- Ricardo Kotscho - http://noticias.r7.com/blogs/ricardo-kotscho -

Vamos ter Copa, sim, e protestos agora ficaram patéticos

Postado por rkotscho em 27/05/2014 às 11:20 em Sem categoria | 72 Comments

marcha vadias g 20120525 Vamos ter Copa, sim, e protestos agora ficaram patéticos [1]

Em tempo: Seminário dos 50 anos vai ser na Cásper Líbero

Caros amigos,

ficou pronto agora o novo convite (ver no final deste post) para o Seminário "50 anos de histórias do Brasil", que foi transferido para a Faculdade Cásper Líbero, na avenida Paulista, no mesmo dia 30, às 15 horas, por conta da anunciada greve na USP, local anteriormente marcado.

Participarão do debate os jornalistas Clóvis Rossi, Audálio Dantas, Jorge Araújo, Eliane Brum, Hélio Campos Mello e eu, com mediação de Mariana Kotscho. Vamos lembrar histórias do meu primeiro meio século de jornalismo, que completo esta semana. A iniciativa é da ECA-USP, onde estudei na primeira turma, e da Faculdade Cásper Líbero. A organização é de Eugenio Bucci e Camilo Vannuchi.

A entrada é franca, mas é preciso se inscrever:eventos@fcl.com.br [2]

Apareçam e avisem os amigos.

***

Com apenas um protesto contra a Copa marcado para esta terça-feira, em Brasília, a onda de manifestações vai-se esvaziando, a cada dia de forma mais melancólica, mostrando que a maioria da população brasileira, que ama o futebol e não mistura seleção com política, não quer mais saber de baderna.

Vamos ter Copa do Mundo no Brasil, sim, apesar da urubuzada que sobrevoou o país nestes últimos meses e infernizou a vida de quem mora nas grandes cidades. Felipão e seus 23 convocados já estão concentrados na Granja Comary, em Teresópolis, só esperando o início jogo de estreia do Brasil contra a Croácia, no Itaquerão, daqui a 16 dias.

Foram patéticos os últimos protestos organizados pela turma do quanto pior, melhor, cada vez menores e mais radicais, a ponto de tentarem impedir a saída do ônibus da seleção que seguiu ontem do Rio para Teresópolis e, depois, a sua entrada na Granja Comari.

Empunhando bandeiras do Sindicato dos Profissionais de Educação e de partidos radicais da esquerda sem votos, um grupo de 200 professores xingou os jogadores que saiam do hotel próximo ao Galeão e chutaram o ônibus aos gritos de "pode acreditar, educador vale mais do que o Neymar". O que tem uma coisa a ver com a outra? Que direito estes vândalos travestidos de educadores têm de impedir a passagem de quem quer que seja? Outros 30 gatos pingados e irados se postaram diante dos portões da concentração em Teresópolis.

No último final de semana, em São Paulo, tivemos duas marchas que, mais uma vez, fecharam a avenida Paulista. Não são mais necessárias multidões nem grandes causas populares para interditar a principal via da maior cidade do país. De manhã, no sábado, foi a vez da autodenominada "marcha das vadias", em que mulheres desfilaram com os seios nus apesar do frio e da garoa; à tarde, apareceu um bando contra a Copa e contra tudo, que fez o mesmo trajeto, interditando ruas em direção ao centro. Em cada uma, não havia mais do que 300 "protestantes" nesta cidade de mais de 10 milhões de habitantes. Quem essa gente representa?

Diante do fracasso das manifestações anunciadas em larga escala pela mídia grande, ficamos sabendo que, há duas semanas, veio até um reforço do exterior. "Um grupo de cerca de cem ativistas, entre eles barbudos, mocinhas universitárias, skatistas e até rapazes com cara de advogado assistiam sem piscar à palestra do moço magrinho que tentava ensinar como mudar o mundo", relata Silas Martí, da "Folha".

O moço magrinho era um tal de Sean Dagohoy, do coletivo americano Yes Man, que deu uma "oficina de ativismo" no  Centro Cultural de São Paulo, para ensinar os nativos, durante três horas, a "pensar em ações de protesto contra o Mundial de futebol". Dagohoy ainda advertiu seus alunos que não poderia se responsabilizar pela "eventual brutalidade daqueles que estão no poder".

Era preciso informar ao ativista gringo que as maiores brutalidades a que assistimos nos últimos meses não partiram dos que estão no poder, mas de grupos de black blocs e outros celerados que se aproveitavam das "manifestações pacíficas" para afrontar a polícia, depredar patrimônio público e privado, saquear lojas, tacar fogo em ônibus.

Derrotados, eles podem voltar a qualquer momento, e todo cuidado é pouco. Que a bola comece logo a rolar para a gente poder mudar de assunto. Os nobres parlamentares brasileiros, por exemplo, já estão dando sua contribuição, ao anunciar que só vão trabalhar durante seis dias durante toda a Copa. Menos mal.

Agora é com você, Felipão!

Kotscho convite Vamos ter Copa, sim, e protestos agora ficaram patéticos [3]

http://r7.com/dfre

  [4]
  [5]


Artigo impresso de Ricardo Kotscho: http://noticias.r7.com/blogs/ricardo-kotscho

Endereço do artigo: http://noticias.r7.com/blogs/ricardo-kotscho/2014/05/27/vamos-ter-copa-sim-e-protestos-agora-ficaram-pateticos/

Endereços neste artigo:

[1] Imagem: http://noticias.r7.com/blogs/ricardo-kotscho/files/2014/05/marcha-vadias-g-20120525.jpg

[2] eventos@fcl.com.br: mailto:eventos@fcl.com.br

[3] Imagem: http://noticias.r7.com/blogs/ricardo-kotscho/files/2014/05/Kotscho_convite.jpg

[4]  : http://noticias.r7.com/blogs/ricardo-kotscho http://noticias.r7.com/blogs/ricardo-kotscho/2014/05/27/vamos-ter-copa-sim-e-protestos-agora-ficaram-pateticos//emailpopup

[5]  : http://noticias.r7.com/blogs/ricardo-kotscho http://noticias.r7.com/blogs/ricardo-kotscho/2014/05/27/vamos-ter-copa-sim-e-protestos-agora-ficaram-pateticos//print

© 2010 R7.com. Todos direitos reservados.