Violência em São Paulo A violência fora de controle em São Paulo

Foto: Cristiano Novais/CPN/AE

Carcaças de ônibus queimados, policiais, bandidos e inocentes assassinados, corpos sendo recolhidos nas ruas, toques de recolher, bairros sem transporte, escolas sem aulas, o medo e o desespero por toda parte.

Parece que estamos falando da Síria, mas estas cenas e sentimentos já fazem parte da rotina de quem vive na área metropolitana de São Paulo. Dia após dia, noite após noite, os números da violência vão aumentando.

Na última madrugada, de sexta para sábado, foram mais cinco mortos e dois feridos a bala, e outro ônibus incendiado nesta guerra sem fim entre a PM e o PCC.

A colega Vanessa Beltrão, do R7, contabilizou mais de 200 mortos a tiros desde o começo de outubro. Apenas entre a noite de quinta e a manhã de sexta, 15 pessoas foram assassinadas e outras 12 baleadas, menos de 24 horas depois de o governador Geraldo Alckmin garantir que a situação estava sob controle:

"As mortes já estão em processo de queda. Eu tenho um acompanhamento diário, elas já estão em um ritmo bem menor. Tem coisa que não tem ligação com o crime organizado".

Se o governador Alckmin e o seu secretário da Segurança, Antonio Ferreira Pinto, nomeado por José Serra, há seis anos no cargo, fossem menos autosuficientes e arrogantes, certamente muitas destas mortes poderiam ter sido evitadas.

Em junho, antes que a atual onda de violência fosse deflagrada, a Polícia Federal avisou o governo de São Paulo que os líderes do PCC estavam preparando ataques a policiais, segundo informam os repórteres Marco Antônio Martins e Rogério Pagnan, na "Folha".

"As informações foram repassadas diretamente pelo ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, ao secretário da Segurança Pública de São Paulo, Antonio Ferreira Pinto. O secretário, no entanto, nega ter recebido esta informação", relata a matéria.

Interceptações telefônicas feitas desde fevereiro do ano passado já revelavam que os chefões do PCC comandavam o tráfico de drogas e armas de dentro da Penitenciária de Presidente Prudente, mas o governo do Estado só concordou esta semana em aceitar a ajuda do governo federal para uma ação conjunta contra os criminosos.

O primeiro passo está sendo dado agora com o envio destes líderes da organização criminosa para presídios federais de segurança máxima bem longe de São Paulo, mas as pessoas continuam morrendo na maior cidade do país. Até quando? Já deveriam ter feito isso aqui há muito tempo, como ocorreu em outros Estados.

Ninguém fala de outra coisa, cada um tem sua própria história para contar. "Eu fiquei tão apavorado no ponto do ônibus, que peguei o primeiro que passou, e nem era o meu, só para escapar dali", ouvi esta manhã de um funcionário do Colégio Santa Cruz, no Alto de Pinheiros, que estava numa roda com outros colegas relatando seus dramas para chegar ao trabalho e voltar para casa com vida.

violência em SP A violência fora de controle em São Paulo

Foto: Cristiano Novais/CPN/Estadão Conteúdo

Com tiroteios em volta dos pontos de ônibus, ruas fechadas pela polícia, o trânsito cada dia mais caótico, quem mora longe sofre mais na "cidade dividida" de que fala o prefeito eleito Fernando Haddad, mas o clima de pavor se alastrou por toda parte.

Chegaram a comentar que os ataques do PCC e a legião de mortos que deixaram pelo caminho estavam relacionados com a campanha eleitoral, mas o número de assassinatos só fez aumentar depois do fechamento das urnas.

O pior que se pode fazer numa situação como essa é querer politizar e partidarizar este problema que atinge a todos nós, ou querer minimizar o que está acontecendo, como fazem as autoridades estaduais.

Em declaração feita a Vanessa Beltrão, publicada hoje aqui no R7, José Vicente da Silva, ex-secretário nacional de segurança pública e atual professor do Centro de Altos Estudos de Segurança da PM, chegou a colocar a culpa na imprensa:

"A sensação de insegurança não tem vinculação tão direta e clara com a incidência criminal, mas sim pela maneira como a mídia coloca isso".

