A pedidos, de tanto insistir, José Serra voltou a entrar na lista de presidenciáveis pesquisados no novo Datafolha. Alcançou 14% num dos cenários, quatro a mais do que Aécio Neves, seu companheiro (?) de partido, que teve a candidatura  apoiada esta semana pelos 27 presidentes de diretórios estaduais do PSDB.

ae José Serra entra na pesquisa, mas só ameaça Aécio Neves

Além do azar de ter entrado no jogo justamente na semana em que seu nome foi citado no imbróglio do Metrô paulistano, Serra enfrenta vários outros problemas, a começar pela falta de um partido para lançar sua candidatura:

* Tendo à frente do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, o PSDB desta vez está fechado em torno da candidatura de Aécio Neves e não quer nem ouvir falar em prévias.

* Como alternativa, Serra pensou em se lançar por uma coligação de pequenos partidos, mas só lhe sobrou o nanico PPS do sempre fiel Roberto Freire, muito pouco para quem almeja uma candidatura competitiva para a Presidência da República.

* Mesmo se colocando à frente de Aécio no Datafolha, dentro da margem de erro, a intenção de votos no candidato ainda tucano, com todo o "recall" do seu nome,  ficou em modestos 14%, bem abaixo dos índices das últimas campanhas que disputou e perdeu.

A 14 meses das eleições, por enquanto o ex-governador de São Paulo e eterno postulante a qualquer cargo é candidato apenas dele mesmo. O que então o leva a insistir em disputar a sucessão presidencial de 2014, pedindo para que seu nome fosse incluído nas pesquisas?

Atazanar a vida de Aécio Neves e a de  todos os tucanos que o marginalizaram no partido: esta é a única resposta que encontro. A sua entrada em cena ameaça apenas o candidato oficial tucano, que vai mal das pernas. De uma pesquisa para outra perdeu quatro pontos (foi de 17 para 14) no principal cenário. Se o nome de Serra for incluído, cai para 10%.

O quadro não chega a ser propriamente animador para nenhum dos dois tucanos, já que Marina Silva, a segunda colocada na pesquisa, cresceu três pontos, passando de 23 para 26%, o dobro de Aécio. E a soma de Aécio com Serra  (24 pontos) corresponde praticamente a uma Mariana (23 pontos) quando os dois entram na lista.

Dos seis candidatos incluídos na pesquisa _ Dilma, Marina, Aécio, Joaquim, Serra e Eduardo Campos _ quem se saiu melhor foi a presidente que disputa a reeleição (subiu de 30 para 35%), na medida em que três dos possíveis adversários não têm partido até agora (Marina, Joaquim e Serra) e os que têm partido são os que menos pontuam (Aécio e Eduardo Campos).

Mais do que todos, porém, o grande vencedor, mais uma vez, foi o ex-presidente Lula. Quando seu nome é incluído, ele aparece como o único que venceria  as eleições no primeiro turno, com 51% dos votos.

Serra só aparece à frente nos índices de rejeição: tem 36% dos eleitores que não votam nele de jeito nenhum, contra 27% de Dilma e 23% de Aécio. Na próxima semana, deverá ser divulgada a nova pesquisa Ibope, já com o  nome de Serra, também a pedidos do próprio.

http://r7.com/syYh