sp A dura nova rotina da vida no inferno paulistano

Manifestantes em frente à Prefeitura de São Paulo durante protesto contra o aumento das passagens em São Paulo. Foto: GABRIELA BILÓ/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

Dia sim, noutro também, já faz mais de duas semanas que as passeatas de protesto fecham as principais vias e viram a maior cidade do país de pernas para o ar. O paulistano está tendo que se adaptar a esta nova rotina, uma verdadeira gincana no desafio diário de ir para o trabalho e voltar para casa.

A partir das três ou quatro da tarde, lojas e escritórios dispensam seus funcionários e os congestionamentos agora começam mais cedo. Bares e restaurantes do centro expandido viram a freguesia minguar porque todo mundo tem medo de sair às ruas à noite sem saber se conseguirá voltar para casa.

Sem entrar no mérito, motivações ou objetivos das manifestações lideradas pelo Movimento Passe Livre, que conta com o apoio da maioria da população segundo as pesquisas, o fato é que a vida de quem mora em São Paulo, que já não era fácil, transformou-se num inferno nos últimos dias, com prejuízos incalculáveis de toda ordem para trabalhadores, estudantes e empresas.

Até quando isso?, perguntou-me logo cedo a Edite, nobre e tranquila senhora baiana, que há séculos trabalha com a gente, sem nunca reclamar da vida, mas agora também até ela já está perdendo a paciência.

Este é o outro lado da história que a imprensa e seus cientistas políticos de plantão ainda não abordaram, nem ninguém se deu ao trabalho de calcular os prejuízos causados à população, que não são só financeiros, mas humanos. Se fizerem as contas, podem descobrir que as perdas para a cidade já são maiores do que os ganhos para as empresas de ônibus com o aumento das tarifas.

E que nesta quarta-feira, os transtornos para os cidadãos comuns, que não estão envolvidos nas passeatas, começou mais cedo. Por volta das sete da manhã, cerca de 300 manifestantes queimaram pneus e pedaços de madeira no quilômetro 23 da Anchieta, fechando um trecho no sentido capital da rodovia que liga a região industrial do ABC a São Paulo. Só saíram de lá uma hora depois, em direção à Prefeitura de São Bernardo do Campo, fazendo com que milhares de trabalhadores chegassem atrasados ao serviço.

ruas A dura nova rotina da vida no inferno paulistano

Manifestantes lotaram a esquina das avenidas São Luiz e Ipiranga, na região central da cidade de SP. Foto: Debora Suconic/Especial para o R7

O mesmo aconteceu, também logo cedo, na região do M´Boi Mirim, na zona sul, e na avenida Francisco Morato, na zona oeste, mostrando que a agenda dos protestos mudou de horário e se descentralizou, avançando pela Grande São Paulo.

Agora, mesmo que o prefeito Fernando Haddad, depois de refletir mais um pouco e refazer contas em seu gabinete, que quase foi invadido na noite de terça-feira, decida voltar atrás e cortar o aumento de 20 centavos nas passagens de ônibus, o que vai acontecer? Vai todo mundo recolher seus cartazes, faixas e bandeiras, voltar placidamente para casa e devolver as ruas para quem nelas precisa circular? Motivos e pretextos certamente não faltarão para novas manifestações contra tudo e contra todos.

Não sou de acreditar em conspirações, mas tem algo de muito estranho acontecendo quando um grupo de celerados passa horas depredando a sede da Prefeitura, bota fogo no carro de reportagens externas da Record, com os funcionários dentro, e depois sai saqueando e destruindo lojas, tudo sem ser molestado _ e fica tudo por isso mesmo, até o próximo protesto.

Como diz a dona Edite, até quando?

 

Em tempo: não deixem de ler hoje o blog "Escrevinhador", do meu colega Rodrigo Vianna, que estava lá no Viaduto do Chá na hora do vandalismo em frente à Prefeitura de São Paulo, viu tudo e faz um relato completo e assustador.

Para acessar:

htpp://www.rodrigovianna.com.br/palavra-minha/foda-se-o-brasil-gritava-o-rapaz-em-sp.html

 

 

 

 

 

 

 

Espalhe por aí:
  • RSS
  • Live
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Digg
  • Facebook
  • Netvibes
30 Comentários

"A dura nova rotina da vida no inferno paulistano"

19 de June de 2013 às 11:27 - Postado por rkotscho

* preenchimento obrigatório



Digite o texto da imagem ao lado: *

Política de moderação de comentários:
A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Comentários
  • Gilberto de Oliveira
    - 21 de junho de 2013 - 02:24

    Eu também estou achando tudo isso muito esquisito. Se era pra abaixar a tarifa de ônibus em várias cidades, ótimo, já conseguiram. Mas as manifestações continuam, e de forma um tanto estranha. Senão, vejamos: 1) Há muita violência, polícia atirando em jornalistas, prendendo jornalista com vinagre, moleques depredando lojas e incendiando carros, etc; 2) Há alguns indivídos bem vestidos e bem nutridos (alguns até bem malhados) participando de protestos que deveriam ser pelo povo pobre, praticando atos de vandalismo; 3) Há grupos querendo associar a tarifa dos ônibus com a realização da Copa das Confederações (inclusive vaiando Dilma dentro do estádio, coisa que evoca a vaia a Lula nos Panamericanos); 4) Na quinta-feira, em Brasília, um grupo quis entrar no Itamaraty e quebrar tudo lá, mas o que tem as relações exteriores a ver com o preço dos ônibus? 5) Estranho: os ditos caras-pintadas estão lá, mas partidos políticos de esquerda são proibidos de participar de uma manifestação que prega democracia, e até a CUT, que representa trabalhadores que usam ônibus, foi proibida de entrar nas passeatas com pancadaria; 6) Mais estranho ainda: a grande mídia está apoiando tudo isso, e um âncora de TV chegou a dizer que as manifestações são "o Brasil indignado". Pode ser paranoia, mas será que estamos assistindo a uma nova "marcha da família com Deus" de 64?

    Responder
  • Luiz Felipe
    - 20 de junho de 2013 - 23:29

    ALERTA MÁXIMO. DENÚNCIA. Urge conter o vandalismo dos gollpistas-ditatoriais, nazi-fascistas, e mercenários à soldo, que estão atuando infiltrados no movimento popular, usando o povo como inocente útil, com segundas intenções gollpistas. Os gollpistas-ditatoriais, nazi-fascistas, e mercenários à soldo, estão, infelizmente, infiltrados no MPL e se não forem contidos em tempo vão acabar destruindo outra vez o nosso Sonho e Esperança do Novo Brasil de Verdade, assim como estão impedindo, sabotando, obstruindo e destruindo o debate livre e democrático de idéias nos sites livres da Internet. Os brucutus violentos, psicóticos, reacionários, e mercenários à soldo, estão fazendo nas ruas, infiltrados no movimento, o que há anos fazem na Internet: deturpam, sabotam , vandalizam e até impedem a liberdade de expressão, destroem o debate livre e democrático e até mesmo os sites livres.

    Responder
1 2 3 4 5
Ir para a home do site
Todos os direitos reservados - 2009- Rádio e Televisão Record S/A
exceda.com