E pensar que o nome deste professor, segundo a "Folha", chegou a ser cogitado pelo governador Geraldo Alckmin para substituir Antonio Ferreira Pinto na Secretaria de Segurança Pública. Assim, não há risco de a situação melhorar e podermos voltar a viver em paz.

Espalhe por aí:
  • RSS
  • Live
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Digg
  • Facebook
  • Netvibes
32 Comentários

"A violência fora de controle em São Paulo"

10 de November de 2012 às 13:53 - Postado por rkotscho

* preenchimento obrigatório



Digite o texto da imagem ao lado: *

Política de moderação de comentários:
A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Comentários
  • Edu
    - 14 de novembro de 2012 - 15:42

    @ Denise Moreira, que boca maldita vc tem, foi só dizer qu SC é exemplo e o caos social se instaurou no seu estado, que tragédia, sua praga pega e fica viu. "SP tem que aprender com outros estados de sucesso,como o meu, SC- o estado com a menor criminalidade do país. Só que paulista é muito arrogante e tenta minimizar a coisa procurando mencionar crimes de outros estados, para desfocalizar o problema". Vira essa boca pra lá! E resolva o problema da violência aí. Obs.: Santa Catarina só tem um município com menos violência que os municípios paulista, é a cidade de Brusque, todos os outros tem mais criminalidade do que os paulistas. Fonte: Secretaria da Segurança do Estado de Santa Catarina.

    Responder
  • Dias
    - 12 de novembro de 2012 - 16:51

    São Paulo tem governador? Se depender da mídia do IM, em tempos de Talião, parece que saiu de férias. O bom de tucano, do partido da mídia das cinco famiglias, no poder, é que nunca ocorrem inundações, não aumenta o número de assassinatos, não tem corrupção e a Alston e o Ortiz são bons companheiros, bondinho descarrilhar é coisa do destino, a degeneração administrativa e operacional do metrô inexiste, se bobear, para agradarem ao Serra, noticiam que o Palmeiras não vai mais cair pra segunda divisão, e por aí segue o trololó das polianas anabolizadas da dona Judith. O ruím, sobra para quem os fatos, de fato, ocorrem, pois apesar de não noticiados ou relativizados, quando não abduzidos, causam dor, sofrimento, prejuízos e tragédias, que ao correr do tempo, inexorávelmente, serão cobrados com juros e correção monetária, de todos nós, inclusos os desavisados, com exceção da nata da casa grande, que devidamente protegidos por essa mídia calhorda e esse judiciário arcaíco, continuarão a catequizar os ignorantes de sempre.

    Responder
  • nona fernandes
    - 12 de novembro de 2012 - 10:19

    Gustavo Pamplona, você se esqueceu de incluir a velha mídia entre os cânceres que destroem o Brasil, e com a liderança das Rede Globo, que não dá um ponto sem pensar no seu bolso. Um dia eu disse, e um visitante de blog achou engraçado, que a Globo não entrevista um mico leão dourado, sem manipular a seu favor.

    Responder
  • nona fernandes
    - 12 de novembro de 2012 - 10:10

    Com esse extremo a que chegou a violência em São Paulo, só fico pensando como estaria agindo a velha mídia, se o governo do Estado fosse do PT. Álvaro Dias, Serra, Roberto ex-comunista Freire e mais uma cambada do gênero, estariam ocupando os microfones midiáticos todos os dias, especialmente da Globo, para pedir o impeachment do governador. Com o atual governo de São Paulo, a mídia nem faz relação dos fatos e nem lembra ao telespectador, a qual partido ele pertence. Na verdade verdadeira, até acho que esse tipo de violência não é culpa somente de qualquer que seja o governante, mas também de centenas de outros fatores do mundo moderno. Se a gente der uma olhada em volta do planeta, vai observar as diversas motivações das violências. Nos países chamados de primeiro mundo, a exemplo dos EUA, se mata até quarenta de uma cajada só.

