sp A dura nova rotina da vida no inferno paulistano

Manifestantes em frente à Prefeitura de São Paulo durante protesto contra o aumento das passagens em São Paulo. Foto: GABRIELA BILÓ/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

Dia sim, noutro também, já faz mais de duas semanas que as passeatas de protesto fecham as principais vias e viram a maior cidade do país de pernas para o ar. O paulistano está tendo que se adaptar a esta nova rotina, uma verdadeira gincana no desafio diário de ir para o trabalho e voltar para casa.

A partir das três ou quatro da tarde, lojas e escritórios dispensam seus funcionários e os congestionamentos agora começam mais cedo. Bares e restaurantes do centro expandido viram a freguesia minguar porque todo mundo tem medo de sair às ruas à noite sem saber se conseguirá voltar para casa.

Sem entrar no mérito, motivações ou objetivos das manifestações lideradas pelo Movimento Passe Livre, que conta com o apoio da maioria da população segundo as pesquisas, o fato é que a vida de quem mora em São Paulo, que já não era fácil, transformou-se num inferno nos últimos dias, com prejuízos incalculáveis de toda ordem para trabalhadores, estudantes e empresas.

Até quando isso?, perguntou-me logo cedo a Edite, nobre e tranquila senhora baiana, que há séculos trabalha com a gente, sem nunca reclamar da vida, mas agora também até ela já está perdendo a paciência.

Este é o outro lado da história que a imprensa e seus cientistas políticos de plantão ainda não abordaram, nem ninguém se deu ao trabalho de calcular os prejuízos causados à população, que não são só financeiros, mas humanos. Se fizerem as contas, podem descobrir que as perdas para a cidade já são maiores do que os ganhos para as empresas de ônibus com o aumento das tarifas.

E que nesta quarta-feira, os transtornos para os cidadãos comuns, que não estão envolvidos nas passeatas, começou mais cedo. Por volta das sete da manhã, cerca de 300 manifestantes queimaram pneus e pedaços de madeira no quilômetro 23 da Anchieta, fechando um trecho no sentido capital da rodovia que liga a região industrial do ABC a São Paulo. Só saíram de lá uma hora depois, em direção à Prefeitura de São Bernardo do Campo, fazendo com que milhares de trabalhadores chegassem atrasados ao serviço.

ruas A dura nova rotina da vida no inferno paulistano

Manifestantes lotaram a esquina das avenidas São Luiz e Ipiranga, na região central da cidade de SP. Foto: Debora Suconic/Especial para o R7

O mesmo aconteceu, também logo cedo, na região do M´Boi Mirim, na zona sul, e na avenida Francisco Morato, na zona oeste, mostrando que a agenda dos protestos mudou de horário e se descentralizou, avançando pela Grande São Paulo.

Agora, mesmo que o prefeito Fernando Haddad, depois de refletir mais um pouco e refazer contas em seu gabinete, que quase foi invadido na noite de terça-feira, decida voltar atrás e cortar o aumento de 20 centavos nas passagens de ônibus, o que vai acontecer? Vai todo mundo recolher seus cartazes, faixas e bandeiras, voltar placidamente para casa e devolver as ruas para quem nelas precisa circular? Motivos e pretextos certamente não faltarão para novas manifestações contra tudo e contra todos.

Não sou de acreditar em conspirações, mas tem algo de muito estranho acontecendo quando um grupo de celerados passa horas depredando a sede da Prefeitura, bota fogo no carro de reportagens externas da Record, com os funcionários dentro, e depois sai saqueando e destruindo lojas, tudo sem ser molestado _ e fica tudo por isso mesmo, até o próximo protesto.

Como diz a dona Edite, até quando?

 

Em tempo: não deixem de ler hoje o blog "Escrevinhador", do meu colega Rodrigo Vianna, que estava lá no Viaduto do Chá na hora do vandalismo em frente à Prefeitura de São Paulo, viu tudo e faz um relato completo e assustador.

