DilmaRousseff1 CNI/Ibope: Dilma fica acima das crises

Foto: Roberto Stuckert Filho

A nova pesquisa CNI/Ibope divulgada nesta sexta-feira mostra que a maneira de governar da presidente Dilma Rousseff bateu novo recorde, chegando a 78% de aprovação, o maior desde o início do seu mandato, em meio ao bombardeio da mídia contra o PT e seus principais dirigentes.

Além e acima das crises que se multiplicam no noticiário, a avaliação positiva do governo Dilma se manteve estável com 62% de "ótimo" ou "bom". Para apenas 7% dos brasileiros, o governo é considerado "ruim" ou "péssimo".

Embora a pesquisa tenha registrado um aumento de 14% para 18% das notícias mais desfavoráveis entre setembro e outubro, e uma queda de 29% para 24% das favoráveis, nada disso atingiu a popularidade da presidente.

Entre os assuntos mais lembrados pelos entrevistados nestes três meses estão o julgamento do mensalão pelo Supremo Tribunal Federal, a redução do custo da tarifa de energia, a operação Porto Seguro e a CPI do Cachoeira.

Nada disso foi capaz de abalar a popularidade da presidente, que é superior mesmo à do ex-presidente Lula que no mesmo período do seu primeiro governo tinha 41% de "ótimo" e "bom".

Para 59% dos pesquisados, o governo Dilma é avaliado como sendo igual ao de seu antecessor após os primeiros dois anos.

Diante desses números, pode-se esperar mais pancadaria contra o governo Dilma, o ex-presidente Lula e o PT. Como mostram os números, a opinião pública já não está obedecendo aos antigos formadores da opinião pública.

Espalhe por aí:
  • RSS
  • Live
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Digg
  • Facebook
  • Netvibes
44 Comentários

"CNI/Ibope: Dilma fica acima das crises"

14 de December de 2012 às 12:53 - Postado por rkotscho

* preenchimento obrigatório



Digite o texto da imagem ao lado: *

Política de moderação de comentários:
A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Comentários
  • divaldo
    - 17 de dezembro de 2012 - 09:20

    Viva Lula e Dilma, nossos POP STARS mundiais de Presidentes. Onde estão, há uma multidão pedindo autógrafos, com muitos flashes pipocando e muitas homenagens com titulos honoris- causa de gente sábia que reconhecem os seus esforços como gente de bem. Para os de vida mansa, que governam ou governaram no mais puro deleite, deixamos as páginas da história como os apenas riziveis que ocuparam a cadeira da Presidencia sem contudo honrrá-la. caso de Drs. como FHC et catervas que deram para os amigos as banesses do trabalho quase escravo deste povo varonil que pouco a pouco construiram as nossas riquezas em forma de empresas que foram leiloadas a troco de bananas nanicas, as mais baratas do mercado. Crises ? Elas existem apenas para aqueles que fazem dela um motivo para perpetuarem seus ganhos através da exploração humana.

    Responder
  • Cleudecir PSOL
    - 17 de dezembro de 2012 - 00:09

    Eu entendo bem sua decepção. Mas, com relação aos malfeitores que foram defenestrados pela Dilma, acredito que esta postura de lamentar a perda de colaboradores está mais no plano de diminuir a pressão do partido e evitar o chamado fogo amigo. Com relação ao que o Lula já fez no governo, eu entendo que o que ele fez de melhor foi manter as conquistas do Plano Real que tem como maior responsável o ex-presidente Itamar Franco, não meter o estado a fazer na economia o que deve ser feito pelo setor produtivo dando segurança para os investidores nacionais e estrangeiros respeitando contratos e dando regras claras para a economia como lutar contra inflação, manter o cambio flutuante e buscar a diminuição do déficit fiscal. O problema foi ele ter aceitado a corrupção em seu governo, como se fosse um mal necessário para manter o poder.

    Responder
1 2 3 4 5
Ir para a home do site
Todos os direitos reservados - 2009- Rádio e Televisão Record S/A
exceda.com