    Responder
  • thomaz
    - 12 de novembro de 2012 - 00:04

    Vira essa boca pra lá, Vitor Hugo, fizeram aqui no Baixo Itaim-Bibi um tal Parque do Povo, enorme, a um quilômetro em linha reta do Parque do Ibirapuera e a outro km do Villa Lobos, ao lado do Morumbi que é todo um parque. Com o dinheiro que gastaram, dava pra botar água encanada e esgoto em toda a popujlosa zona sul da cidade, até a beirada da Serra do Mar. E o parque "do povo", vê se pode o nome, passa a semana vazio, só com cachorros de madame levados por seguranças de terno preto, óculos rayban e radinho de orelha, por personal-dogs e por babás de branco. No final de semana, enche, enche de gente, trazendo flanelinhas e ambulantes, mudando o padrão estético, ou o "look" do bairro, como preferem as dondocas locais. Vira essa boca pra lá de mudar gente pra cá, já está cheio, obrigado. Uma pedida é lá pro lado do estádio do Coringão, vai ter metrô, aqui não tem - por enquanto, vão acabar fazendo, toc toc toc.

    Responder
  • Robson de Oliveira
    - 11 de novembro de 2012 - 22:23

    Pois é Victor...! Uns fazem acordos, já outros, alianças. Com direito inclusive à Secretarias . Apenemos todos pois!

    Responder
  • everaldo
    - 11 de novembro de 2012 - 19:03

    ...rola muita grana nos cofres públicos de São Paulo...será que estes bandidos resolveram criar esta onda de violência por pura diversão ??? Quem pensa assim menospreza a inteligência dos bandidos e demonstra que é totalmente desprovido dela. No "jeito tucano de governar" esta a origem de todo o sofrimento desta população. NÉ NÃO VÍTOR HUGO ???

    Responder
  • Victor Hugo
    - 11 de novembro de 2012 - 17:46

    Thomaz 12h50, então tá fácil resolver o problema da Insegurança em São Paulo e não precisamos nem esperar 2014: todo mundo "se muda" pro Itaim Bibi. Né não ? Eu mereço !!!!!

    Responder
  • Edna,2
    - 11 de novembro de 2012 - 16:31

    "Outra coisa *AGORA* é que o Sr.GERALDINHO se *tocou* e anda dizendo pelo menos na mídia(so não sei se é a mesma mídia que glamuriza a situação de S.Paulo conforme o sr.pinto tanto fala)que vai *dobrar o SEGURO DOS POBRES e INFELIZES DOS POLICIAIS para DUZENTOS MIL REAIS,inclusive para *aqueles POBRES E INFELIZES POLICIAIS que tombaram ou ainda vão TOMBAR vítimas desses facínoras que se proliferam mais e mais em S.Paulo e todo o BRASIL. "EU" não duvido nada que quando começar a arrefecer um tostãozinho a violência *ELE*:o Sr.GERALDINHO retire *TUDO* que falou e ainda diga que foi a *GLAMURIZAÇÃO DA MÍDIA*.É ruim heim!!!!!...

    Responder
  • "Edna,2
    - 11 de novembro de 2012 - 16:21

    "Mas RICARDO será que tu não vistes e ouvistes o *tal do secretário pinto(o título dele tem que ser escrito com letras minúsculas,pelo menos por mim),dizer que *NÃO ESTÁ ACONTECENDO NADA*,que são casos isolados que *TUDO* não passa de uma *glamurização da mídia*?" É ruim heim!!!!... E o *geraldinho*(como ele era chamado pelo o *maníaco do pedágio,"parodiando o jornalista JOSÉ SIMÃO")não diz nada,não pia nada fica escondido atrás do secretário. No mesmo dia em que o secretário *pinto*disse que S.Paulo não precisava de ajuda de ninguem,que em S.Paulo existiam *cadeias suficientes e equipadas para prender os facínoras,o SENHOR GOVERNADOR DISSE:toda ajuda é bem vinda,nos vamos aceitar a ajuda:fiquei sem entender nada. "Aliás já faz algum tempinho que eu desisti de tentar entender *essa classe política* e achar *algum deles* interessante e digno do meu voto". "E O POVO? RESPOSTA:O POVO É DETALHE."