Para acessar:

htpp://www.rodrigovianna.com.br/palavra-minha/foda-se-o-brasil-gritava-o-rapaz-em-sp.html

 

 

 

 

 

 

 

Espalhe por aí:
  • RSS
  • Live
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Digg
  • Facebook
  • Netvibes
30 Comentários

"A dura nova rotina da vida no inferno paulistano"

19 de June de 2013 às 11:27 - Postado por rkotscho

* preenchimento obrigatório



Digite o texto da imagem ao lado: *

Política de moderação de comentários:
A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Comentários
  • Gilberto de Oliveira
    - 21 de junho de 2013 - 02:24

    Eu também estou achando tudo isso muito esquisito. Se era pra abaixar a tarifa de ônibus em várias cidades, ótimo, já conseguiram. Mas as manifestações continuam, e de forma um tanto estranha. Senão, vejamos: 1) Há muita violência, polícia atirando em jornalistas, prendendo jornalista com vinagre, moleques depredando lojas e incendiando carros, etc; 2) Há alguns indivídos bem vestidos e bem nutridos (alguns até bem malhados) participando de protestos que deveriam ser pelo povo pobre, praticando atos de vandalismo; 3) Há grupos querendo associar a tarifa dos ônibus com a realização da Copa das Confederações (inclusive vaiando Dilma dentro do estádio, coisa que evoca a vaia a Lula nos Panamericanos); 4) Na quinta-feira, em Brasília, um grupo quis entrar no Itamaraty e quebrar tudo lá, mas o que tem as relações exteriores a ver com o preço dos ônibus? 5) Estranho: os ditos caras-pintadas estão lá, mas partidos políticos de esquerda são proibidos de participar de uma manifestação que prega democracia, e até a CUT, que representa trabalhadores que usam ônibus, foi proibida de entrar nas passeatas com pancadaria; 6) Mais estranho ainda: a grande mídia está apoiando tudo isso, e um âncora de TV chegou a dizer que as manifestações são "o Brasil indignado". Pode ser paranoia, mas será que estamos assistindo a uma nova "marcha da família com Deus" de 64?

    Responder
  • Luiz Felipe
    - 20 de junho de 2013 - 23:29

    ALERTA MÁXIMO. DENÚNCIA. Urge conter o vandalismo dos gollpistas-ditatoriais, nazi-fascistas, e mercenários à soldo, que estão atuando infiltrados no movimento popular, usando o povo como inocente útil, com segundas intenções gollpistas. Os gollpistas-ditatoriais, nazi-fascistas, e mercenários à soldo, estão, infelizmente, infiltrados no MPL e se não forem contidos em tempo vão acabar destruindo outra vez o nosso Sonho e Esperança do Novo Brasil de Verdade, assim como estão impedindo, sabotando, obstruindo e destruindo o debate livre e democrático de idéias nos sites livres da Internet. Os brucutus violentos, psicóticos, reacionários, e mercenários à soldo, estão fazendo nas ruas, infiltrados no movimento, o que há anos fazem na Internet: deturpam, sabotam , vandalizam e até impedem a liberdade de expressão, destroem o debate livre e democrático e até mesmo os sites livres.

    Responder
  • Andre Tavares
    - 20 de junho de 2013 - 23:27

    Ricardo, a situação está ficando preocupante! não dá para saber quem ( é a polícia, esses grupos nacionalistas (infiltrados?) ou a grande mídia?) que estão fazendo atos orquestrados para levar as manifestações a um ponto de ebulição e intolerância que está cheirando a golpe!

    Responder
  • Anita
    - 20 de junho de 2013 - 20:06

    A grande mídia é mesmo engraçada, triste é ver como as pessoas não percebam como são manipuladas!! No início das manifestações eram um bando de baderneiros que tomaram as ruas, agora com a intenção de atacar o governo federal os mesmos baderneiros se transformaram em heróis do povo!

