas campanhas presidenciais.

A registrar, apenas o estilo capenga do texto, que se vale até de expressões em castelhano, lembrando muito os intermináveis artigos anti-Lula que levaram o jornalista Merval Pereira à Academia Brasileira de Letras.

***

No dia em que a presidente Dilma Rousseff completa seis meses no cargo, o candidato derrotado José Serra, após longa reflexão, reuniu o PSDB em Brasília para apresentar seu julgamento: o governo foi condenado.

Para surpresa de ninguém, Serra apareceu na reunião com um envelope na mão direita e uma cara de quem chega ao velório, ao lado do governador paulista Geraldo Alckmin.

Entre outros mimos, Serra qualifica o governo Dilma como "incompetente" e "autoritário", segundo apurou a "Folha", ao contrário do que vêm dizendo outros líderes tucanos, como Aécio Neves e Fernando Henrique Cardoso, que têm elogiado o desempenho da presidente.

Por isso mesmo, seu documento nem foi divulgado após a primeira reunião do Conselho Político do PSDB, uma gazua que o partido arranjou para colocá-lo em alguma presidência _ ele sempre quis ser presidente _ depois de ser derrotado nas últimas eleições internas tucanas pelo grupo do senador Aécio Neves.

"O governo não tem um rumo claro ainda", proclamou à saída da reunião, como se ele e seu partido tivessem em algum momento apresentado um rumo claríssimo para o país.

Participaram do convescote de Serra o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, os governadores Geraldo Alckmin e Marconi Perillo e o presidente reeleito do partido Sergio Guerra.

O único ausente foi Aécio Neves, que se recupera do acidente da queda de cavalo. Foi este o motivo alegado para manter em sigilo a "análise" de Serra. O documento, segundo Guerra, precisa ser aprovado pelo ex-governador mineiro antes de ser divulgado, como se isto não pudesse já ter sido feito via e-mail ou telefone.

FHC levou tudo na brincasdeira. Primeiro, não quis comentar nada; depois, disse "eu sigo o Serra" e, por último, mangou com os repórteres: "Vocês querem que eu fale mal da minha presidente?".

Ainda não foi desta vez que José Serra voltou às manchetes.

http://r7.com/ZVQA