    Responder
  • Pardalzinho
    - 11 de novembro de 2012 - 14:32

    "Mas qual é a solução?" Um bom começo, Orraio das 12:70, é enviando de volta para a Santa Casa de Pinda, o anestesista que habita presentemente o Palácio do Governo de São Paulo. Fico me perguntando, que diabos deu na cabeça de Mário Covas em adotar como seu sucessor alguém tão incompetente como esse tucano que nem pia e nem fala. Ou será que eu superestimei Mário Covas?

    Responder
  • Gustavo Pamplona
    - 11 de novembro de 2012 - 12:58

    Sou PTIsta (*) e belo-horizontino e tecnicamente falando não dou a mínima para o que acontece em São Paulo até porque sempre odiei este eixo Rio-São Paulo devido a preferência da grande mídia e é claro o número de notícias negativas destas duas cidades. Aliás... sempre considerei que o Brasil tem dois cânceres que se chamam Rio de Janeiro e São Paulo se bem que o Rio de Janeiro depois que se livraram dos Maia (César Maia) e das notícias do Globo finalmente o câncer que existia lá foi removido e os paulistanos aparentemente estão acordando... bom... pelo menos a maioria votou em massa no Haddad. Afinal de contas... desde quando o país é assim? O país inteiro de mais de 5500 municípios infelizmente paga o preço das notícias negativas de dois municípios já que é esta a imagem do país no exterior já que não deixam (a mídia) o péssimo eixo Rio-São Paulo. Mas voltando... enquanto ainda matar pobres e policiais (PM's, Civs) na periferia esta situação aí em São Paulo jamais vai mudar. Só vai mudar o dia em que a tal "violência" chegar àquele bairro lá do FHC, o tal do Higienopólis ou o Morumbi, ou qualquer bairro habitado por algum membro da elite tucana paulista. E enquanto isto o JN (sempre o Jornal Nacional) continua a falar "facção criminosa". É terminantemente proibido falar em PCC em qualquer jornal das Organizações Globo. Mas fazer o quê não é mesmo? Com esta PIGocracia em que vivemos sem uma Ley de Médios dá nisto mesmo... (**) (*) Bom... tinha comentado sobre ser PTista na primeira vez que comentei aqui em seu blog. (**) Visitem o "Conversa Afiada" - http://www.conversaafiada.com.br/

    Responder
  • Thomaz
    - 11 de novembro de 2012 - 12:50

    Vitor Hugo, eu moro no Itaim-Bibi, bairro de policiamento quase impecável. Dia desses, chegando à padaria, vejo a viatura - bonita, um Astra - estacionada com um PM fora dela, a uma distância que lhe permitia ouvir o rádio. Coldre aberto e o p.40 de bala na agulha. Dentro da padoca, dois colegas seus tomavam um lanche. Perguntei, agora andam em três, um olha de dois lancham? É, respondeu. E quando vocês vão matar esses bandidos que estão atirando em vocês? Está difícil, o governo não solta a nossa coleira, respondeu. Se soltar, em dois ou três dias fazemos a limpa. Aí está, caro Vitor. Você lê que mesmo nesse quadro de violência contra policiais, o noticiário fica falando que a polícia paulista é a que mais mata, e coisa e tal. Tem quem não goste de polícia que mate bandido que atire nela. Eu não sou dessa turma. Nem estou estou afirmando que a polícia vai agir à revelia do governo, como você sugere. Estou só contando um causo, e dizendo que entre bandido e polícia, torço pra polícia. E não vejo nenhum problema em bandido morto em tiroteio com a polícia. Gosto de ler essas notícias, sempre confiro se o facínora tem passagens. E, confira você também, se atirou na policia, certamente tem passagem. Portanto, não acho que a violência esteja fora de controle em São Paulo. Aliás, está melhor que em todos os outros estados do país. Sou paulista. Acho também que toda ajuda federal oferecida é bem vinda. Mas também acho que se quiserem aprender sobre segurança pública, venham a São Paulo. Aqui não tem, por exemplo, lugar que polícia não entra. Mó orgulho.

    Responder
  • ORRAIO
    - 11 de novembro de 2012 - 12:07

    Tudo bem, tudo mal! Já sabemos que São Paulo está mergulhada na violência. Mas qual é a solução? Ou sou somente eu que não estou enxergando?

