okok Novo governo Dilma: afinal, quem ganhou e quem perdeu?

Na imagem, Joaquim Levy (ex-secretário do Tesouro Nacional) e a Senadora Kátia Abreu (Foto: Agência Brasil/Estadão Conteúdo)

Deve ter alguma coisa errada quando quem perdeu a eleição está feliz, aplaudindo, e quem ganhou ficou triste, vaiando. É o que está acontecendo agora com este anticlímax da montagem do novo governo Dilma, que para muitos apoiadores dela já nasceu velho.

Os de sempre já estão falando até em "estelionato eleitoral" porque a vencedora Dilma estaria montando o ministério no figurino do derrotado Aécio, e fazendo tudo ao contrário do que prometeu durante a campanha. Até a celestial Marina Silva reapareceu para descer a lenha em Dilma, enquanto o tucano sumia de cena.

A própria presidente reeleita ainda não confirmou nada. Faz mistério e só deve anunciar os nomes da equipe econômica na quinta-feira. Deve ter lá as suas explicações, claro, mas como até agora não as deu, no momento o ambiente político está mais para vaca estranhar bezerro e poste fazer xixi em cachorro. Quanto mais demorar, pior para ela.

A simples menção aos nomes do ortodoxo Joaquim Levy, do Bradesco, para a Fazenda, e da radical Kátia Abreu, da UDR e da CNA, para a Agricultura, já está provocando uma tremenda chiadeira na base aliada e, especialmente, nos movimentos sociais que foram mobilizados pelo PT na campanha eleitoral.

Só não entendo os motivos para tanta surpresa. A situação econômica do país exige mesmo mudanças estruturais, iniciativas ousadas, capazes de causar impacto. Se vão dar certo ou não, se vão ou não melhorar a governabilidade, é outro problema.

Em 2003, ao assumir pela primeira vez a presidência, Lula não nomeou Henrique Meirelles, do Banco de Boston, deputado federal então recém eleito pelo PSDB de Goiás, para o Banco Central? Não trouxe para o governo do PT os ministros Roberto Rodrigues e Luiz Furlan, que tinham acabado de fazer campanha para o tucano José Serra, e não colocou na Fazenda o médico sanitarista Antonio Palocci, ex-prefeito de Ribeirão Preto?

Vida que segue.

http://r7.com/cdRf