    Responder
  • Fabio Sp
    - 20 de junho de 2013 - 19:27

    Agora tem um partido oportunista querendo se apropriar das manifestações... e sendo repelida por ela...

    Responder
  • Dias
    - 20 de junho de 2013 - 18:44

    Kotscho em relação ao post de cima, respeitando o "comentários desativados", apenas sugiro que verifique o fato que os atos de hoje já tinham sido marcados e o de São Paulo também marcado antes do anúncio da queda do aumento, consta que foi mantido pelo MPL mas transformado em comemoração a conquista.

    Responder
  • alfie
    - 20 de junho de 2013 - 17:53

    "É necessário, portanto, que os organizadores dos protestos passem a trabalhar com esse risco de forma responsável." Bem observado, Guilherme, essa frase é um aviso importante. E me preocupa que a mídia, os jornalistas em sua maioria, não estão atentos a esse aspecto, a iminência de uma tragédia. Muito menos os festivos organizadores que, de forma cândida, dizem terem perdido o controle e por isso as depredações. Os organizadores do movimento, de forma egoista e arrogante, estão se lixando para os transtornos que causam. Caso contrário, não insistiriam em rumar sempre para a avenida Paulista. Alguém já avaliou os prejuízos causados ao povo que está região para viver, trabalhar e se locomover? Nem a Fiesp teve a coragem de se manifestar. O comércio local (os cinemas, por exemplo) estão amargando prejuízos. E nossas autoridade sempre abrem espaço para os manifestantes, não para o povo. Para não haver excessos de PMs, optou-se pela apatia, pela indiferença diante de uma banca de jornal sendo destruída. Que tristeza. Protesto sim, bagunça não. Chega. Hoje, em vez de festejar, de se exibir, o movimento Passe Livre poderia ter dado um descanso ao inferno paulistano que criou com a leniência da mídia e da polícia. A iminência de uma tragédia, conforme adverte Guilherme, deveria ser preocupação maior.

    Responder
  • Guilherme Scalzilli
    - 20 de junho de 2013 - 13:09

    Por um triz Falta uma infelicidade qualquer para que algum desses atos públicos nas capitais se transforme em tragédia. Alguém tropeça, puxando outros consigo, durante uma correria. Um bate-boca leva ao pugilato e a trocas de facadas ou garrafadas. Um bandido infiltrado, civil ou militar, aproveita qualquer tumulto para dar um tiro na direção da turba. Um tijolo despenca do décimo andar de um prédio. Uma bomba explode no lugar errado. E assim, de repente, surge o primeiro cadáver dos protestos. O simples fato de tudo estar tão sujeito ao acaso e à boa-vontade das gentes já é sintoma de perigosa fragilidade. Se considerarmos o caos probabilístico gerado por um fenômeno em que dezenas de milhares de pessoas se espremem pelas ruas da metrópole, concluímos que os anjos das passeatas vêm trabalhando como nunca. É quase absurdo que não tenha ocorrido alguma ocorrência fatal, especialmente porque as chances se multiplicam na repetição diária dos atos. Talvez eu esteja apenas sendo pessimista, mas na base de toda medida preventiva existe uma dose de fatalismo. Depois de acontecer o pior, será inútil discutir se houve uma coincidência idiota ou a ação de malfeitores oportunistas. Não podemos menosprezar a possibilidade de que alguém esteja ansioso para que a violência fuja ao controle da imensa maioria pacifista. É necessário, portanto, que os organizadores dos protestos passem a trabalhar com esse risco de forma responsável. http://www.guilhermescalzilli.blogspot.com.br/

    Responder
  • Maria Fulô
    - 20 de junho de 2013 - 10:48

    Delícia ver a Rede Globo empenhadíssima em tentar nos convencer de que o que ela sempre apoiou, inclusiva a Ditadura, é o contrário do que ela apoia agora. O JN desta semana deveria ter sido aberto por FHC em pessoa: "Esqueçam o que eu disse"...