    Responder
  • Victor Hugo
    - 11 de novembro de 2012 - 11:29

    O Robson 22h15 afirma: "Eu, devido ao trabalho que estou desenvolvendo, tive a oportunidade de conhecer alguns membros desse tal PCC. Sei que existem negociações eventualmente. Isso, apesar do governo negar, existe sim." E o Robson, não está pra brincadeiras, pois, como já nos contou, aqui mesmo no Balaio, é pequeno empresário e utiliza mão de obra dos presidios paulistas. Pergunto: falta alguma coisa pra que cassemos o mandato de Alckmin ? O STF precisa de algo mais pra começar o julgamento pela dosimetria da pena ? E durma com um barulho desses !!!!!!

    Responder
  • Claudio
    - 11 de novembro de 2012 - 10:34

    Sr. Antonio Loes, um paskim que possui no seu corpo editoral um Policarpo Jr, que eu ouvi na imprensa várias telefonemas entre ele e Cachoeira e ele e Demóstenes, e um tal de Reinaldo Azevedo, uma figurinha esquisita, ligada ao peéssedebê por laços que ningem consegue descriminar, não espere um jornalismo sério. Se tiver um cão em casa, faça como eu. O jornaleiro me dá as revistas encalhadas para que eu as utilize para catar os dejetos dele em seus passeios. Essa revista só serve mesmo para isso.

    Responder
  • Claudio
    - 11 de novembro de 2012 - 10:26

    E o "Juiz' Gilmar Mendes, politico peéssedebista togado, fez uma declaração ontem colocando toda a culpa do que acontece em São Paulo na Dilma, enfatizando serem "atos politicos perpretados por terroristas", com clara alusão a propria presidente e aos condenados do mensalão. Esse sr Gilmar, que disse ter sido chantageado pelo ex presidente Lula, numa mentira descarada pois, alem de ter sido desmentido por outro ex ministro presente, sr Jobim, deveria, se realmente tivesse acontecido, ter chamado a policia e enquadrado Lula. Afinal, ele tem esse poder pois trata-se de um juiz do Supremo. Pois é da boca desse sr, que sairam as palavras condescendentes com o governador do seu partido e mentirosas quanto a responsabilidade do governo Federal, Esse é um dos juízes que julgam o mensalão. Que vergonha!!!

    Responder
  • Victor Hugo
    - 11 de novembro de 2012 - 09:38

    Thomaz 21h21, se a policia paulista pode e "vai ajeitar as coisas", porque o Alckmin está "freando uma nova reação desse calibre da Policia Militar" ? Voce está insinuando que vão agir à revelia do governador ? Tá explicado o caos na "Insegurança Pública" em São Paulo. Se o Alckmin não controla nem a própria polícia, como vai combater o crime organizado ? Valeu, Thomaz !!!!!

    Responder
  • Denise Moreira
    - 11 de novembro de 2012 - 07:51

    Caros, os 5, 10 ou 15 por dia, se só contamos esses que foram assassinados da mesma forma, através de ataques. Os demais homicídios nem se contam(como daquela velhina assassinada no apartamento, etc...). Se contarmos todas as mortes, meu Deus! SP tem que aprender com outros estados de sucesso,como o meu, SC- o estado com a menor criminalidade do país. Só que paulista é muito arrogante e tenta minimizar a coisa procurando mencionar crimes de outros estados, para desfocalizar o problema. Essa noite foram 26 baleados. Quem será o próximo?

    Responder
  • Antonio Lopes
    - 11 de novembro de 2012 - 00:57

    Acho que á incompetência administrativa do governador Já chegou ao extremo, pior que isso é ver na Revista Veja, um Colunista e um Blogueiro irresponsável tentando achar explicações simplesmente para manter o Puxa-saquismo; tentando convencer sei lá quem, de que 10, 12 assassinatos em uma única noite, é normal. Aquilo deve envergonhar os jornalistas sérios deste país, sou a favor da liberdade de imprensa mas aquilo já extrapolou todos os limites, tá na hora de alguém criar uma regra para esse tipo de aberração. Os Srs Reinaldo Azevedo e Augusto Nunes da Veja teriam Que rasgarem seus diplomas de Jornalistas se é que eles tem.

    Responder
1 2