New Image1 Um dia para ficar na história da Câmara
De onde e quando menos se espera, as coisas acontecem. Em Brasília, a Câmara dos Deputados viveu um dia inusitado da sua história recente nesta quarta-feira: os nossos deputados trabalharam muito.

Num só dia, eles votaram e tomaram decisões que afetam a vida dos brasileiros em várias áreas.

Se são boas ou ruins para o país, é outro problema, os próprios leitores poderão julgar. Apresento abaixo o resultado do trabalho das excelências, além de mostrar quem ganhou e quem perdeu nesta história:

** Concessão do aviso prévio de 90 dias proporcional ao tempo de trabalho: ganharam os trabalhadores e perderam as empresas que terão seus custos aumentados e certamente os repassarão aos consumidores. Se Dilma sancionar a lei, os empregados terão direito a mais três dias de aviso prévio por ano trabalhado. Para receber o aviso de 90 dias, precisa, portanto, ficar 20 anos na mesma empresa.

** Criação da Comissão da Verdade para investigar violação dos direitos humanos entre 1946 e 1988: ganhou o governo, que há tempos vinha procurando um acordo entre parentes de vítimas e militares; perderam os setores militares que não queriam a comissão, e setores de esquerda que queriam uma comissão mais ampla com a análise limitada aos anos de ditadura militar (1964-1985).

** Rejeitado novo imposto para financiar a saúde: perderam os governadores que defendiam a volta da CPMF e os brasileiros que dependem do detonado serviço público de saúde; ganharam os parlamentares da situação e da oposição que derrubaram a antiga CPMF ainda no governo Lula.

** Ana Arraes é indicada para o TCU: ganharam o governador pernambucano Eduardo Campos, seu filho, Dilma e Lula, que bancaram a campanha dela; perderam os líderes dos dois maiores partidos da base aliada _ Cândido Vacarezza, do PT, e Henrique Alves, do PMDB , que apoiaram outros candidatos.

New Image Um dia para ficar na história da Câmara
Também o Senado mostrou serviço ontem: por 14 votos a 5, a Comissão de Constituição e Justiça aprovou o relatório do senador Luiz Henrique (PMDB-SC) a favor de mudanças no Código Florestal. Neste caso, perderam o governo, que apontou a inconstitucionalidade do texto e a CNBB, que lançou uma campanha de mobilização popular contra a proposta; ganharam os desmatadores do agronegócio.

Ufa!

Como ninguém é de ferro, as excelências do Congresso Nacional já estão voltando hoje para descansar nos seus Estados. Na Câmara e no Senado, o fim de semana começa antes e, em compensação, vai até terça-feira, quando elas voltam à labuta.

Vida dura.

***

Finalista do Jabuti

Os jovens autores Mauro Júnior e José Roberto de Ponte me informam que seu livro Lugar de repórter ainda é na rua _ O jornalismo de Ricardo Kotscho é um dos finalistas do Prêmio Jabuti de Literatura na categoria de reportagem.

"Este é um daqueles momentos em que a gente mal sabe o que falar, já que o Prêmio Jabuti é o mais tradicional prêmio do livro no Brasil. Ou seja, é o maior de todos, o mais importante segundo a Academia Brasileira de letras", comemoram os dois.

O livro é baseado num Trabalho de Conclusão de Curso (o popular TCC) que os dois jornalistas levaram quase dois anos para produzir, ouvindo dezenas de parentes, colegas de trabalho e amigos meus, quando eram estudantes da Unisanta,  em Santos.

O livro foi lançado no ano passado pela Saraiva e Tinta Negra Bazar Editorial.

***

O futebolzinho de

Tite e Adilson Batista

Parece até que os dois combinaram: Tite jogou para o Corinthians não perder mais uma e Adilson Batista, com três volantes, colocou o São Paulo para não ganhar.

Só poderia mesmo dar 0 a 0 _ mais do que resultado, a nota dos dois times pelo futebolzinho que jogaram na noite desta quarta-feira no Morumbi.

Quem perdeu foram os 44.631 pagantes e os milhões de telespectadores de todo o país que perderam duas horas na frente da televisão vendo uma partida indigente.

O São Paulo dormiu na liderança e o Corinthians não afundou na sua crise. E daí?

Mais um dia sem carro

Li na internet que hoje se comemora o Dia Mundial Sem Carro, o que não faz a menor diferença para mim. Vendi o meu último na semana passada e, pela primeira vez na vida, sobrevivo (muito bem) sem carro na garagem. Recomendo.

http://r7.com/7jmp