    Responder
  • Yane
    - 20 de junho de 2013 - 10:37

    a grande mídia é o maior partido oposicionista, a meu ver com a nítida proposição de destruir um governo do povo..kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk..essa foi de lascar....aqui é um hospício. Deveria trocar o nome para Hospício do Kotscho...hahaha

    Responder
  • Yane
    - 20 de junho de 2013 - 10:35

    Uma nova pesquisa de opinião pública divulgada nesta quarta-feira (19) reforça a tendência de queda na avaliação positiva do governo da presidente Dilma Rousseff, já apontada por outras pesquisas, com uma queda de oito pontos percentuais num intervalo de três meses. fonte FSP. E o boneco Haddad abandonado pelo partido!! Está ficando bom. Como tenho dito aqui - e sempre censurada - a casa está caindo. É o início do fim do PETE, para o bem da nação!!

    Responder
  • Vannelder
    - 20 de junho de 2013 - 10:03

    O povo brasileiro não quer mais pagar a conta de tanta incompetência e corrupção. Cito apenas como exemplo a Copa do Mundo, com a construção de estádios quando a reforma e adaptação de outros já existentes custariam menos. O Estádio Mané Garrincha custou mais de R$ 1 bi. Pra que gastar isso se tinha o Serra Dourada em Goiânia, cuja reforma e adaptação custaria bem menos? A Arena Amazônia em Manaus custou mais de R$ 500 milhões. Pra que gastar isso se tinha o Mangueirão em Belém, cuja reforma e adaptação custaria bem menos? O Itaquerão vai custar mais de R$ 800 milhões. Pra que gastar isso se tinha o Morumbi cuja reforma e adaptação custaria bem menos?

    Responder
  • amaro
    - 20 de junho de 2013 - 09:48

    PARABENS AO PROTESTO PACIFICO + AOS VANDALOS CADEIA NELES!

    Responder
  • JG
    - 20 de junho de 2013 - 09:12

    O povão anda grilado. O Brasil, de repente, não é mais a sexta economia, caiu uma posição. A Petrobrás, já não é mais aquela, a não ser, a belíssima campanha institucional pretendendo goela abaixo dizer o contrário; e que só pretende elevação de preços, afinal. Os combustíveis... caríssimos. Inflação... E os nervosinhos do COPOM, logo trazendo a "solução milagrosa" de aumento dos juros. A crescente desconfiança internacional. Obras paradas. PAC emperrado, sem contar a vergonha que está acontecendo com a ferrovia Norte-Sul. Custos das obras da Copa... nem é bom tocar no assunto. Aí aumentam o combustível para uma avalanche de aumento de preços; exemplo os preços dos transportes públicos. Comemorações pelos sucessivos aumento na arrecadação de impostos. A oposição, que não serve para nada... se bem que permaneça onde está porque com os caras que estão por aí... Sem oposição (e o povão anda muito cansado com os partidos políticos), está saindo às ruas, a seu modo. Quem não fica desconfiadão Kotscho? Agora, vamos deixar o povão dizer o que quer. E precisamos esperar pelo povão. Os brasileiros estão protestando; estão descontentes.

    Responder
  • Ricardo F
    - 20 de junho de 2013 - 09:02

    Perfeito Kotscho, a vida segue apesar de um naco da antiga classe média ter ido pras ruas. O incômodo de ter que dividir a classe com mais 40 milhões está insuportável. O EGOÍSMO vai ao espaço nas ruas, ao congestionamento dos serviços de saúde e do teleatendimento das operadoras de celular. NÃO QUEREM DIVIDIR. Mas POBRE NÃO PAGA ÔNIBUS, que paga é o patrão. Pobre também vai de ônibus ao hospital. A tarifa zero vai piorar a saúde.

    Responder
  • Paulinho Tonelada
    - 20 de junho de 2013 - 07:01

    Tiraram o gênio da garrafa, quero ver colocar de volta. Vamos ver o que esses párias inúteis, vagabundos profissionais, vão reivindicar agora.

