O filósofo dos Sem Teto faz ameaças contra Copa

"Se o governo quiser pagar para ver, ele vai ver. Se até sexta não tiver uma resposta para nossas reivindicações, não sei se a torcida vai conseguir chegar a esse jogo", ameaçou o coordenador-nacional do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST), Guilherme Boulos, ao final de novo protesto diante do Itaquerão, na noite de quarta-feira. O jogo a que ele se refere é o último amistoso da seleção brasileira, contra a Servia, marcado para amanhã, no Morumbi.

A uma semana do início da Copa do Mundo, Boulos, um filósofo barbudo de 30 anos, com especialização em psicanálise, assumiu o comando das manifestações de protesto nas últimas semanas e fala como se fosse o novo dono do direito de ir e vir na maior cidade do país, palco do jogo de estreia. Arrogante e prepotente, lançou outro repto às chamadas autoridades constituídas, que permanecem em obsequioso silêncio:

"Não adianta falar na televisão que vai colocar a polícia e Exército na rua. Eles não são nada perto do povo organizado. Hoje, a gente mostrou para o governo que a gente sabe o caminho do Itaquerão. No dia do jogo, vai ter mais gente de vermelho aqui fora do que de verde e amarelo dentro do estádio".

Ninguém deve se surpreender com suas basófias. Desconhecido até outro dia, quando se tornou protagonista no noticiário e desandou a fazer ameaças até em programas nobres da televisão, o filósofo dos sem-teto já havia anunciado um "junho sangrento ", depois de um sorridente encontro com a presidente Dilma Rousseff, numa das inaugurações do Itaquerão, em meados de maio. Dilma prometeu estudar as reivindicações de Boulos, que quer a imediata regularização de todas as invasões de sem-teto na cidade.

Na noite do último dia 22, ele avisou: "Se os nossos direitos não forem garantidos, no dia 12 de junho não vai ter abertura da Copa. Teremos uma onda vermelha em todo o país. O que nós queremos é a nossa fatia no bolo".

Boulos quer muito mais: fim da especulação imobiliária, reforma agrária, melhorias na educação, construção de creches, soberania nacional durante a Copa, transporte público gratuito e de qualidade, o fim da violência policial e, se possível, também acabar com o sistema capitalista _ e tudo isso antes da Copa começar. Ou, então, ele ameaça não brincar mais e promete botar fogo em tudo. O incrível é que continua solto, lépido e fagueiro, do alto de um discurso cheio de chavões dos tempos anteriores à queda do Muro de Berlim.

Sem ser incomodado por ninguém, o rapaz organizou uma invasão a quatro quilômetros do Itaquerão, onde já foram montados mais de 3 mil barracos pelos seus seguidores. Como um Antonio Conselheiro redivivo nesta Canudos urbana às margens do Tietê, ele promete a todos o paraíso logo ali adiante, assim que derrotar os inimigos do povo, em nome de quem se habituou a falar, sem que se saiba quem lhe deu este poder. Os outros 12 milhões de habitantes de São Paulo que se danem.

http://r7.com/ZS8d