    Responder
  • André Terra
    - 20 de junho de 2013 - 03:46

    O cálculo é simples!!! Meu caro manifestante que tá na “vibe” do movimento ! Qual o maior público que a manifestação conseguiu levar às ruas de SP ??? Destes, quantos estavam de GREVE, ameaçando o Capital e o Estado ??? Agora responda: qual a população de São Paulo e qual o percentual da força de trabalho paulista aderiu ao “movimento” ???? Sinto muito, mas não era o “POVO” e nem a “População Economicamente Ativa” que “Occupy” a Av.Paulista !!! A galera “desceu do FACE”, mas flores para policiais não ameaçam patrão, partido ou político algum !!! Bons sonhos, o “gigante de papelão” nunca despertou, vcs apenas serviram de “inocentes úteis indignados” ! Nada além !!! Mas parabéns à Pholha e ao engajamento dos seus jornalistas !!! Chocaram o ovo da serpente pensando que se tratava de democracia! Só que não, não é Rousseau quem inspira o MPL!

    Responder
  • Edmilson
    - 19 de junho de 2013 - 23:42

    Esses protestos perderam o sentido. Não há causa, não há respeito, não há quem realmente deva protestar (os que usam o transporte público, ou seja, o trabalhador). Há sim interesses escusos por trás de toda essa baderna. E na depredação da prefeitura de Sao Paulo ficou claro que não é só a polícia que causa o tumulto. Para os mauricinhos que participam dessa "farra", os protestos se tornaram um evento social. É só ver no "Feicebuqui" patricinhas dizendo e inserindo fotos com cartazes e os dizeres "EU ESTIVE LÁ. JOGUEI 2 PEDRAS. QUE EMOÇÃO. FORA DILMA". E depois dizem que é o pessoal do Bolsa Família que é vagabundo.

    Responder
  • Cleudecir
    - 19 de junho de 2013 - 22:58

    Lendo os últimos comentários deu-se para ver que alguns tratam este blog como veículo oficial do PT. Há vários comentários que só cuidam de um assunto em diversas formas: Tentar descolar do PT e da presidente Dilma as manifestações que ora ocorrem no país. Alguns chegam a dizer que tudo isto é manipulação da grande mídia . Discordo disto. Em primeiro lugar se as manifestações ocorrem agora com quase três anos de governo Dilma, a quem estas manifestações estariam associadas senão ao governo vigente? Depois de praticamente três anos, é óbvio que tais manifestações são por causa de sua administração. É só ver as reclamações: Tarifas altas para um transporte público-urbano péssimo, educação deficiente, saúde deixando ainda a desejar e corrupção de vários agentes do governo PT. Pessoalmente não acredito que a maior culpa é da Dilma já que ela é muito pressionada pela ala petista alucinada que a força a fazer coisas que prejudicam a nação, como a interferência na área econômica que destruiu tudo o que o Lula fez e o programa de perpetuar o PT no poder custe o que custar, inclusive se for preciso destruindo a popularidade dela. E para concluir, se a grande 'meretriz' brasileira, na opinião dos petistas, a mídia dita 'golpista' tem o poder de criar e espalhar por todo o país manifestações deste tipo, então é melhor que vocês petistas escolham outro inimigo contra quem lutar pois este, tendo todo este poder é invencível.

    Responder
  • Durvaldisko
    - 19 de junho de 2013 - 21:56

    São Paulo é a capital da reação. Quando se tem um governador simpático ou membro da Opus Dei,todas as especulações são admissíveis. A inércia da PM ,quando mais se mostrou necessária;a sugestão de pauta ao líderes do MPL,que incluíssem o "mensalão",junto aos demais protestos;a manipulação de transferir para o governo federal a responsabilidade dos atos e das consequências.Pergunta-se: aonde Dilma deveria Ir? E tratar com quem? Com Neymar ,Obama,familia Mancini, espólio Cívita?

    Responder
1 2